*Este artigo foi produzido pela Biva com exclusividade para o Blog de Valor.

 

Antes de começar a investir é importante identificar qual é o seu perfil de investidor ou investimento. Ou seja, você precisa entender quais os seus objetivos com o dinheiro que será investido, capital disponível para aplicação, e, principalmente, qual é a sua tolerância ao risco, pois em algumas modalidades você pode até perder o capital principal.

Além das novas modalidades que surgiram nos últimos tempos – como criptomoedas e Peer-to-peer lending, existem os investimentos já conhecidos no mercado como, por exemplo, Títulos Públicos, Poupança, LCI e LCA, Tesouro Direto, CDB, Ações, Debêntures, Tesouro IPCA, entre outros.

Por isso, pensando na infinidade de investimentos, resolvemos separar algumas dicas para que você possa identificar o seu perfil de investidor (conservador, moderado ou agressivo) e, dessa forma, escolher as modalidades que mais se encaixam aos seus objetivos. Vamos lá?

CONHEÇA O SEU PERFIL DE INVESTIDOR:

  • Perfil conservador: O investidor que tem o perfil conservador busca segurança na hora de realizar os seus aportes. Por isso, opta por investimentos sem nenhum risco de perda, investindo a maior parte do seu capital em renda fixa e apenas uma pequena parcela em renda variável. Ou seja, este investidor tem baixa (ou nenhuma) tolerância ao risco, mesmo que a rentabilidade seja mais baixa, ele prefere investimentos com garantias de retorno
  • Perfil moderado: O perfil moderado ou balanceado, ainda preza por segurança na hora de investir, mas tem um pouco mais de tolerância ao risco – se comparado com o conservador. Isto é, existe uma diversidade na carteira de investimentos deste perfil. A carteira do balanceado é maior e é composta por investimentos de renda fixa e variável e, em alguns momentos, ele ainda se arrisca em investimento de longo prazo visando uma maior rentabilidade
  • Perfil agressivo ou arrojado: O perfil agressivo é aquele que está disposto a assumir todos riscos, perder parte ou total do capital principal. Ele entende do mercado e busca informações recorrentes e atualizadas sobre os seus investimentos. Lida bem com as variáveis do mercado financeiro. Este perfil pode investir na modalidade Peer-to-peer lending, considerada renda fixa de alto risco. A rentabilidade do P2P pode chegar até 250% do CD

Saiba, no entanto, que não é só o seu perfil (conservador, moderado ou agressivo) que vai definir o melhor investimento. É importante que você analise outras variáveis como objetivo, período de investimento e capital disponível, antes de começar a investir.

A partir da análise acima, é recomendável que você estude sobre cada um dos investimentos e, principalmente, como você vai organizar sua carteira de aportes.

  • Objetivos e meta

Os objetivos e as metas são essenciais para que você possa identificar possibilidades de investimento e se organizar financeiramente. Ao definir as metas, lembre-se de não fantasiar, coloque somente aquelas que serão realizadas. Dessa maneira, você evita frustrações futuras.

  • Prazo: curto, médio e longo

Tente dividir suas metas em curto, médio e longo prazo. Assim, ficará mais fácil na hora de escolher qual investimento mais se adequa aos seus objetivos. Há inúmeros investimentos com possibilidades variadas de prazos, com liquidez diária, mensal, semestral, anual, etc.

Por exemplo, você quer investir em modalidades de curto prazo, para retirar o dinheiro em 3 ou 6 meses, sem correr muito risco, invista em LCI, CDB, Fundos DI, entre outros.

Não se esqueça: tudo – montante, modalidade, prazos – vai depender do seu objetivo. O capital é para viajar, abrir um negócio, poupança, aposentadoria, enfim, defina o valor, o investimento, o prazo, e assim por diante.

Veja abaixo algumas modalidades que estão em destaque este ano (2018):

#1 – Tesouro Direto: O Tesouro Direto segue ganhando popularidade, em abril, deste ano, o número de investidores nesta modalidade passou de 2 milhões.

#2 – Tesouro IPCA: Esta modalidade segue o IPCA ( Índice de Preços ao Consumidor Amplo), ou seja, o Tesouro IPCA segue a inflação da nossa economia. Em 2018, os títulos estão pagando prêmios de cerca de 5,6% ao ano, com vencimento para 2035 e 2045. O investimento é indicado para investidores que têm como objetivo resultados no longo prazo.

#3 – CDB: Mesmo com a queda da Selic é possível ter bons retornos com os Certificados de Depósito Bancário (CDB). A modalidade atrai os investidores porque  é assegurada pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), órgão que garante investimentos de até R$ 250 mil por CPF e instituição.

#4 – LCI e LCA: As letras de crédito, tanto imobiliário (LCI) como Agronegócio (LCA) continuam atraindo investidores em 2018. Um dos atrativos da modalidade é a isenção do Imposto de Renda.

#5 – Peer-to-peer lending (P2P): Modalidade que surgiu em 2015 no Brasil e continua crescendo. O P2P é um empréstimo coletivo, de alto risco e longo prazo, no qual investidores fazem aporte em empresas e depois recebem o montante de volta. A rentabilidade pode chegar até 250% do CDI.

Vale ressaltar que, mesmo exemplificando os perfis conservador, moderado ou agressivo, e os investimentos mais comuns – e em destaque neste ano – de acordo com cada descrição, é importante pesquisar e confirmar se as dicas se aplicam a você.

Gostou do artigo? Compartilhe-o nas mídias sociais! Aproveite também e nos siga nas redes sociais para ficar por dentro das novidades no mercado financeiro.

 

* Biva – Bancando Ideias, Valores & Ações: Fundada em 2015, foi a primeira plataforma online de empréstimos peer to peer lending (P2P) do Brasil. Líder de mercado com mais de R$ 40 milhões concedidos em empréstimos e mais de 1200 empresas beneficiadas.

Autor

Autor Convidado

Este artigo foi produzido por um autor parceiro e/ou convidado do Blog e Valor, com a finalidade de compartilhar suas opiniões sobre temas diversos e contribuir com o site.

shadow

Posts relacionados

Comentários

  1. Júlia    

    “Em 2018, os títulos estão pagando prêmios de 6% ao ano, com vencimento para 2035 e 2045.” Eu hein! não sei aonde????! rsrs.. há mais de um ano as taxas não chegam a 6% (favor corrigir o texto)

    1. Luana Neves    

      Júlia, agradecemos pelo seu comentário!

      As informações contidas nos artigos produzidos por autores convidados são de responsabilidade de quem os produz. Apesar disso, prezamos sempre por bons conteúdos e informações coerentes. Atualmente as taxas estão em 5,6%. Já fiz a correção no texto!

      Abs,

  2. Leo    

    Quais seriam os equivalentes do Tesouro IPCA no exterior, principalmente nos principais mercaods como Canadá, EUA e Europa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *