Você já pensou que a empresa em que você trabalha deveria contratar mais funcionários para aumentar a produção ou até mesmo que ela tem funcionários sobrando e que não precisa de tanta gente assim?

No artigo de hoje vamos conhecer a Teoria de Turgot, que vai nos ajudar a entender como funciona o aumento da produtividade a partir da contratação de novos trabalhadores.

Teoria dos rendimentos decrescentes

Você acredita que cada pessoa que é contratada ajuda a empresa a aumentar a sua produção? Turgot nos mostra que nem sempre ter uma grande mão de obra significa ter mais produtividade, segundo a Teoria dos Rendimentos Decrescente.

O economista francês Anne Robert Jacques Turgot – mais conhecido como Turgot, nascido em 1727, se interessava muito sobre tributação e também sobre a produção que advinha da terra. Ele começou a elaborar ideias sobre como a produtividade dos trabalhadores era importante e como impactava diretamente no lucro e nos gastos.

Ao final de seu estudo, acabou constatando que a produtividade crescia até um número específico de trabalhadores. E depois, a cada unidade a mais que fosse adicionada – ou seja, a cada trabalhador que fosse contratado, diminuía a produtividade média ao invés de aumentar.

Ao se pensar em produção, creíamos que quanto mais trabalhadores exercendo a atividade fim da empresa, mais a produção aumentaria e no mesmo nível. Entretanto, o estudo mostrou que os rendimentos eram decrescentes: cada trabalhador que fosse contratado só aumentaria a produtividade até um certo ponto. Depois disso, ao adicionar um novo funcionário na linha de produção, a produtividade média começava a cair ao invés de aumentar.

O efeito da mola

Turgot traduziu toda a sua teoria em um único exemplo simples. Dizia que “a fertilidade da terra lembra uma mola pressionada para baixo […] o efeito dos pesos adicionais diminuirá gradativamente”.

Nesta frase, ele demonstrou que, assim como a mola –  que deixava de atender a sua função conforme mais peso fosse colocado sobre ela e que, em determinado momento, não importava mais que fosse colocado ainda mais peso, porque a sua capacidade já teria atingido o seu auge – o mesmo acontecia com a produtividade de uma empresa. O excesso de funcionários tinha o mesmo efeito das molas.

Outro exemplo levantado por Turgot sobre a produtividade usava exatamente a mesma ótica. Era a comparação de um solo que nunca teve nenhum preparo com um solo que já era fértil, onde o solo virgem produzia pouco, mas quando arado, produzia muito mais.

E se arado outra vez poderia, inclusive, acabar multiplicando a produtividade inicial por quatro. Mas, chegava um dado momento no qual arar tanto o solo acabaria por deixá-lo infértil.

Demonstrando a teoria dos rendimentos decrescentes na prática

Abaixo, fizemos uma tabela recriando informações e comparando o número de trabalhadores com a produção total que eles realizaram. A terceira coluna nos mostra a produtividade média. Ou seja, quando somamos tudo o que é produzido pelos trabalhadores e dividimos pelo número de trabalhadores.

Já na última coluna temos a produtividade marginal. E é essa a que mais nos interessa neste momento para entendermos a teoria dos rendimentos decrescentes. Justamente porque ela nos mostrará o rendimento obtido a cada novo trabalhador adicionado.

Trabalhadores produção total Produtividade média Produtividade marginal
2 20000 4000
3 25000 4167 5000
4 31000 4429 6000
5 35500 4438 4500
6 39000 4334 3500
7 41500 4150 2500

Você consegue identificar qual é o número de trabalhadores que potencializa a produção e a partir de qual quantidade de trabalhadores a produtividade marginal começa a cair?

Se você respondeu até 4 trabalhadores a resposta está certa! Quando vamos para o quinto funcionário já começamos a ter a produtividade diminuída ao ponto que o sétimo trabalhador agrega na produção a metade do que o terceiro trabalhador.

Você também pode conferir graficamente os dados da tabela acima:

Note que a área azul é a produção total que cresce a medida que um novo trabalhador é inserido. Já a área vermelha é a produtividade média que começa aumentando e depois diminui.

O mesmo acontece com a área amarela, que representa a produtividade marginal, obtida a cada novo trabalhador inserido na produção.

A tecnologia na Teoria dos Rendimentos Decrescentes

A ideia central de Turgot consistia em basicamente inserir um fator fixo a outro que fosse variável. Ou seja, adicionar o fator trabalhadores juntamente com a terra, resultando que cada adição de mão de obra traria uma produtividade cada vez menor.

Então, podemos concluir que adicionar este fator externo mostra que efetivamente produzir mais custa mais. Isso porque, se depois de termos o ponto atingido, todo o resto que é adquirido posteriormente resulta em uma produtividade menor, encarecendo o custo do trabalhador – o que implica no aumento dos gastos médios.

Essa situação poderia ser mudada se houvesse a implantação de um outro fator externo: a tecnologia.

Inserir a tecnologia na linha de produção substituiria trabalhadores. Sendo que, ao produzir mais, o custo diminuiria ao invés de aumentar. O gasto com a tecnologia seria fixo e a produção seria aumentada – justificando a demissão de funcionários para reduzir o custo com a produção e aumentar a margem de lucro.

Mudanças e desenvolvimento

Essa visão de Turgot também explica o porquê de muitos países acabarem se esforçando muito mais para ficarem ricos, considerando que o seu grau tecnológico não era suficiente.

Quando as empresas possuem um gasto alto, demoram mais para se desenvolver e crescer. E é justamente o crescimento e o desenvolvimento que vão oferecer empregos que exigem um capital humano mais expressivo. Não mais para a esteira de produção, mas sim para cargos de supervisão, gerência, projetos e estratégias – empregos que possibilitam um salário maior.

Com estas mudanças, impulsiona-se as pessoas a se desenvolverem mais e também a consumirem mais. E é justamente esse aumento no consumo que se expande e afeta vários outros segmentos da economia, fazendo com que a sua própria população se desenvolva, sendo uma das ações necessárias para fazer com que o país evolua sem grandes sacrifícios.

*Este artigo foi produzido pelo App Renda Fixa com exclusividade para o Portal André Bona.

 

 

Como fazer seu dinheiro trabalhar para você?

Aprender a investir melhor seu dinheiro e tomar boas decisões de investimentos, de acordo com seu planejamento pessoal, é a única maneira de fazer seu dinheiro trabalhar para você e de conquistar todos os seus objetivos financeiros.

Quer acelerar a conquista da sua liberdade financeira? Então clique aqui e saiba como fazer o seu dinheiro trabalhar para você agora!

Autor

Autor Convidado

Este artigo foi produzido por um autor parceiro e/ou convidado com a finalidade de compartilhar suas opiniões sobre temas diversos e contribuir com o site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *