*O artigo abaixo é fruto de uma parceria entre o Blog de Valor e Julia Mendonça.

 

O que fazer com o dinheiro durante uma crise? Devemos aproveitar as oportunidades ou buscar a segurança? Vale a pena se arriscar para colher os frutos no futuro?

O Brasil está saindo de mais um dos muitos momentos difíceis em sua economia. E são muitas as crises afetam nosso dinheiro e os investimentos ao longo dos anos: escândalos políticos e incertezas econômicas, por exemplo, costumam sempre nos deixar  cada vez mais receosos com o nosso futuro.

Nessa hora, surgem diversas sugestões, conselhos e opiniões de todos os meios de comunicação, mídias sociais e canais de Youtube. As opiniões e conselhos, muitas vezes, são contraditórias, e o pequeno investidor pode se sentir perdido em relação a gerir a crise e seu dinheiro em momentos de dificuldade.

Se pudéssemos definir esses momentos com uma palavra, esta seria: incerteza. É muito importante arriscar o mínimo possível e ter certeza de que os nosso planos de contingência estão em dia.

Por isso, vale bastante a pena relembrar os conceitos básicos de finanças pessoais e aplicá-los na prática para afastar as dificuldades estes momentos e gerenciar a crise e seu dinheiro da melhor maneira possível sempre que necessário.

A crise e a sua reserva de emergência

A reserva de emergência é um valor equivalente de 3 a 6 meses dos seus gastos mensais que você deve deixar em uma aplicação de alta liquidez e baixíssima volatilidade. Esse dinheiro vai servir para te sustentar caso ocorram emergências, tais como a perda do emprego, doença e manutenções de emergência. E as crises trouxeram uma nova luz à reserva de emergência.

Não faz muito tempo, diversos funcionários públicos, que nunca imaginaram que iriam necessitar de reserva de emergência, foram surpreendidos quando ficaram mais de três meses sem receber os seus salários. Não foram poucos os investidores que trabalham neste setor, e que nunca montaram uma reserva de emergência, que tiveram que tirar dinheiro dos seus investimentos para poderem se sustentar durante a crise.

Também é preciso dizer que muitas pessoas estão migrando todos os seus investimentos da renda fixa para a renda variável (alguns até mesmo retiram o dinheiro da reserva), a fim de investir em ações e aumentar a rentabilidade neste momento de transição pós-crise. Essa estratégia, no entanto, pode ser muito perigosa!

Sempre haverá chances de fazer boas compras na bolsa e, principalmente em um momento de crise ou instabilidades, é de extrema importância contar com uma segurança financeira imediata, que não sofra volatilidade. Por isso, não subestime a reserva de emergência em nenhum momento.

Reveja seus gastos e, se não se sentir confortável com o montante aplicado na reserva neste momento, vale a pena aumentar o valor. Segurança nunca é demais na crise e seu dinheiro para emergências deve estar sempre resguardado em qualquer situação!

Seu padrão de vida na crise

Como estão os seus gastos mensais? Quando foi a última vez que você analisou o seu padrão de vida? A tendência ao passar dos anos é que nossos custos mensais aumentem sem que a gente perceba. Este é um bom momento para reavaliar os seus custos fixos mensais e diminui-los.

Como está a sua assinatura de TV por assinatura? Será que você consegue um desconto junto a operadora? O seu plano de celular é o mais adequado ao seu consumo neste momento? Os gastos com o seu carro são necessários nesse momento? O quanto você está gastando com alimentação?

Como mencionado anteriormente, em qualquer período de crise, seja ela macro ou micro, o ideal é adotar uma postura de cautela e conservadora. Diminuir gastos vai ajudar a prevenir grandes sustos, como desemprego ou diminuição de renda.

É muito mais fácil nos acostumarmos com uma diminuição de renda quando está já é menor, ao invés de sair de um patamar alto e ter de migrar forçadamente para um mais baixo. Alguns ajustes fáceis e indolores como, por exemplo, TV por assinatura ou celular, podem fazer uma grande diferença no que irá sobrar ou faltar no final do mês.

Qualquer gasto que você consiga diminuir, neste momento, pode valer bastante a pena!

Seus investimentos na crise

A histeria provocada por crises, sejam elas econômicas, políticas ou outras, do tamanho que for, pode trazer diversas dúvidas ao investidor. Muitas vezes, podem nos levar a fazer investimentos que não conhecemos tanto ou a retirarmos nosso dinheiro de bons investimentos, tudo isso devido à nossa insegurança e desinformação sobre o assunto.

Toda crise exige calma e paciência do investidor. Um bom plano de investimentos deve funcionar tanto na crise quanto fora dela. O investidor de longo prazo deve se acostumar a enfrentar esse tipo de situação com racionalidade, pois não será a última vez que passará por momentos de incerteza e volatilidade.

Não se aventure em operações ou investimentos que não conhece neste momento. Os movimentos de alta e baixa são naturais nos cenários econômicos, porém as crises acentuam esses movimentos, aumentando a volatilidade dos ativos.

Um mercado com alta volatilidade pode ser bastante perigoso para aqueles que não sabem o que estão fazendo. Mantenha sua estratégia, seus aportes e muito cuidado com os histerismos provocados pela mídia.

Seu trabalho na crise

Tão ou mais importante do que cuidar do seu dinheiro na crise é cuidar do seu trabalho. Não deixe de se especializar ou adquirir novos conhecimentos jamais. Um bom profissional será desejado tanto na crise quanto fora dela.

Estude, se aprimore e se esforce para ser o melhor funcionário para a sua empresa. Nada é mais valioso do que uma fonte de renda sólida durante os tempos difíceis.

Além disso, manter-se atualizado irá garantir que você terá valor como profissional sempre, gerando até mesmo maiores chances de promoção. O momento de investir no seu trabalho é sempre e nenhuma crise não pode ser desculpa para adiar os seus planos de melhoria na carreira. Bons empregos virão para aqueles que estão bem preparados.

Na crise, segurança é tudo!

Resumindo sobre a crise e seu dinheiro:

1. Reserva de emergência: reveja o valor que você mantém na sua reserva e não se desfaça dela em busca de oportunidades em investimentos;
2. Padrão de vida: tente diminuir seus custos de vida, principalmente em gastos que tem alto custo no seu orçamento e que não modificam tanto a sua qualidade de vida;
3. Investimentos: mantenha a sua estratégia de investimentos e evite os histerismos. Só invista em ativos que você conhece bem, entende bem sobre eles e já esteja bastante familiarizado;
4. Trabalho: procure criar valor na sua profissão. Nada é mais importante que manter-se valorizado no seu emprego, tanto na crise quanto fora dela.

O mais importante durante qualquer crise é manter a calma e a paciência. Sempre existirão tempos difíceis e conturbados de tempos em tempos, mas eles passarão. Avance um passo de cada vez e evite grandes saltos nestes momentos. E siga as recomendações aqui do Blog de Valor para cuidar do seu dinheiro e dos investimentos que tudo ficará mais fácil!

 

Como fazer seu dinheiro trabalhar para você?

Aprender a investir melhor seu dinheiro e tomar boas decisões de investimentos, de acordo com seu planejamento pessoal, é a única maneira de fazer seu dinheiro trabalhar para você e de conquistar todos os seus objetivos financeiros.

Quer acelerar a conquista da sua liberdade financeira? Então clique aqui e saiba como fazer o seu dinheiro trabalhar para você agora!

 

Artigo publicado em 06/06/2017. Atualizado em 10/04/2019.

Autor

Júlia Mendonça

Consultora e planejadora financeira com foco em finanças pessoais. Formada em comércio exterior, life coaching, coaching financeiro e com especialização e experiência em orientação financeira pessoal. Visite o Canal no Youtube: Júlia Mendonça

shadow

Posts relacionados

Comentários

  1. Cleiton Oliveira    

    Quem fez o dever de casa com a reserva de emergência, pode ver a crise como uma grande oportunidade e aproveitar as distorções do mercado.

    Um grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *