Em 1949 George Orwell se atreveu a prever o futuro em sua brilhante e seminal obra chamada 1984. Nela ele se atrevia a entre outras coisas prever o futuro, no caso 35 anos a frente. É como se hoje eu me aventurasse a imaginar ou a supor o mundo em 2053 quando eu tiver meus 70 anos de idade! Mais do que apenas carros voadores, ou skates como no caso de Mcfly do De Volta para o Futuro, as previsões acerca dos avanços da tecnologia sendo levados a “perpetuidade” criam ideias muito efêmeras e circunscritas a realidade que nos cerca. Ou seja, criamos e projetamos o futuro baseados naquilo que vemos hoje.

No mercado financeiro isso se torna especialmente perigoso. Um exemplo mor disso foi a bolha das empresas .COM em 2001. Voltando um pouco no tempo, os anos 90’s foram um período de rápido avanço tecnológico em muitas áreas, mas foi a comercialização da Internet que levou à maior expansão do crescimento do capital que o país já havia visto. Embora as empresas de tecnologia já existissem e apresentassem um consistente crescimento orgânico (Microsoft, Intel, a Cisco e a Oracle), foram as start-ups “dotcom” que impulsionaram o aumento do mercado com o índice NASDAQ dominado pela tecnologia aumentando de menos de mil para mais de 5.000 entre 1995 e 2000. O gráfico abaixo da uma dimensão do tamanho da coisa.

Mas ainda melhor são os exemplos…

  • GeoCities, comprada pela Yahoo! por US$ 3,57 bilhões em janeiro de 1999. Yahoo! fechou o GeoCities no dia 26 de outubro de 2009.
  • Boo.com, gastou US$ 188 milhões em 6 meses na tentativa de criar uma loja de artigos de moda online e global. Foi à falência em maio de 2000.
  • O Pets.com lançado em 1998 gastou milhões de dólares em publicidade acreditando na ideia de um Petshop online. Em 2000 a empresa realizou seu IPO e 268 dias depois ela foi liquidada (fechada). O cachorrinho pelo menos parece simpático não?

Apesar das mais doidas previsões existentes acerca do futuro, é interessante que alguns conceitos colocados por Orwell de fato tiveram uma interessante conexão com a realidade. O seu famoso Grande Irmão que está de olho em você (Big Brother no termo original) não difere quase em nada do progama de TV, mas também das redes sociais que estão “de olho em nós” diariamente. Além disso a “Novilíngua” que no livro foi criada para controlar a história poderia se assemelhar a linguagem de programação atual…a qual é tão utilizada para nos ajudar e também, quem sabe controlar nossa vida?

Voltando aos investimentos.

Porque estou falando disso? Porque hoje o mercado de investimentos parece também tomado pelas perspectivas e visões acerca do futuro. Analistas de investimento vestem a carapuça de George Orwell na hora se projetar seus fluxos de caixa futuros, suas estimativas de vendas que só crescem e consequente valor infinito para alguns ativos. E olha que interessante, hoje (01/08/2018) a Apple está muito perto de alcançar a impressionante marca de US$ 1 trilhão de valor de mercado!!

Com isso não tem como não relacionar tecnologia a um celular novo, um app da moda, um canal novo de youtube ou mesmo app novo de transportes. Sim tecnologia é isso. Mas é muito mais! Existe um mundo de diferentes facetas dentro do “guarda-chuva” da tecnologia. Não por acaso esse grande guarda-chuca responde por nada mais nada menos que 25% do índice S&P que congrega as principais empresas dos EUA.

Por isso resolvi escrever aqui 6 FACES DA TECNOLOGIA. Pra você que não é um entusiasta de nenhuma blogueira nova, ou um  “instagramer”, mas que gosta e acredita que o investimento em tecnologia deve ser considerado na hora de montar uma carteira….pra te mostrar que existe vida além das FAANG que estão tão na moda.

6 FACES DA TECNOLOGIA.
1. Fabricantes de semicondutores, circuitos integrados e microchips: 

Um semicondutor é basicamente uma substância que conduz a eletricidade em algumas circunstâncias e são componentes cruciais dos dispositivos eletrônicos..eles estão em todos os lugares…de um celular até um som do carro, ou uma máquina balança digital. Em 30 anos esse segmento apresentou um exponencial crescimento com as vendas saindo da ordem de US$ 33 bilhões em 1987, para alcançar US$ 408 bilhões em 2017, um crescimento de mais de 1100%, uma taxa média anualizada de 9% de crescimento constante desde 1987!

Em relação as perspectivas elas seguem de forte crescimento calcado no avanço em diferentes vertentes como semicondutores para outros produtos como carros, geladeiras, televisões, etc.; além da continuidade de expansão regional em diferentes mercados.

A maior fabricante de chips de semicondutores foi a Intel durante muito tempo, até que no ano passado a Samsung a ultrapassou. Atualmente Samsung tem ~15% de share, Intel 14% e SK Hynix 6%. Mas a Nvidia que rouba a cena no universo de empresas de semicondutores e mostra que existe sim potencial de ganhos fora das mais badaladas empresas de mídias sociais. O gráfico abaixo compara Nvida (cinza), Intel (azul) e Taiwan Semiconductor Manufacturing (vermelha) , as 3 maiores negociadas nos EUA. A Nvidia projeta unidades de processamentos gráficos (GPUs) para os mercados de jogos e profissionais, bem como o sistema em unidades de chip (SoCs) para o mercado de computação móvel e tem como principal concorrente a AMD. As ações da californiana acumulam valorização de mais de 1400% nos últimos… […]

 

Leia o texto na íntegra no blog BUGG – Análises Econômicas e de Investimentos, de William Castro Alves.

 

Autor

William Castro Alves

Economista pela UFRGS, iniciou sua carreira em 2004 na Solidus Corretora, tendo passado pelo Koliver Merchant Bank e Banco Alfa. Atuou como analista de Investimento na XP e responsável pelas gestão das Carteiras Recomendadas.

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *