*Este artigo foi produzido pelo App Renda Fixa com exclusividade para o Blog de Valor.

 

Se você pretende aplicar o seu dinheiro, precisa compreender diversos aspectos em relação às aplicações financeiras e um dos aspectos que você não pode deixar de lado são as taxas de investimento, afinal de conta, essas taxas influenciam a sua rentabilidade de forma direta.

Sendo assim, para que você saiba o quanto determinado investimento poderá oferecer de retorno, o rendimento bruto não é o único fator que deve ser considerado.

Para conhecer a rentabilidade real de determinada aplicação você precisa verificar também as taxas de investimento que serão cobradas sobre essa aplicação e descontar o valor delas do resultado final, caso contrário os cálculos de rentabilidade que você fizer estarão equivocados.

Para ajudar você a entender melhor sobre as taxas de investimento, separamos no artigo de hoje as principais informações sobre elas. Para saber mais, continue a leitura.

Agora você já sabe quais como são cobradas e quais são as principais taxas de investimento para que você saiba calcular da forma adequada a rentabilidade real das suas aplicações financeiras.

Taxas de investimento: o que você precisa saber antes de começar a investir

Conhecer e entender como as taxas de investimento são aplicadas é a melhor maneira para que o investidor consiga fazer o cálculo da rentabilidade real das suas aplicações financeiras, sem achismos, permitindo que você faça uma previsão de ganhos muito mais aproximada da realidade.

Para saber qual é a rentabilidade real de determinado investimento e fazer uma projeção dos seus ganhos, o ideal é que você subtraia o valor dos tributos e das taxas de investimento.

Somente dessa forma é que é possível ter uma noção mais aproximada de quanto o dinheiro que você aplicou vai render de verdade no final das contas.

Para isso, o primeiro passo, então, é conhecer quais são as taxas de investimento que incidem sobre cada aplicação financeira.

As principais dessas taxas são o Imposto de Renda (IR) e o Imposto sobre Operações Financeiras (o IOF), bem como a taxa de custódia e uma série de outras cobranças que podem influenciar a rentabilidade das suas aplicações financeiras.

Veja a seguir quais são e como são cobradas as principais taxas de investimento:

IMPOSTO DE RENDA – IR

A cobrança do Imposto de Renda é feita por meio de alíquotas, que é um percentual que incide sobre os rendimentos obtidos por determinado investimento e que variam de acordo com o prazo desse investimento.

Em outras palavras, isso quer dizer que o investidor não paga o IR sobre o valor total da aplicação financeira realizada, mas sim sobre os lucros que ele obteve com o seu investimento.

De forma geral, nas taxas de investimento relacionadas ao Imposto de Renda, é a adotada a tabela regressiva que você pode ver a seguir:

TABELA REGRESSIVA DO IR

Prazo da aplicação Alíquota do IR
Até 180 dias 22,5%
Entre 181 e 360 dias 20%
Entre 361 e 720 dias 17,5%
Mais de 720 dias 15%

IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES FINANCEIRAS – IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras – o IOF, é cobrado sobre saques em um período de tempo inferior a 30 dias de aplicação, ou seja, se você fizer um investimento e quiser resgatar o valor aplicado num prazo de menos de um mês, vai ter de pagar o IOF.

Em alguns casos, o valor a ser cobrado é fixo, enquanto em outro o desconto incide sobre a rentabilidade da aplicação financeira, variando de forma proporcional de acordo com o tempo de investimento, como você poderá ver na tabela abaixo.

Existem casos onde o valor do IOF a ser cobrado, pode chegar a anular os ganhos de um investimento, dessa maneira, você deve estar atento: caso você queira evitar ter de pagar esse imposto, sua aplicação deve ser mantida por um período de tempo de pelo menos 30 dias.

TABELA REGRESSIVA DO IOF

PRAZO (em dias corridos) Alíquota do IOF PRAZO (em dias corridos) Alíquota do IOF
1 96% 16 46%
2 93% 17 43%
3 90% 18 40%
4 86% 19 36%
5 83% 20 33%
6 80% 21 30%
7 76% 22 26%
8 73% 23 23%
9 70% 24 20%
10 66% 25 16%
11 63% 26 13%
12 60% 27 10%
13 56% 28 6%
14 53% 29 3%
15 50% 30 0%

 

É importante ressaltar que existem alguns tipos de aplicações financeiras sobre as quais não incide a cobrança de impostos, como é o caso dos seguintes investimentos:

  • Caderneta de poupança;
  • Letra de Crédito Imobiliária;
  • Letra de Crédito do Agronegócio;
  • Alguns títulos privados (como o CRI, CRA e as debêntures de infraestrutura incentivadas), categoria na qual se incluem também os dividendos que são pagos todos os meses pelos fundos imobiliários.

Neste artigo, não pretendemos nos aprofundar em detalhes sobre as aplicações financeiras isentas de taxas de investimento, entretanto, é importante salientar o fato de que apenas ter essa característica não garante que determinado investimento seja mais rentável que outros.

Além do mais, cada aplicação financeira atende um perfil específico de investidor e serve para alcançar determinados objetivos. Tudo isso também deve ser levado em consideração na hora de escolher onde aplicar os seus recursos financeiros.

TAXA DE CUSTÓDIA

A taxa de custódia, por sua vez, não é um tributo cobrado sobre a rentabilidade de determinado investimento, mas sim uma das taxas de investimento cobrada pelas instituições financeiras para a manutenção de ações ou de títulos públicos do investidor.

A taxa de custódia poderá ter um valor prefixado ou pode ser cobrada uma porcentagem sobre o valor dos papéis guardados pelas instituições financeiras.

Mesmo que o investidor não realize novas operações, é necessário pagar a taxa de custódia para bancos ou corretoras se você tiver títulos ou ações sob a guarda desta instituição financeira.

Em geral, a taxa de custódia é debitada de forma automática da conta do investidor no banco ou corretora e cada instituição é quem define o valor a ser cobrado, por isso, antes de escolher uma instituição financeira para investir, fique atento para a cobrança de taxas de investimento praticadas por ela.

É possível que você encontre instituições financeiras que não fazem a cobrança da taxa de custódia.

Outras taxas de investimento

Além do Imposto de Renda, do Imposto sobre Operações Financeiras e da taxa de custódia, existem outros tipos de taxas de investimento que você pode ter de pagar e que vão influenciar a rentabilidade das suas aplicações.

Conheça um pouco mais sobre essas taxas de investimento a seguir:

TAXA DE ADMINISTRAÇÃO

Em geral, a taxa de administração é cobrada nos fundos de investimento, seja de renda fixa ou de renda variável.

Essa taxa funciona para que o fundo seja remunerado por investir e administrar os recursos investidos pelos cotistas sem que os mesmos precisem se preocupar em procurar as melhores aplicações financeiras.

TAXA DE PERFORMANCE

A taxa de performance também é cobrada nos fundos de investimentos e existe para que o gestor do fundo seja remunerado sempre que ele conseguir superar uma meta estabelecida previamente.

Alguns exemplos de taxa de performance é nos fundos de ações (quando o gestor consegue um percentual que ultrapassa o ibovespa) ou em fundos DI (quando ultrapassa o CDI).

Geralmente a taxa de performance fica entre 20% e 25% sobre os rendimentos que superarem a meta.

TAXA DE CORRETAGEM

A taxa de corretagem é cobrada para que as instituições financeiras efetuem operações de compra e de venda de ações.

O valor da taxa de corretagem pode ser fixo (ficando entre 5 e 20 reais) ou variável, sendo cobrada uma porcentagem sobre o valor da operação.

TAXA DE MANUTENÇÃO DA CONTA

A taxa de manutenção da conta é cobrada por instituições bancárias e que pode ser identificada também como taxa de serviços.

Ela serve para que o seu dinheiro seja mantido e uma conta corrente com uma série de benefícios oferecidos pelo banco. Não costuma ser cobrada por corretoras e bancos.

TAXA PARA  AQUISIÇÃO DO TESOURO DIRETO

Algumas instituições financeiras podem cobrar uma porcentagem sobre as operações realizadas para a compra de títulos públicos, como os que são comercializados pelo programa de investimento Tesouro Direto.

Em geral, essa taxa não costuma ficar acima de 1% ao ano e algumas instituições podem dispensar a cobrança dessa taxa.

TAXA DE LIQUIDAÇÃO E TAXA DE NEGOCIAÇÃO

Essas são duas taxas de investimento que são cobradas pela Bovespa para a realização de operações de compra e de venda de títulos e de ações.

Os valores dessas taxas são extremamente baixos, entretanto, eles sempre serão cobrados do investidor.

O custo da taxa de liquidação é de 0,006% e o valor da taxa de negociação é de 0,0285%.

Se você gostou desse artigo e quer ver mais conteúdo como esse, continue acompanhando as nossas postagens e confira também as nossas publicações anteriores no arquivo aqui do blog.

Aqui você encontra diversas dicas para você escolher as melhores opções de aplicações financeiras para investir o seu dinheiro e muitas orientações para cuidar bem das suas finanças e manter o seu orçamento em dia e as suas contas no azul. Fique ligado!

 

*O App Renda Fixa é uma plataforma de comparação de investimentos, que permite ao investidor buscar e comparar produtos de renda fixa de maneira simples e intuitiva.

Autor

Autor Convidado

Este artigo foi produzido por um autor parceiro e/ou convidado do Blog e Valor, com a finalidade de compartilhar suas opiniões sobre temas diversos e contribuir com o site.

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *