É bem provável que em algum momento você já tenha ouvido falar sobre a taxa CDI. Afinal, ela é o indicador fundamental para importantes investimentos do mercado. Contudo, pode ser que você não saiba exatamente o que ela é nem como funciona.

Para lhe ajudar a compreender melhor o assunto, elaboramos este artigo que explica o que é a taxa CDI, como ela funciona e como investir. Continue a leitura e confira!

O que é a taxa CDI?

Antes de começarmos a falar sobre a taxa, é importante separar o joio do trigo. A verdade é que a sigla CDI não pertence à taxa, mas está relacionada aos Certificados de Depósito Interbancário.

São títulos que surgiram por volta da década de 1980 e que representam os empréstimos diários feitos entre as instituições financeiras para equilibrarem o seu caixa. O dinheiro arrecadado desses empréstimos é usado para custear os produtos (financiamentos ou empréstimos) dos bancos.

Para saber se a quantidade de dinheiro que possuem se equivale à quantidade do que emprestam, os bancos utilizam uma métrica conhecida como Índice de Basiléia. Bem, você deve estar se perguntando o que isso tem a ver com a taxa, não é?

O que acontece é que o CDI é remunerado pela Taxa DI, ou, como é comumente conhecida, taxa CDI. Então, ela nada mais é do que a média dos juros dessas operações, além de ser utilizada como referência para saber se certos investimentos estão ou não rendendo.

Como ela funciona?

A taxa CDI funciona como um parâmetro para os investimentos de renda fixa. Por isso, em termos de papel ela tem muita semelhança com a taxa SELIC.

A grande diferença é que, enquanto a primeira é calculada por meio do CETIP, a segunda é calculada pelo Sistema Especial de Liquidação e de Custódia e é obtida por meio da média dos juros dos títulos públicos.

Como as duas são formadas a partir dos juros médios das operações, elas tendem a ter seus valores bem próximos. Só houve uma vez em que as taxas tiveram uma diferença significativa, que foi em 2013 e a disparidade era de 0,17%.

Porém, nos últimos anos a diferença entre as duas é de cerca de 0,02%, sendo que a Selic é sempre mais alta do que a CDI.

Para exemplificar melhor como a taxa CDI funciona, vamos imaginar que o investidor possua um investimento que a utiliza como base. Imagine que este investimento rendeu 0,7% ao mês. Neste caso, o investidor deve comparar o valor da aplicação com o da CDI para saber se a rentabilidade foi positiva e de acordo com o esperado.

O objetivo é sempre se igualar à taxa. Ou seja, se a taxa do CDI foi de 1,00%, significa que o seu investimento rendeu apenas 70% dela (0,7%/1%= 0,7 ou 70%), ou seja, abaixo do propósito.

Como investir?

Existem alguns investimentos que utilizam esta taxa como base. Confira agora uma lista com 4 dos principais investimentos que usam o CDI como indexador:

CDB

Como um investimento de renda fixa bastante popular, o Certificado de Depósito Bancário é um título emitido pelos bancos em troca de empréstimos concedidos pelos clientes. Em resumo, você empresta dinheiro para o banco e ele lhe fornece esse título + juros.

Esta aplicação é pós-fixada e está totalmente ligada ao CDI, isto é, na hora do investimento você não sabe o quanto ele renderá, o valor depende da CDI do dia.

Existem alguns fatores que influenciam na porcentagem oferecida da CDI para o CDB. Primeiro, o tipo de banco. Se for um grande banco, as parcelas de CDI são menores, já que a instituição tem muitos clientes e não necessita se esforçar para ter recursos.

Os bancos pequenos e médios fornecem parcelas maiores, pois precisam de mais dinheiro para atrair mais investidores. O lado bom é que não é necessário ter uma conta nestas instituições para comprar títulos CDB; você pode fazer isso por meio de uma corretora.

O prazo e a liquidez são outros fatores que influenciam esses títulos. Caso o CDB tenha um vencimento maior e não permita resgate antecipado, as remunerações são maiores se comparadas com os títulos de curto prazo e liquidez diária.

Também é importante dizer que no CDB é cobrado o Imposto de Renda. A alíquota possui variação de 15% a 22,5% sobre a rentabilidade e depende do prazo de resgate.

LCI

A Letra de Crédito Imobiliário é um título emitido pelas instituições financeiras com o objetivo de obter capital para o financiamento do setor imobiliário. Basicamente, o investidor empresta dinheiro para o banco financiar o setor e em troca recebe um valor acrescido de juros.

Ela oferece alternativas com liquidez diária ou apenas resgate no vencimento mas, ao contrário do CDB, não é cobrado o Imposto de Renda. Algumas instituições oferecem LCIs que rendem até 90% da CDI.

Você pode comprar as letras de crédito por meio de corretoras ou bancos, como o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, entre outros. Esses dois se destacam por possuírem uma grande carteira de clientes neste setor. Esta aplicação é garantida pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

LCA

Chamada também de Letra de Crédito do Agronegócio, a LCA possui muitas semelhanças com a LCI. Também é uma espécie de empréstimo que o investidor faz para o banco. Só que, desta vez, a instituição utiliza o dinheiro para financiar o setor do agronegócio.

Existem três tipos de LCA: os pós-fixados, que são atrelados à CDI, os pré-fixados, em que a rentabilidade não muda e o seu indicador é a inflação (IPCA), e também os híbridos, que podem usar como índice também a inflação (IPCA, INPC ou IGPM) mais uma taxa de juros definida.

Esta categoria é menos comum, pois sua carência é de, pelo menos, três anos e isso não costuma ser muito vantajoso para quem precisa resgatar o seu dinheiro antes do prazo.

LC

Primeiro vamos esclarecer que a Letra de Câmbio não tem nenhuma relação com as transações estrangeiras. Este investimento é como um CDB, só que não é emitido por um banco, e sim por uma empresa especializada em fornecer empréstimos pessoais ou consignados.

Você encontra três tipos de LC no mercado: pós-fixada, na qual não é possível saber a rentabilidade exata — é atrelado ao CDI; pré-fixada, na qual é possível saber a sua rentabilidade quando for resgatar o investimento, e a híbrida, que está atrelada tanto aos juros quanto a outro índice, que pode ser tanto a taxa CDI quanto a inflação.

Gostou deste artigo? Conseguiu entender o que é a taxa CDI, como ela funciona e, o mais importante, como ela pode afetar os seus investimentos?

Então saiba mais sobre investimentos conferindo nosso artigo sobre o que fazer com os investimentos com a queda na taxa de juros!

Autor

Redação Blog de Valor

O Blog de Valor é um site de educação financeira independente com a missão de auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e os seus produtos. Assine nossa newsletter!

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *