Olá!

Existe um indicador que é muito famoso e que possui por finalidade analisar o desempenho estatístico de carteiras de investimentos – ou fundos – considerando o resultado obtido em função do risco assumido.

Esse indicador é o Índice Sharpe, foi criado pelo prêmio Nobel de Economia William Forsyth Sharpe e é utilizado em diversos relatórios de mercado.

Índice Sharpe

Observar apenas rentabilidades pode cegar as decisões de investimentos. Por isso, ao considerar também o risco assumido, o índice sharpe pode proporcionar uma informação a mais para o investidor.

O que o índice Sharpe considera?

O índice sharpe quer medir quanto de retorno um determinado fundo – ou carteira – entregou acima do ativo livre de risco num determinado período em razão do risco assumido (volatilidade).

O racional é: se eu tenho, por exemplo, o CDI como ativo livre de risco de referência, então para superá-lo eu preciso correr mais risco do que a volatilidade do próprio CDI. E o índice sharpe vai me dizer justamente isso: quanto de retorno eu tive pelo risco adicional que eu corri, considerando como risco, a volatilidade.

Volatilidade é uma medida de dispersão nas cotações de um ativo financeiro, que pode ser uma ação, título e/ou fundo de investimento. Quanto maior a variação de um ativo, maior o risco de se ganhar ou perder dinheiro e, por isso, a volatilidade é utilizada como uma medida de risco para fundos de investimento.

Fórmula do índice sharpe:

Índice Sharpe = (Retorno da carteira – Taxa Livre de Risco) / Desvio padrão dos retornos da carteira

Quanto maior o Índice Sharpe, melhor.

Aspectos interessantes do Índice Sharpe:

Olhando dois fundos, você pode encontrar um que tenha tido uma rentabilidade superior ao outro. Porém, ao analisar o índice sharpe, você pode observar que o nível de risco que esse fundo de melhor rentabilidade correu, foi muito maior e por isso o índice sharpe do fundo que rendeu menos pode ser melhor.

Isso acontece também quando um investidor olha dois fundos similares, com a mesma estratégia de investimentos e tem desempenhos parecidos. Então, ao observar o índice sharpe, ele saberá qual dos dois correu mais risco para entregar o mesmo resultado e assim poderia optar pelo de menor risco.

O índice sharpe visa mostrar o quanto de retorno foi acrescentado a um fundo (ou carteira) para cada unidade a mais de risco que ele possui.

Deficiências do índice sharpe:

O índice sharpe não é um indicador perfeito e deve ser considerado com ressalvas. Uma delas, é que o índice sharpe se utiliza de retornos passados, obtidos em circunstâncias de mercado também passadas e NADA GARANTE que ele se repetirá no tempo futuro, já que a economia é dinâmica assim como as oscilações de fundos e carteiras.

Isso quer dizer que ele fornece um retrato do que ACONTECEU numa determinada janela de tempo. Nada mais do que isso. Avaliando em outras janelas, o índice sharpe sera diferente, mesmo que comparando os mesmos produtos…

Janelas curtas de análise podem ser enganosas e janelas muito longas podem captar uma realidade de mercado muito diferente da atual.

Concluindo…

O índice sharpe é um indicador estatístico que pode compor a avaliação por parte do investidor, como um parâmetro adicional, porém eu entendo que ele é insuficiente para uma tomada definitiva de decisão. E não há qualquer garantia de que esses dados estatísticos se repetirão no futuro e muito menos que os cenários onde tais ganhos foram obtidos sejam os mesmos do passado.

Não utilize o índice sharpe para comparar produtos com características diferentes, pois isso não fará sentido algum e tente estar antenado muito mais a estratégia de investimento que você quer seguir do que a esse indicador.

Bem, era isso!

Um grande abraço!

 

André Bona

Autor

André Bona

André Bona possui mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, tendo auxiliado milhares de investidores a investir melhor seus recursos e é o criador do Blog de Valor - site de educação financeira independente.

Posts relacionados

Comentários

  1. CARG    

    Olá André,

    Gostaria q v discorresse a respeito de valores “típicos” deste índice, citando inclusive alguns exemplos reais com os respectivos cálculos, e os limites entre os quais este índice costuma se situar.
    Peço isto porque este índice é sutil e a explicação que v apresentou é a melhor que encontrei até agora, mas preciso deste complemento para completar o meu entendimento.

    V está de parabéns. Sabe muito mais do que aparenta e apresenta o que sabe com a simplicidade de quem sabe, sabe que sabe, e nem por isso se julga superior aos que sabem menos.

    Abs

  2. MARIA GORETTI GERMANO    

    Gostei mto dá explicação, é entendível .
    Mto obrigada.

  3. Rodrigo    

    Bela explanação sobre o tema.

  4. Robson Costa C, da Silva    

    Muito boa explicação! Obrigado pelos esclarecimentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *