Até bem pouco tempo, ninguém diria que não vale a pena investir em imóvel. Comprar terrenos, casas e pontos comerciais eram excelentes formas de aplicar o dinheiro com segurança.

As razões para criar um patrimônio físico estavam associadas às questões do desenvolvimento econômico do mercado brasileiro. Até o início do Plano Real era comum ver a inflação descontrolada e tirando o poder de compra do dinheiro; a Bolsa de Valores estava começando a ganhar um ritmo maior em suas atividades e as opções de investimento não eram tão amplas como as atuais.

Nesse cenário, criar um patrimônio baseado em imóveis dava a certeza de não ver seus bens sendo confiscados ou desvalorizações por ações do governo.

Mas será que ainda hoje vale a pena investir em imóvel? Essa é uma boa alternativa para qualquer perfil de investidor? As chances de lucrar são maiores que as de ter prejuízos e baixa rentabilidade nesse tipo de aplicação?

No post de hoje, você verá a resposta para essas e outras questões, além de descobrir se investir em imóvel é a melhor alternativa para aumentar seu patrimônio e garantir sua independência financeira. Confira!

Quais são os benefícios em investir em imóvel?

Basicamente existem 3 vantagens desse tipo de investimento:

Segurança:

Uma vez registrado em cartório, dificilmente você perderá seu imóvel, afinal ele só será confiscado em casos de inadimplência de impostos. Ações judiciais ou definições legislativas dificilmente tirarão o bem de sua posse.

Além disso, os contratos de locação preveem multas para o caso de o inquilino solicitar o distrato antes dos primeiros 30 meses. Isso representa uma garantia para o locatário.

Formas de ganhos:

Além do ganho com a valorização do terreno ou prédio, o aluguel é uma boa alternativa para aumentar o retorno do investimento e os ganhos de capital com o imóvel.

Diversidade de tipos de imóveis:

Quase sempre as pessoas pensam em investir em imóveis residenciais. Contudo, é possível adquirir salas comerciais, galpões e terrenos.

Ou seja, você pode diversificar os tipos de edificações em sua carteira e diluir seus riscos, mesmo se decidir alocar 100% de seu capital apenas em prédios.

E as desvantagens?

Separamos apenas as 4 principais. Conheça cada uma delas:

Valor de investimento inicial:

O custo da aquisição de terrenos ou de prédios é muito alto se comparado a outras formas de investimento, como os fundos imobiliários.

Quase sempre as pessoas precisam financiar uma parte do valor do imóvel para adquiri-lo. Isso significa deixar uma parte dos lucros para pagar os custos do financiamento. Caso você não possua um grande capital, também quer dizer que os riscos para seu patrimônio serão maiores, pois ele ficará mais concentrado e exposto em uma menor quantidade de ativos.

Além disso, existem outros dois custos que devem ser contabilizados:

  1. o pagamento do Imposto sobre Transmissão de Bens (ITBI) que podem chegar a 6% do valor do imóvel;
  2. os gastos com corretagem, quase sempre ficam entre 2 e 5%, caso utilize os serviços de um corretor profissional.

Custos de preparo para a locação ou venda:

Se você quiser potencializar seus ganhos com a locação ou venda do imóvel, precisará investir em reformas ou adequações que valorizem o seu bem. Isso certamente elevará os custos e, se não for bem planejado, pode corroer parte de seu lucro, caso a valorização esperada não seja atingida.

Outra questão a ser considerada é o valor necessário para a divulgação do imóvel. Se você utilizar uma imobiliária para intermediar a venda ou a locação, ela ficará, normalmente, com o valor do primeiro mês de aluguel e com 10% das demais mensalidades.

No caso de uma venda, a taxa costuma oscilar entre 5 e 10%. Já se decidir fazer tudo por conta, terá que trabalhar para criar uma boa rede de relacionamento e contatos, além de ter boa organização para lidar com todas as questões envolvendo seus imóveis.

Baixíssima liquidez:

É comum ouvir pessoas dizendo que compraram um imóvel com um bom desconto por causa da necessidade do antigo proprietário em se desfazer mais rapidamente do bem. Ou seja, para acelerar a venda, o dono precisou abrir mão de parte do seu lucro.

Dado o alto valor necessário para a aquisição de um imóvel é mais difícil encontrar compradores aptos a pagarem o valor desejado exatamente no momento em que o proprietário precisa reaver o capital investido.

Outra desvantagem é que se você tiver um imóvel avaliado em R$ 250 mil e precisar de apenas R$ 100 mil para suprir uma necessidade emergencial, não conseguirá vender uma parte do bem, terá que liquidar toda a sua posição para ter o capital à sua disposição.

Congelamento do valor investido:

Em ciclos de alta de juros e crises econômicas o valor do imóvel e dos alugueis tende a sofrer estagnação ou até desvalorização. A razão disso é a baixa procura por parte dos compradores.

Ou seja, se você não quiser abrir mão de possíveis lucros, precisará carregar sua posição como proprietário até que a economia se recupere.

Quero comprar um imóvel, o que devo avaliar?

Se você ainda acredita que vale a pena investir em imóvel existem 3 aspectos básicos que você precisa considerar:

1. Comprar uma residência é diferente de investir

A compra de uma habitação visa o conforto da família, não o ganho de capital. Já o investimento visa lucro. Isso não pode ser confundido na hora de avaliar um imóvel para locação ou venda futura!

2. Avalie o retorno do investimento ao logo do tempo

Qual o histórico de valorização dos imóveis na região onde você investirá? Esse valor está acima ou abaixo da taxa de inflação do período? Ainda há margem para a valorização do imóvel que você quer comprar?

Existem opções com maior potencial de valorização? Caso o prédio seja alugado, em quanto tempo o aluguel paga os custos de compra e manutenção do bem e passa a gerar lucros?

Essas são questões que precisam ser consideradas para fazer um investimento consciente e planejado.

3. Compare com outras opções de investimentos

Se o mesmo valor investido no imóvel fosse aplicado em debêntures, fundos imobiliários ou ações, por exemplo, o lucro obtido seria maior ou menor que aquele gerado pelo aluguel e venda do imóvel?

Se for maior, aja com a razão e faça seu dinheiro trabalhar de forma mais eficiente!

Agora você já sabe as vantagens e riscos ligados a aquisição e locação de prédios, deve ter percebido que esta é uma forma que deveria compor um portfólio maior de investimentos. Afinal, o potencial de ganhos não é maior que os riscos implícitos as operações de compra, venda e locação de imóveis.

Você conhece algum amigo ou familiar que insiste em dizer que vale a pena investir em imóvel? Acredita que este texto pode ajudá-lo a esclarecer o assunto? Então compartilhe este post nas suas redes sociais e marque essa pessoa para continuar debatendo com maior profundidade sobre o tema!

Autor

Redação Blog de Valor

O Blog de Valor é um site de educação financeira independente com a missão de auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e os seus produtos. Assine nossa newsletter!

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *