Clique e solicite a sua assessoria de investimentos »

Olá, tudo bem? Você sabia que é possível especular no tesouro direto?

Como especular no tesouro direto

Talvez você já tenha visto algum conteúdo na internet de gente dizendo que é possível ter rentabilidades acima de 30% num único ano somente no tesouro direto. E você sabia que é verdade? Na verdade, não é exatamente o tesouro direto que permite isso, mas qualquer título pré-fixado ou com componente pré-fixado marcado a mercado que possa ser negociado antes do prazo de vencimento.

E o que é marcação a mercado?

Marcação a mercado de um título, é atribuir o valor do título na data atual, mesmo que ele só tenha vencimento numa data futura. Ou seja: qual seria o valor de um determinado título que um investidor possui se ele resolvesse vende-lo imediatamente? Isso é marcação a mercado!

Marcando títulos a mercado

Existem títulos que são pós-fixados, ou seja, todo dia eles são acrescidos de um indicador do dia anterior, como o CDI e a Selic Over, por exemplo. Nesses títulos a marcação a mercado é simples, pois basta adicionar os juros dia a dia ao valor investido. Muito simples. Então, nos ativos pós fixados como CDBs, LCIs, LCAs, títulos tesouro Selic, todos esses exemplos são simplesmente o valor investido acrescido ao tempo em que ele foi sendo corrigido pelos juros.

Porém, pode acontecer uma diferença grande na marcação a mercado em títulos pré-fixados ou em títulos que tenham um componente pré-fixado, tais como os títulos do tesouro pré-fixado (antiga LTN), tesouro pré-fixado com juros semestrais (antiga NTN-F), tesouro IPCA+ (antiga NTN-B Principal) e tesouro IPCA+ com juros semestrais (antiga NTN-B). Isso também pode ocorrer em papéis de emissão privada, como debêntures, por exemplo.

Eu vou te mostrar alguns detalhes de marcação a mercado dos títulos que são muito interessantes, pois é nesse tipo de título que você pode ter a oportunidade de entender como especular no tesouro direto.

Marcação a mercado na prática

Vamos fazer alguns exercícios. Iniciaremos pela figura abaixo:

Slide21
Essa figura nos mostra um título hipotético de nome título A+10, que eu inventei agora, que possui um vencimento daqui 10 anos. Repare que aqui eu estou considerando que cada unidade do título A+10 terá, daqui 10 anos, um valor de resgate de 10 mil reais.

Então olhando na figura, temos o PU, que é o preço unitário de cada título, a taxa pactuada e a valorização do título acumulada. Nesse caso, veja que o PU está valendo 10 mil desde a compra até o ano 10 na venda. Seria como seu não existissem juros para esse título.

Porém como sabemos, isso não existe. Ninguém vai investir para não ganhar nada. Então, o que nós precisamos descobrir é: Qual é o valor do PU desse título hoje? Como esse título seria marcado a mercado hoje, para que nós pudéssemos compra-lo e ter uma determinada remuneração até o final do período? Se o valor do título será de 10 mil na data de resgate, eu preciso comprar esse título num valor MENOR para que eu tenha uma rentabilidade e resgate lá no vencimento um valor de 10 mil. E qual seria esse valor de compra desse título hoje?

Para fazer essa conta, nós precisamos atribuir uma taxa de juros. Vamos supor que a taxa de juros de mercado hoje seja, por exemplo, de 10% ao ano.

Logo, o que eu preciso fazer, é descontar do valor de 10 mil que é o valor que eu vou resgatar lá no vencimento, uma taxa de 10% ao ano, ano a ano, para chegar no valor do título hoje. Ou seja, eu faria a marcação a mercado do título! Isso é feito utilizando a formula de juros compostos abaixo:

Slide22

 

Aqui podemos observar a fórmula de juros compostos, onde o montante é igual ao capital inicial vezes 1 mais i elevado a t, onde M é o montante final, C é o capital inicial, i é a taxa de juros e t é o tempo.

No caso do nosso exercício, nós temos o valor de resgate do título no futuro, que é de 10 mil reais. Ou seja, nós temos o M, que é o montante final. O que nós queremos calcular é o C, ou seja, o capital inicial, que é o valor que esse título vale hoje para compra para que ele chegue ao montante de 10 mil reais, numa taxa de juros de 10% ao ano, em 10 anos. Para isso, vamos inverter a fórmula para calcular o C! Vamos ver esse cálculo feito!

A fórmula então passa a ser: Capital (C) é igual ao montante  (M) dividido por 1 mais juros (i) elevado ao tempo (t).

Vamos ver como ficou o resultado da conta apresentado na figura abaixo:

Slide23

Nós temos aqui agora, o cálculo de 10% ao ano da taxa de juros incidindo lá do vencimento até o dia atual, em juros compostos, de forma que o valor de mercado do PU do título A+10 é de 3.855 reais. Ou seja: se eu comprar esse título hoje por 3.855 reais eu terei uma taxa de 10% ao ano durante 10 anos e assim resgatarei os 10 mil reais na data do vencimento.

Repare na figura, que a taxa pactuada está apresentada em 10% a cada ano e a variação acumulada mostra quanto o título vai render da compra até o vencimento em cada um dos anos, mostrando inclusive o efeito dos juros compostos. Se nada nunca mudar, então nós já saberemos qual é o valor do PU hoje, na compra, daqui a um ano, daqui 2 anos, daqui 3 anos, daqui 8 anos, daqui 9 anos. Basta olhar ali no valor do PU. Porém isso é apenas uma hipótese, porque na verdade, nós sabemos que o mercado se modifica diariamente. E como ele se modifica, ocorrerão também alterações no PU do título ao longo do tempo.

Por isso eu vou desmembrar a planilha da figura em duas, conforme abaixo.

Slide24

Nessa outra planilha eu vou mostrar as variações do que vai acontecer na realidade aqui no nosso exercício. Por isso veja que coloquei ali o nome PU – Teórico na planilha de cima e coloquei PU – Real na planilha debaixo.

Repare que a linha da rentabilidade do título no gráfico ficou laranja, mas na verdade não é isso. É que ambas as linhas, tanto do PU – Teórico quando do PU – Real estão, até o momento, exatamente iguais, ou seja, uma por cima da outra, por isso não dá pra ver a linha azul.

Avançando na marcação a mercado… preste atenção!

Vamos supor que depois de 1 ano da compra do título A+10 com taxa de 10%, você quisesse saber como está o PU dele? Em tese, você vai pensar: ué, é só pegar o 3.855, que foi o preço de compra do título, e acrescentar 10% que rendeu no ano completo que o PU dele será de 4.241!

No entanto, o mercado mudou! Agora, a taxa de juros praticada no mercado não é mais de 10% ao ano, mas sim de 12% ao ano. E aí começa o quebra cabeças! Presta bastante atenção!

Pra saber novamente qual é a taxa, precisaremos calcular o valor do capital, usando a formula de juros compostos novamente! Só que agora, temos o mesmo valor de vencimento do titulo (ou seja o montante) de 10 mil, a nova taxa de juros i que é igual a 12% e um prazo não mais de 10 anos, mas sim de 9 anos, pois um ano já se passou!

Slide25
Vamos ver agora como ficou nossa planilha:

Slide26
Passou-se 1 ano. E agora restam 9 anos para o vencimento do mesmo titulo. O valor teórico nos mostra que o titulo vale 4.241, porém o valor real do PU é de 3.606, ou seja, MENOR do que o valor de compra de 1 ano atrás! Isso está escrito ali, na linha PU – real, na coluna de 1 ano.

E porque isso ocorreu? Simples! Ocorreu porque como a taxa de juros aumentou, o PU atual ficou menor, mesmo com 1 ano já decorrido. Nesse caso, se o investidor que comprou o título um ano atrás resolver vende-lo, o valor de venda será de 3.606, ou seja, ele venderá com um prejuízo de 6,5% em 1 ano.

Nesse caso, nós mostramos que se a taxa de juros do titulo A+10 aumentou, o PU diminuiu. Portanto, nesse caso, o título no primeiro ano não rendeu nem os 10% pactuados, muito pelo contrário, ele se desvalorizou em 6,5%.

Por isso você sempre vai ouvir gente dizendo que um título desse deve ser comprado com o objetivo de levar para o vencimento, porque no vencimento ele vai pagar os 10 mil combinados, aconteça o que acontecer.

Repare inclusive nas duas linhas do grárico e veja que elas se encontrarão lá no vencimento, já que montante, ou seja, o valor a ser resgatado, será o mesmo: 10 mil.

Mais um ano se passou…

Vamos supor agora, que um ano a mais se passou. Agora, nós queremos novamente saber qual é o PU, ou seja, o valor do título na marcação a mercado, na data atual, decorridos 2 anos da compra.
Usaremos novamente a formula de juros compostos e os dados agora são: Montante permanece em 10 mil, a taxa agora é de 7,5% ao ano, o tempo é de 8 anos. Assim chegaremos ao PU de 5.607 em 2 anos no PU real!

Slide27

Repare que o PU teórico para essa mesma data é de 4.665! Ou seja, o valor do PU está ACIMA do valor teórico. Porque isso aconteceu? Justamente porque agora a taxa caiu! Repare que ela caiu muito de 12% para 7,5% o que significa que a rentabilidade do título explodiu em simplesmente 55,5% em apenas 1 ano! E de 45,4% em 2 anos, desde a compra!

E mais um ano se passou…

Vamos dar mais um exemplo dessa situação. Vamos supor que no terceiro ano nós queremos fazer o mesmo cálculo do PU. No entanto, a taxa de juros de momento é de 10% ao ano (voltou ao mesmo patamar da data da compra). O que vai acontecer? Vai acontecer que o PU depois de 3 anos vai ser exatamente igual ao valor do PU teórico, pois daqui pra frente, o título será o valor de vencimento diminuído de 10% ao ano, porém com menos anos.Slide28

Com relação ao ano anterior, esse título se desvalorizou em 8,5%. E porque ele vai se desvalorizar? Justamente porque a taxa subiu novamente, de 7,5 para 10% ao ano. Repare também que a rentabilidade acumulada estará igual nas duas planilhas (33,10% em 3 anos), desde a data da compra.

Modificando vários anos adiante…

Então agora eu vou mostrar com várias oscilações de taxa ao longo do período até o vencimento, alterando a taxa para 8%, 10%, 11%, 13%, 9%, 8,5% e fazendo sempre o cálculo dos juros compostos mudando taxas e anos restantes e mantendo sempre o montante a ser resgatado no vencimento.

Slide29
Então como você pode ver na figura acima, eu simulei as taxas se modificando ao longo do tempo, ano a ano. Veja que no final elas sempre vão convergir para o mesmo valor de vencimento. E veja também que, embora nós tenhamos feito um exercício de compra do suposto título A+10 por 10 anos com taxa de 10% ao ano, e isso parecia uma coisa sem mistério nenhum como sugere a linha azul, na realidade, o valor do título se modificou ao longo de toda a trajetória muitas vezes ficando abaixo e outras vezes acima do valor teórico do PU.

Repare também que a ideia de comprar com uma taxa fixa muitas vezes nos faz pensar que o caminho da compra até o vencimento será simples, com rentabilidade anual de 10%, mas na verdade, observe as rentabilidades anuais reais que aconteceram nesse exemplo: -6,5%, depois 55,5%, depois -8,5%, depois 22,8%, depois -1,5%, depois 6,1%, depois 5,2%, depois 21,4% e por fim 9,5%.

É justamente nessas oscilações que as oportunidades de valorização acelerada em títulos com essas características pode ocorrer! É aqui que você enxerga a oportunidade de aprender como especular no tesouro direto!

Observando os detalhes que fazem a diferença…

A nossa taxa de referência é 10% que foi a taxa da compra lá no início. Vamos observar alguns detalhes importantíssimos! Observe a rentabilidade dos anos 1 (-6,5%), 3 (-8,5%), 5 (-1,5%), 6 (6,1%) e 7 (5,2%).

Repare que em todos esses anos, a valorização anual foi menor que a taxa pactuada do ano. Porque isso ocorreu? Porque em todos os anos a taxa pactuada do ano anterior foi MENOR que a do ano em questão, ou seja, a taxa subiu!

Do ano 0 para o ano 1 a taxa aumentou, do ano 2 para o ano 3 ela aumentou, do ano 4 para o ano 5 ela aumentou, do ano 5 para o ano 6 ela aumentou e do ano 6 para o ano 7 ela aumentou.

Observe também a rentabilidade dos anos 2 (55,5%), 4 (22,8%), 8 (21,4%) e 9 (9,5%).

Repare que em todos esses anos, a valorização anual foi MAIOR que a taxa pactuada do ano. Porque isso ocorreu? Porque em todos os anos a taxa pactuada do ano anterior foi MAIOR que a do ano em questão, ou seja, a taxa caiu!

Do ano 1 para o ano 2 ela caiu, do ano 3 para o ano 4 ela caiu, do ano 7 para o ano 8 ela caiu e do ano 8 para o ano 9 ela caiu também.

Entendendo o movimento…

Logo, podemos concluir que quando compramos um título numa determinada taxa, podemos ter uma rentabilidade MUITO MAIOR sempre que a taxa de mercado cair. E o contrário também: sempre que a taxa de momento for subir, o PU (e consequentemente nossa rentabilidade) será menor. Ou seja, teremos uma rentabilidade ruim ou até mesmo negativa!

A lógica matemática

Isso fica mais fácil de entender na fórmula matemática.Slide30
Se você pegar 10 e dividir por 2, você terá 5 de resultado. Se você dividir 10 por 5, você terá 2 de resultado. Ou seja, quando o DENOMINADOR de uma operação de divisão AUMENTA, o resultado da conta DIMINUI. E se o denominador diminui, o resultado da conta aumenta!

Assim, isso também vale para essa conta! Se o i, que é a taxa de juros está no denominador da operação, logo quanto maior ele for, maior será o denominador e portanto menor será o resultado da divisão, que nesse caso, representará o C, que é o valor do título atual, ou seja o valor marcado a mercado, o PU do título!

Ficou mais simples agora?

Como especular no tesouro direto

E qual seria o melhor dos mundos para especular com essas taxas? Seria justamente a possibilidade que o investidor possui de comprar títulos com taxas mais altas (e PU baixo) e vende-los com taxas mais baixas (com PU alto). Nesse caso imagine se um determinado investidor por exemplo tivesse feito o seguinte:

Slide31
A linha cinza do gráfico representa justamente a rentabilidade da estratégia especuladora de exemplo.

No ano 1, a taxa de mercado era de 10%. Então ao invés de comprar um pré-fixado, o investidor poderia comprar um título pós fixado. Inventei aqui um nome para o título pós: B+Pós. Esse nome não existe! Daí no ano 1, ele teria uma rentabilidade de 10% no ano.

No ano 2, com a alta da taxa de juros, ele teria feito o seguinte: retirado da aplicação B+Pós e comprado A+10 porque a taxa de A+10 estava muito elevada. Aí, com a expectativa da queda da taxa para o ano 3, o investidor aproveitaria a supervalorização do PU no período e teria no ano um ganho de 55,5%.

Depois, do ano 2 para o ano 3, como a taxa estaria muito baixa sem perspectivas de cair tanto, ele retiraria a aplicação do A+10 e voltaria pra ficar pós fixado em B+Pos. E teria uma rentabilidade de 7,5%.

No ano seguinte, ele aproveitaria a taxa pré de 10% do titulo A+10 novamente e com a queda para o ano seguinte teria uma rentabilidade de 22,80% no ano.

E assim sempre se posicionando em títulos pré quando a taxa estivesse muito alta e em títulos pós quando a taxa estivesse muito baixa e assim, se aproveitando muito positivamente dos momentos de queda bruscas nas taxas (e valorização expressiva dos PUs) e ficando pós fixado nos momentos de taxas baixas.

Nesse exercício aqui, se fosse possível ter pego sempre o melhor movimento nas melhores taxas, esse investidor teria iniciado seus investimentos com 3.855 e finalizado os 10 anos com 16.480, ou seja, uma rentabilidade acumulada de 327,5% no período.

Observação mais do que importante

Não estamos considerando taxas e impostos aqui. É apenas um exercício, ok? É muito importante deixar claro que esse é um exemplo educacional válido como um exercício para que você entenda como essas oscilações podem ocorrer!

É preciso alertar que essa dinâmica expõe o investidor a mais riscos, podendo até mesmo gerar rentabilidade negativa em alguns períodos, e eu mostrei isso aqui no vídeo!

Essa é uma estratégia avançada de especulação no tesouro direto. É muito importante que o investidor domine completamente todo o funcionamento do tesouro direto e tenha planejamento financeiro para executar essas operações, pois elas possuem maior risco.

Uma dúvida comum

“André, eu comprei um título numa taxa baixa, digamos 6% ao ano e agora ela está em 12%. Não valeria a pena vender o título e recompra-lo na taxa melhor?”

Isso é uma ilusão matemática!

Se a taxa atual de um título está maior hoje do que quando você comprou, isso aconteceu ou porque o seu título SE DESVALORIZOU ou porque ele se valorizou MENOS do que o próprio rendimento acordado na compra.

Então o mesmo título que o seu está com uma taxa maior agora, justamente porque o seu título se desvalorizou. E essa taxa maior do momento atual também vai remunerar seu título a partir do valor da marcação de mercado de hoje, porque o valor do resgate no final do prazo, será o mesmo nos dois casos!

Quem comprar esse título hoje por uma taxa mais alta do que você que já comprou antes, receberá no vencimento exatamente o mesmo valor de resgate que você receberá! Porém o preço pago por quem comprar agora numa taxa mais alta, será menor do que o que você comprou, porque agora ele está desvalorizado!

Portanto se você resolver vender hoje o seu título, o PU de mercado dele para a venda será o mesmo do que para a compra do novo título da taxa que você pensa que será melhor. E o valor de resgate no vencimento também será de mesmo valor. Logo, é uma ilusão, pois não há qualquer vantagem em vender seu título nessas condições. A única possibilidade de melhorar sua rentabilidade é justamente avaliando a venda quando a taxa atual do mercado for MENOR que a taxa que você comprou. Nunca o contrário.

Mais sobre o tesouro

Por fim, eu gostaria de explicar um outro ponto importante: o tesouro direto não é um produto dos bancos ou das corretoras. Ele é um produto do governo federal. Dessa forma, as instituições financeiras possuem uma remuneração baixa quando você compra os títulos do tesouro direto. Por isso, não é viável que nenhuma delas se dedique a explicar tudo isso detalhadamente a você! Veja, eu não estou dizendo nem que elas ganham pouco e por isso não se interessam tanto em vender. Eu estou dizendo que pode nem ser viável mesmo. Porque elas precisariam disponibilizar profissionais, pagar salários pra isso sendo que o retorno que possuem sobre essas aplicações é ínfimo! Não é possível realmente para as instituições financeiras disponibilizar um profissional para te explicar isso, porque o retorno que a instituição financeira tem nessas aplicações não paga a hora trabalhada do profissional. É como se alguém lhe pedisse pra fazer um serviço de um dia inteiro de trabalho e te oferecesse como pagamento 5,00. Você não teria como aceitar isso!

Por isso, a forma que o investidor possui para aprender mais sobre o tesouro direto, além de todo o conteúdo que já existe disponível na internet, mas especificamente sobre essas estratégias especulativas para ter a possibilidade de rentabilidades melhores, é realmente adquirindo cursos que falam do assunto. E estudando por conta própria! Entendeu?

Então não é o caso de você achar que um banco ou corretora não quer te explicar, mas sim porque pra ela, o trabalho de fazer isso não se remunera!

Se você quer se aprofundar nesse tipo de estratégia especulativa no tesouro e, lembrando, com mais risco, você precisa estudar sobre o assunto, ok?

Um abraço,

André Bona

Commentários

comments

Autor

André Bona

André Bona possui mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, tendo auxiliado milhares de investidores a investir melhor seus recursos e é o criador do Blog de Valor - site de educação financeira independente.

shadow

Posts relacionados

Comentários

  1. CÉSAR    

    Excelente matéria, parabéns pelo texto.

    1. Rodrigo    

      Olá
      excelente o conteúdo, perguinto se tem como disponibilizar ou enviar essa planilha que usou ai para o meu email. Obrigado.

    2. Luis Cavalcante    

      Olá Andre, parabéns pelo excelente o conteúdo, pergunto se tem como disponibilizar ou enviar essa planilha que usou ai para o meu e-mail. Muito obrigado.

    3. Danilo    

      Bom dia.
      Só uma observação: em fundos de investimentos, os títulos pós também são marcados, de acordo com as taxas negociadas no mercado (divulgadas pela Anbima) e com a curva de juros futuro.

  2. Agton    

    Parabéns André! Foi o melhor artigo sobre especulação no tesouro direto que li até hoje. A parte da matemática financeira e dos exemplos foi extremamente útil para a compreensão do assunto. Antes de chegar ao fim do artigo já estava pensando investir no Tesouro Direto com a XP INVESTIMENTOS tendo você e sua equipe como agentes autônomos de investimento. Mas quando cheguei ao fim do artigo fiquei me perguntando se você e sua equipe teriam a condição de acompanhar os investimentos em tesouro direto de cada cliente usando esta estratégia. Caso isto seja possível aguardo o contato de vocês.

    1. André Bona    

      Olá Agton!

      Não, isso não é possível. O investidor precisa monitorar por conta própria. O que nós fazemos é auxiliar a construir seu plano de investimentos com proporções definidas na sua carteira. Uma parte dessa carteira, você pode utilizar para esse tipo de especulação, porém esse tipo de acompanhamento em tesouro ninguém faz ou fará, pois infelizmente não remunera ninguém, entendeu? Aí é necessário que o investidor mesmo aprenda e faça por conta própria.
      Abs,
      A.B.

  3. Agton    

    Muito obrigado André por sua franqueza e sinceridade! E mais uma vez parabéns pelo seu artigo. Imagino que deve ter consumido um bom tempo preparar um vídeo tão bem elaborado como este. Acabei de ler um artigo seu que mostra a diferença de rentabilidade do Tesouro Selic a depender da instituição (banco ou corretora) escolhida. Parabéns por sua transparência em mostrar as instituições que não cobram taxa para investir no tesouro direto.

    1. André Bona    

      Sim, claro. A transparência precisa ser a marca do nosso trabalho. E se o investidor quer investir por meio da corretora que utilizamos, certamente ele deverá perceber valor em nosso trabalho de orientação e 0,10% (100,00 por ano a cada 100 mil) não será um empecilho para a nossa relação.
      Abs,
      A.B.

  4. Márcio Bastos    

    O melhor texto que já vi sobre o assunto na internet inteira (e olha que pesquisei bastante). Parabéns!!!!

  5. Márcio Bastos    

    Quais papéis, especificamente, vc pensou no exemplo dado na parte da especulação?

    1. André Bona    

      O conceito se aplica a NTN-F, LTN, NTN-B e NTN-B Principal.

  6. Márcio Bastos    

    Mas e quanto ao fato de ter pagamento semestrais de cupons, não atrapalharia uma estratégia focada no preço de mercado, ou seja, na especulação?

    1. André Bona    

      Não necessariamente.
      Abs,
      A.B.

  7. Junior Zanini    

    Ola André,
    Primeiramente, conteúdo fantástico!
    Eu tenho uma duvida no caso de como especular com a NTN B principal.
    Pois nesse caso você não tem um valor de resgate pre estabelecido pro vencimento, desde que o mesmo varia com a inflação.
    Então, vamos supor que eu comprei a 7% + IPCA (Vencimento 10 anos) e vendi a 6% + IPCA(depois de 2 anos), como fica o calculo do resgate antecipado nesse caso para uma inflação x?
    A variação da inflação nesse período pode influenciar o preço de venda do titulo?

    1. André Bona    

      Vc nao tem um valor fixo, mas o mercado precifica um valor fixo final. A essência é a mesma.

      Na verdade a NTN-B é atualizada SOMENTE pelo valor do IPCA. Desde a sua emissão (lá atrás) até o vencimento. A taxa adicional que aparece, já existe por um desconto do título que ocorre nas oscilações de mercado. Existe portanto uma coisa chamada VNA – Valor Nominal Atualizado, que atualiza mensalmente o valor da NTN-B segundo a inflação. Isso pode ser consultado no site do tesouro. É chatinho de procurar, mas tem lá.

      Abs,

  8. Paulo    

    Olá, André!

    Parabéns pela explicação. Estou aprendendo muito com o conteúdo que você produz.

    Gostaria de entender o seguinte:

    01)Como posso acompanhar a taxa selic atualizada para poder fazer a especulação no tesouro direto?
    02)De quando em quando ela atualiza?

    03)Vi em um dos seus vídeos que existe o relatório Focus. Existem outros? Ele costuma acertar?

    04)Em relação a fórmula que você ensinou para fazer marcação ao mercado, qual é a referência para eu preencher o “tempo”.

    A partir de que momento eu utilizo 10 anos, 9 anos, etc…? Basta virar o ano? Ou obedece alguma data de vencimento do título e vai retroagindo de ano em ano a partir desta data?

    05) Seria possível fazer especulação mês a mês ou a diferença é sempre de ano a ano?

    Obrigado!

    1. André Bona    

      Olá!
      Você não precisa fazer nenhuma dessas contas. O valor do título já é atualizado na sua posição de acordo com a marcação a mercado.
      Basta entender que comprar em taxas elevadas pode permitir, num prazo menor do que o vencimento do titulo, ganhar dinheiro com uma supervalorização quando os mesmos titulos tiverem sendo negociados a taxas mais baixas. Não é necessário todo esse trabalho. Só fiz no vídeo pra mostrar o conceito.
      Abs,
      A.B.

  9. Uilson    

    Olá André a pergunta de um milhão de Dólares QUANDO VOCÊ ACHA QUE A SELIC VAI COMEÇAR A CAIR?
    Pois pelo que eu entendi da estratégia tudo depende de se antecipar a variação da taxa básica de juros.
    Já que na economia brasileira sofre influências Politicas, Externa.
    Ótimo artigo meus Parabéns estou aguardando sua palestra na quinta 13/08 as 20 horas

    1. André Bona    

      Olá Uilson!
      Eu não acho nada! Eu vejo as expectativas no Boletim Focus.
      Veja esse artigo: https://andrebona.com.br/cenario-economico/
      Abs,
      A.B.

      1. Uilson    

        Ok André deixa eu refazer a pergunta qual a expectativa do mercado quanto a selic no futuro? já que a tendência de alta foi deixada e devem manter a atual taxa por um período suficiente ?, mas acredito que nada impede que o governo mude a tendência de uma hora para outra, de qualquer forma todos temos que nos posicionar conforme nossas convicções nossas “apostas” e assumir os riscos, minha estratégia esta em comprar aos poucos as LTNs pra aproveitar a curva dos juros no futuro será que estou no caminho correto? Sou investidor iniciante no TD mas seu blog e videos tem me ajudado a tomar decisões valeu!
        Obrigado!
        Abs,
        Uilson

  10. Leandro    

    Parabéns pela matéria André.

    Tenho um dúvida tb. se você puder responder eu agradeço muito.

    Para especular é melhor LTN ou NTN-B PRINCIPAL? E PORQUE?

    O minha dúvida na NTN-B PRINCIPAL é com relação a inflação, pois se ela não cair e só cair a taxa que é pré-fixada, não seria melhor investir no LTN que é tudo pré-fixado, pois se houvesse redução da taxa para ganho com especulação , na LTN a taxa seria toda reduzida ( 100% pré fixado ) e não somente parte dela como na NTN-B PRINCIPAL ( 60% INFLAÇÃO E SÓ 40% PRÉ-FIXADO/IPCA )

    Agradeço desde já.

    Grande abraço

    Leandro

    1. André Bona    

      A LTN é muito curta. Quando mais curto o título menor as oscilações do PU.
      Abs,
      A.B.

      1. Leandro    

        sim ,mas a chance de oscilar mais( mais pontos percentuais) , não é maior com 14% ( LTN) do que em 7% (NTN-B )? já que sua resposta para o Junior Zanini, sugere que a inflação não muda nada na especulação?

        1. André Bona    

          Não Leandro. É matemático. O fator tempo é significativo, pois os juros corrigindo por mais tempo tem um efeito maior do que uma taxa variação mais forte da taxa num prazo menor. Mas você pode fazer também com a LTN. Porém não acho o melhor dos mundos não para essa finalidade. A resposta ao Zanini não tem relação com essa sua pergunta. É outra coisa.

  11. Eduardo    

    Olá, André! De fato, um excelente artigo. Agora, você usa qual programa para fazer esses gráficos? Tem algum para recomendar, ou alguma fonte de informações bacana?

    1. André Bona    

      Zero. Não precisa perder tempo com isso. Compre em boas taxas e tenha a paciência de esperar. O tesouro já te dá, atualizado em tempo real, a valorização do seu título pelo PU automaticamente.
      Abs,
      A.B.

  12. Danilo    

    Boa tarde André, venho lendo bastante sobre o assunto de investimento e já até fiz uma aplicação em TD. O que eu queria saber é o seguinte, quando fiz a aplicação IPCA(NTNB Princ) estava em 6,76 a Taxa %a.a e hoje está 7,15, por ser do mesmo título tem um momento melhor para comprar? E para vender, ainda não consegui entender em qual variação é melhor para a venda. Essa era minha dúvida, depois de ler o seu artigo, é recomendável então, comprar quando os juros estão em alta e vender quando os juros estão em baixa?

    Obrigado desde já

    1. Ronaldo    

      Essa é explicação mais didática que eu já vi sobre o assunto. Parabéns.

      Respondendo ao colega Danilo:
      Melhor vender quando a taxa estiver menor que a taxa de quando você comprou.

      Mas resumindo a toda estratégia.
      Selic subindo: venda NTN-B e compre LFT,
      Selic descendo: venda LFT e compre NTN-B.

      Quando a Selic vai começar a cair ? Oras, quando o governo achar melhor baseado na expectativa de inflação. Segundo, as expectativas a inflação de 2016 será menor que a 2015, e a de 2017 melhor que 2016. Portanto a de se crer que a Selic vai começar cair em algum momento até o final de 2016.

      Mas tudo isso que eu escrevi não importa para gente, pois é só acompanhar o movimento. A selic está em 14,25%, se na próxima reunião do COPOM ela aumentar para 14,75% será indício que ela continuará aumentando. Agora se aumentar para 14,50% esparemos que não aumente tanto no futuro. É só ficar de olho. Quando baixar a primeira vez é só acompanhar o movimento.

  13. Anderson Moreira    

    Primeiramente devo parabenizar pelo melhor post sobre especulação no tesouro da internet!!
    Outro ponto, me permita fazer uma conclusão grotesca e me corrija se estiver errado por favor.
    Pode-ser afirmar então que sempre será positivo comprar uma LFT por exemplo quando parecer estar a Selic no ponto mais alto, pois pode-se especular se a Selic vir a cair ou se terá boas taxas de remuneração caso ela se mantenha ou eleve levando o título até o seu vencimento.
    Obrigado

    1. André Bona    

      Não. A LFT não proporciona isso.
      Abs,
      A.B.

  14. joel    

    A melhor abordagem do assunto que encontrei até o momento. O André não perde o foco da explicação e ainda passa muita firmeza aos espectadores. parabéns.

  15. Edi    

    Comparando com certos cursos muito mal explicados, consegui entender um pouco a lógica disso.

  16. Fernando    

    André, entendi tudo, achei excelente, mas tenho uma dúvida: fiz uma simulação de saída e reentrada no IPCA+ 2019 e o valor da retirada em 2019 aumentou consideravelmente… Vamos aos detalhes: fiz duas simulações na Calculadora de Rentabilidades do site do Tesouro, na primeira, peguei meu valor investido, minha data de aplicação, minha Taxa de Compra e botei uma inflação de 7%a.a. e o valor da retirada foi “X”. Depois, na segunda simulação, peguei meu Saldo Líquido atual, a data de hoje, a Taxa de Compra de hoje (que é maior do que a da minha aplicação) e a mesma inflação de 7%a.a., porém o valor da retirada em 2019 foi consideravelmente maior.
    Se eu sair e entrar vou ter esse ganho? Essa variação é devido à marcação a mercado? Pelo que li em seu artigo, o valor deveria ser o mesmo! E eu teria ainda que pagar algumas taxas me gerando um prejuízo… Se quiser os print screen, me mande um e-mail.
    Grato,

    1. André Bona    

      Não Fernando Sua análise está errada, pelo que entendi. Pelo que entendi da sua pergunta ela está respondida no final do texto. Veja: o valor de resgate de NTN-B é um só. É o mesmo. Ele não muda. O que muda é o valor de compra. Quem comprar NTN-B Principal 2019 hoje ou há 10 dias ou há 1 ano, resgatará a mesma coisa. A diferença de rentabilidade se dá pelo valor comprado e não pelo valor a ser recebido, que é igual. Abs,

  17. Daniela    

    Gostaria de parabenizar a iniciativa de explicar Tesouro Direito de uma forma mais aprofundada. Não é fácil obter esse tipo de conhecimento, em que pese a quantidade de pessoas falando/escrevendo sobre o assunto. Sensacional. A minha dúvida é o seguinte: Porque para essa “especulação” só se utiliza a NTN-B? A LTN não serve para esse propósito por qual motivo?

    1. André Bona    

      Olá!
      Serve sim. NO ENTANTO, repare que a formula tem o componente TEMPO. Quanto maior o prazo do vencimento maior a variação do PU, pois ele é corrigido por mais anos. Se você faz com LTN, cujo prazo é bem mais curtinho, as oscilações do PU são bem menores e o impacto dos custos pode eliminar muito a possibilidade de retorno.
      Abs,
      André

  18. Paulo    

    Muito didático, parabéns!!

  19. Gustavo    

    Primeiramente parabéns pelos artigos e videos, são de primeira linha e fáceis de entender.

    Gostaria de tirar uma dúvida: aproveitando a Selic alta, com provável viés de baixa para os próximos anos(2016/2017), para efeito de especulação seria mais interessante a compra de um titulo como o tesouro pre fixado 2021 (LTN) ou o tesouro pré fixado com juros semestrais com data de 2025, qual conseguiria maior retorno provável?

    Abraço!

  20. Rodrigo    

    Boa noite Andre, tenho uma quantia aplicada no tesouro SELIC, dai queria saber sevocê acha que agora é hora de trocar pra uma IPCA com Juros Semestrais (ntn-b 2035) que tem uma volatilidade alta, pra tentar fazer a marcação de mercado como voce ensinou e ai quem sabe vender em 2017, ou a selic ainda nao atingiu o topo, e pode subir, (exemplo, caso os juros americanos venham a subir) ainda esse ano, pois segundo a focus a media pro ano que vem ta na casa dos 12% e entraria uma tendencia de queda. Parabens pelo canal assisto todos os seus videos.. Vlw

    1. André Bona    

      Olá Rodrigo!
      Eu acho que tesouro Selic tem um objetivo numa carteira de investimentos e o tesouro IPCA tem outro objetivo.
      Portanto, não vejo como uma coisa pode ser trocada por outra, pois se isso for possível em sua carteira, significa que alguma das posições está fora do planejamento.
      Abs,
      A.B.

      1. Rodrigo    

        Então André, eu entendo que a funcionalidade do Tesouro IPCA seria voltado para um planejamento a longo prazo, tipo aposentadoria. Já o Tesouro SELIC é mais a curto prazo, pois nunca há perda de capital nessa modalidade independente do prazo. Porém o meu questionamento é se agora seria uma boa hora para ESPECULAR no mercado, trocando de títulos acreditando que a SELIC alcançou o teto. Assim, teria ganhos maiores caso os juros venham a cair quem sabe em 2016 e 2017. Para dai então conseguir ter essa renda do seu vídeo, de mais ou menos 30% a.a. No caso, o meu planejamento é a especulação, pois posso deixar meu montante parado por mais de 2 anos.
        Forte Abraço

        1. André Bona    

          Olá Rodrigo, a resposta que você busca é “sim”.
          Mas para respondê-lo detalhadamente, eu teria que dedicar muito mais tempo… E aí complica pra mim, já que seria basicamente uma assessoria, ok?
          Abs,
          A.B.

  21. Felipy    

    André,

    Tenho uma dúvida em relação a venda desses títulos. Exemplo: durante o período de um ano eu acabei comprando varias frações de um titulos, ou seja, a cada compra fui pegando uma taxa. exemplificando ainda mais, mês de janeiro peguei o LTN 2018 com taxa de 10%, mes de Fevereiro LTN 2018 12% e mes de Abril 13% … Minha dúvida é ” se a taxa cair para 8% e eu quiser vender somente a fração comprada no mês de Abril de 13%, não posso né?” Caso eu queira vender uma determinada parte do titulo, o valor descontado será da primeira compra em diante, é isso mesmo?

    Muito obrigado pela ajuda, e parabens pelo blog e pelos ensinamentos..

    abçs

    1. André Bona    

      Exatamente. As vendas são feitas considerando primeiro os títulos mais antigos, até pra te beneficiar no IR. O que você deve fazer é calcular o preço médio ponderado das taxas pra chegar na taxa média.
      Abs,
      A.B.

      1. Felipy Mendes    

        André, boa tarde.

        Muito obrigado, pois eu estava confuso. Pois estudando sobre o assunto, em determinados sites cada um fala uma coisa.

        Esse mês de Setembro esta sendo um otimo mês para a compra de titulos, pois o valor de compra esta baixo..taxa acima de 14,50% para Prefixado e acima de 7,10% para os pós, taxa que vi no histórico do tesouro são raras de acontecer.

        Vlw

  22. fábio    

    andré , boa noite
    Considerando o mesmo valor de aporte mensal ( ” x ” reais / mês )
    vc considera uma boa estratégia ao invés de p.ex vender LFT e comprar NTN-B , num cenário de SELIC caindo , manter os dois títulos mas deixar de aplicar em LFT e fazer aportes em NTN-B ??? ( e vice versa com SELIC subindo )
    minha dúvida = o aumento da rentabilidade da NTN-B neste cenário , compensaria os gastos ( taxas ) da venda da LFT
    GRATO.

    *obs. tentei realizar o cálculo mas devido a inexperiência e as variáveis envolvidas não senti seguro com o resultado

    1. Glauber    

      A minha dúvida é semelhante. Além disso vendendo antecipadamente a NTNB não estaria perdendo a vantagem dos juros compostos de um título de vencimento longo? Nesse caso o ideal não seria deixar de fazer aportes mensais?

  23. Carlos Alberto Macário    

    André, boa noite
    Como posso conseguir uma copia da sua planilha que acompanha a movimentação do tesouro direto (a dos juros compostos)

  24. Luan    

    Adorei seu artigo, a internet precisa de artigos como este.

    1. Marcos Santini    

      Esse put..o de m.e..rda não disponibiliza po…rra nenhuma de planilha, um f…da…put../a

      1. André Bona    

        Obrigado pelo seu comentário gentil.
        Abs,

  25. leonardo    

    ola gostei muito do artigo,fiquei mais interessado em investir porém eu não possuo conta corrente,vc pode me indicar um banco que não me cobre taxa mensais e outros tipos de taxa que não comprometam a minha rentabilidade? vlw

    1. Fabiano    

      Leonardo

      Para investir vc precisa abrir uma conta em uma corretora e não necessariamente em um banco. Todas as corretoras vão te cobrar alguma coisa (lógico, elas vivem disso!) e é preciso ver qual retorno elas oferecem. Corretoras que oferecem serviço de assessoria da própria corretora não são boas opções pq a corretora ganha a cada movimento que vc faz, isso pode induzir a sugestão de mais movimentos do que realmente seria preciso. Outras corretoras contratam serviços externos, independentes, para forneceram aos clientes uma assessorial imparcial. Outras ainda, não oferecem assessoria nenhuma e “seja o que Deus quiser!”. Cada uma vai te cobrar um valor diferente. Pese os benefícios e os custos e escolha a que mais se adapta a seus interesses. Para quem tem pouca experiência a segunda opção pode ser um bom início. É sempre bom lembrar que vc pode consultar no site da CVM e no site do Tesouro Direto se a empresa está autorizada a operar, se o nome não tá lá “corre que é furada!”.

      Se por qualquer razão da vida, vc precisar abrir uma conta corrente gratuita, para operar pela internet, minha sugestão é procure os bancos que possuem a cesta de serviços digitais, nem todos os bancos oferecem. Uma informação importante é que bancos geralmente cobram mais caro do que corretoras para operações na bolsa, fundos de ações ou tesouro direto. Basta comparar taxas.

      O cadastro nas corretoras geralmente é grátis e vc passa a usufruir dos benefícios que elas oferecem aos seus clientes, inclusive assessoria (naquelas que oferecem), relatórios, sugestões de carteira, etc. Geralmente também oferecem um conteúdo em vídeo com muitas informações introdutórias importantes. Acompanhe os vídeos desse blog, gosto muito da qualidade do material que tem aqui. Sugiro esses vídeos:

      Como começar a investir corretamente o seu dinheiro?
      https://www.youtube.com/watch?v=KGs7XrI15kk&list=PLMkzCzckl3n8d0IUb3tFC31rfDr1z7jS0&index=3

      Investidor: isso você precisa saber! (90% ainda não sabem)
      https://www.youtube.com/watch?v=CG1HnKT8khI

      Bons estudos!

  26. junior    

    ola Andre, ja fiz duas compras de fraçoes de tesouro selic(LFT) e tesouro pré-fixado(LTN) mais para ver como funciona na pratica, antes de iniciar “de verdade” com valores maiores. Bem, se Deus quiser em 2016 vou ter um valor entre 80 a 100mil reais provenientes da venda de um imovel (claro se vender em 2016!). Como já li e estudei bastante sobre TD e tbm outras aplicaçoes de Renda Fixa irei fazer as seguintes aplicaçoes: supondo que consiga os 100mil, irei aplicar 50mil em Tesouro IPCA+ 2035 (NTNB Princ) (7,08+IPCA) para fazer marcaçao a mercado (supondo um queda na selic em 2016/2017); 10mil irei aplicar em Tesouro Selic 2021 (LFT) para ter um rendimento e eu poder, caso precise, tirar antes do vcto sem perdas; 10 mil irei pagar contas para limpar meu nome; 10 mil para investir em um negocio para aumentar meus ATIVOS; 20mil em Tesouro IPCA+ 2035 (NTNB Princ) (7,08+IPCA) para aposentadoria e para minha filha que hj tem cinco anos não ficar obrigada a trabalhar para donos de empresa e a ser independente financeiramente como eu. Vc acha bom esses investimentos? claro que poderei incluir açoes, mas pretendo mais a frente qnd tiver mais conhecimento.

  27. tHIAGO    

    Bom dia Andre, Primeiramente parabéns pelo conteúdo e por você compartilhar esse conhecimento. Fiquei com uma dúvida a respeito da linha valorização anual, como que você conseguiu chegar no 55,5%
    muito obrigado!

  28. Douglas    

    Como faço pra fazer esse monitoramento e aprender mais sobre como especular no mercado direto???

    gostei muito das explicações.

  29. Edgard    

    Parabéns André pelas explicações. Agora consegui entender melhor esta parte mais complexa do Tesouro Nacional.

  30. Anderson    

    Primeiramente, parabéns pelo site! Excelentes explicações sobre o TD!
    Minha dúvida foi parcialmente respondida acima. Fiz varias compras de NTNB principal 2035, com diferentes taxas. Pretendo vendê-las quando as taxas estiverem mais baixas e especular com esse título visando o lucro. Pelo o que foi exposto, quando for efetuada a venda desses títulos, sempre irá vender o título mais antigo na carteira. A minha pergunta é a seguinte: essa regra de venda do título mais antigo também vale quando eu tiver comprado o mesmo título por corretoras diferentes? Ex. Comprei em Abril NTNB p 2035 com taxa de 6,7% através da corretora X. E em Maio comprei o mesmo título com taxa de 7,3% na corretora Y. Quando eu for vender esse título no site do TD, tenho a opção de qual corretora utilizar. Vou poder escolher a venda da corretora que está me dando maior lucro? Independente da data de compra?

    Obrigado!

  31. Felipe    

    Camarada li e vi seu video achei muito elucidativo a única coisa que não entendi bem foi no ato da venda. Vou usar o mesmo exemplo dos dez anos, após passados dois anos resolvi que os juros estavam mais baixos do que no ato da compra e que o p.u agora é maior, digamos que tenho 30 títulos. O valor que vou receber na venda vai ser o p.u de venda do dia x 30 titulos que eu comprei mais os juros dos dois anos ?

  32. Douglas Ribas    

    Boa tarde André.
    Gostei muito do seu artigo sobre especulação com tesouro e gostaria de estudar mais sobre o assunto.
    Existe algum livro que fale sobre isso mais profundamente?
    Abraços

  33. marlon    

    Bom dia! Excelente didática.
    No caso de um título prefixado por exemplo, a taxa acordada acompanha algum indicador (Selic, IPCA, CDI…) mesmo não sendo indexada a nenhum deles? Abraço!

  34. Celso Andrade    

    André

    Parabéns pela qualidade e didática da matéria !!!
    Obrigado por compartilhar este conhecimento de forma gratuita.

    Desejo-lhe sucesso !

    Abraço

    Celso

  35. Mario Melo    

    André,

    Primeiro de tudo, quero lhe agradecer por todo o conteúdo que você tem disponibilizado para ajudar as pessoas a compreender e investir melhor seus recursos no mercado financeiro. Você não faz idéia do quanto já me ajudou com sua boa vontade, conhecimento e didática. Muito obrigado! Tenho comprado NTN-B Principal 2035 cuja menor taxa de compra foi de 7,61%, e continuo a aproveitar o momento que está muito propício para a aquisição destes títulos. Ainda tenho mais uma reserva para comprar mais destes papeis se continuarem a subir. Meu objetivo é realmente o longo prazo, mais de 05 anos, ou até mesmo levar até o final, se a Selic não cair consideravelmente, pois aí, eu coloco a mão na grana aos 60 anos, idade em que certamente vou precisar muito deste dinheiro para a minha aposentadoria. Minha pretensão é ter 20% da minha carteira em NTN-B 2035, podendo chegar até 25%, se as taxas continuarem subindo consistentemente. O que você acha?

    Grande abraço!
    Mario Melo

  36. Thiago    

    Olá,
    Gostaria de saber o que ocorre caso haja variação brusca em menos de um ano.

    Digamos que o valor face é 10000,00 com vencimento em dez anos e taxa 10%a.a.:
    Vamos imaginar que comprei com os valores mencionados e aconteceu uma reviravolta na economia e do nada a taxa foi de 10%a.a. para 5%a.a. na SEMANA seguinte.
    Conseguirei lucrar se vender na semana seguinte com a taxa em 5%a.a.?
    Pois o capital inicial iria de 3855 para algo em torno de 6209.

    Obrigado!!!

  37. Sandra    

    Muito bem explicado…estou aprendendo muita coisa sobre investimentos, graças aos seus vídeos André Bona, parabéns!!!

  38. Renan    

    Ola, tem como disponibilizar essa planilha para calculo da rentabilidade em vendas antecipadas?

  39. Rogerio    

    Parabéns André…muito bom…vc é um professor nato…como posso acessar mais matérias suas sobre tesouro direto?

  40. Ximenes    

    André,

    Se meu objetivo é de longo prazo, realizar as antecipações seria uma boa alternativa, umas vez que anteciparei também o imposto de renda?

    1. André Bona    

      Depende do % de ganho que você terá com a operação de antecipação…
      Abs,

  41. Fabio Marques    

    Apenas gostaria de entender como você calculou a valorização anual, se mandar a formula, eu consiga.

  42. Ana    

    André, primeiramente obrigada pelo artigo, muito esclarecedor. Tenho uma dúvida, sou novata no TD e depois de ler btte recentemente comprei um tanto de NTN-B Princ 2035 a menos de 1 mês visando aposentadoria. Comprei em momento q a taxa estava em 7,5% e o título a 700 e poucos reias. No entanto, acompanhando a marcação de mercado, tive um “ganho” de 12% em um curto período de tempo…….minhas dúvidas são, mantenho esses títulos, pois afinal 7,5% + IPCA em 19 anos não é de todo mal ou vendo todos os títulos aproveitando esse “lucro”, reaplico em outra renda fixa e espero os títulos voltarem a perto de 7%? Outra duvida que tenho é tb se posso vender parte dos meus títulos….digamos, do rendimento que tive nesses últimos dias resolvo pegar 1600 reais (hj equivaleria a vender cerca de 2 títulos)….o que que acontece? Como faria o cálculo do meu rendimento futuro em 2035?

  43. Alexandre Mascia Resende    

    André, excelente explanação. No seu exemplo do último gráfico como você chegou ao valor de R$ 6594 no Ano 2? Pelo meu raciocínio, você vendeu o título hipotético “B+Pós” no final ano 1 pelo valor R$ 4.241 e comprou o título hipotético pré “A+10” a taxa de 12% e vendendo no Ano 2, porém não consegui achar o valor de R$ 6594. Para o Ano 2, aplicando a fórmula, o PU = (10.000)/(1+0,075)^8 = 5.607,02. Onde está o erro?
    Obrigado,

  44. Ivan Couto    

    Boa Noite

    conhece os gráficos do site http://tdcharts.info/sobre ?

    onde encontrar material para auxiliar na interpretação dos mesmos?

  45. Pedro A.B.Sousa    

    Existem titulos privados, onde se possa trabalhar e investir com base na marcação de mercado.
    O exmplo acima, é referenciado à Titulos Publicos.

    E para titulos privados, existe esta possibilidade?? se sim, poderia informar que tipo de titulo??

    Abraços

    1. André Bona    

      Sim, pode ocorrer, com debêntures por exemplo. No entanto, a questão e que um ativo precisa ter liquidez para você se desfazer dele. E no caso dos ativos privados, você tem que revender para a própria instituição financeira e ela pode lhe cobrar um spread e prejudicar o resultado. No caso do tesouro, a recompra é feita direto pelo tesouro, o que facilita esse processo. Abs,

  46. Kleber    

    Olá André, obrigado por passar seu conhecimento de forma gratuita e com uma enorme qualidade,você indicaria algum livro para aprofundar esse conhecimento para especular no tesouro direto.

  47. Diego    

    Fácil o melhor artigo sobre TD que já li.

  48. Pedro Augusto    

    André, bom dia.
    Sei que existe é o que é marcação a mercado.
    Mas tenho uma duvida q gostaria de ouvir teu comentário .
    Se formos ao site do TD verificamos as taxa praticadas no dia/momento.
    Entretanto, se arquivarmos uma tabela com as taxas indicadas após as 18:00hs, por exemplo do dia 10-abr, e na semana seguinte, no dia 19-abr formos verificar as taxas na planilha de evolução de taxas do TD, podemos verificar que os valores das taxas indicadas nesta planilha para o dia 10-abr, não confere com o da tabela arquivada para o dia 10-abr.
    Poderia informar a razão, já que a tabela após 18:hs deveria refletir a taxa de fechamento do dia e ficar infirmada na planilha de evolução ?

    Obrigado

  49. vinicius    

    simplesmente melhor página de TD que já li.
    só tenho a agradecer pela sua didática.

    titulos mais longos tendem a se desvalorizar mais percentualmente que titulos mais curtos?
    Ex:
    selic em 14,25

    ltn 2020 – 1.000 reais

    ltn 2050 – 500 reais.

    selic vai pra 12%.
    qual das duas rende mais percentualmente? a de mais longo prazo, mé?

    1. André Bona    

      Vinicius, isso é matemático. Um dos fatores para calular o PU é a quantidade de tempo que falta para o vencimento. Logo quanto mais longo o título maior a oscilação que ele terá em função da variação das taxas. Para rentabilidade positiva ou para rentabilidade negativa.
      Retire de foco a LTN. A LTN tem prazo mais curto. Considere as NTN-B Principal (Tesouro Selic+). São mais adequadas pois possuem vencimento mais longo. Abs,

  50. leonardo    

    Muito bom o artigo. Mas fiquei com algumas dúvidas:
    1) Como acertar a tendência da taxa de juros? Atualmente, a maioria dos analistas defende que a tendência é de queda. isso, entretanto, já dura mais de 2 anos. Mas, quando vai efetivamente cair, não há como saber. É necessário acertar “na mosca” o ponto de reversão? Pode-se aguardar a efetiva reversão para trocar os títulos ou há que se antecipar?

    2) Nos exemplos dados, considerou-se modificação da tendência ano após ano (em um ano sobe e no seguinte desce e assim sucessivamente). Sabe-se, entretanto, que historicamente é bem comum ficar mais de 1 ano caindo lentamente ou subindo lentamente. A estratégia tenderia a dar mais resultados com maior volatilidade da taxa de juros em períodos curtos, não?

    3) Se compro prefixados ou IPCA+ a uma excelente taxa, e os carrego ao vencimento, em comparação com a estratégia de especulação, é garantido que esta vai me trazer melhores resultados, ainda que eu acerte todos os pontos de reversão? Digamos que as descidas e subidas das taxas se deem de forma lenta, e sem alcançar a excelente taxa que obtive ao contratar. Ainda neste caso, teria valido a pena vender meu título na queda dos juros?

    1. André Bona    

      Leonardo, calma.

      1- Impossível
      2- Exemplo meramente didático apenas para exemplificar as oscilações.
      3- Eu entendo que a estratégia deve ser:
      a) Comprar com expectativa de levar para o vencimento (portanto longo prazo)
      b) Comprar em boas taxas (acima de 6% é boa taxa para o longo na minha humilde visão)
      c) SE HOUVER possibilidade de supervalorização e saída antecipada, ótimo! Você realiza um ganho adicional. Caso contrário, leva até o vencimento sem problemas.

      Por isso eu digo que deve ser feito com capital de longo prazo e que pode a oportunidade de saída pode acontecer em dias, meses ou anos. Sem ansiedade.
      Abs,

      1. leonardo    

        Obrigado pela resposta, André.

        Vc considera q essa supervalorização seria na faixa de qto no mínimo? 30%? Considerando tributos, taxas e custo da oportunidade de estar perdendo uma excelente taxa de longo prazo em prol de um alto rendimento nominal de curto prazo?

    2. Gustavo    

      A questão é justamente essa. Acertar timing de entrada e saída e depois o que fazer com o dinheiro! Se vc vende o título que pagava 7% para recomprá-lo por 5%, qual a lógica a longo prazo da estratégia? Aguardar mais alguns anos para a possível subida das taxas e recomprar algo que vc já possuía com uma taxa boa? É muito mais inteligente investir em vc, guardar dinheiro e ir comprando um pouco todo mês, fazendo uma poupança de longo prazo e deixar o juros composto trabalhar por você! O resto é para profissionais. Parabéns pelo vídeo, excelente.

      1. André Bona    

        Isso Gustavo!
        Veja, a ideia do conteúdo é mostrar como funciona a especulação. Não é uma sugestão de que façam ou não façam. Cada um decide por si próprio. Certamente, como você viu no exemplo, a dinâmica fará sentido se existirem repiques nos preços dos títulos. Caso não exista, realmente ela perde todo o sentido. Um outro ponto também é que a ideia é que ela seja de longo prazo, pois não há uma certeza de quando as taxas vão se modificar, portanto, a ideia é: se pretendes fazer isso, não faça com expectativa de ter um retorno excelente em x meses ou x anos. Isso não é possível. Por isso, só seria possível aproveitar tais movimentos SE não houvesse qualquer necessidade de resgate dos valores.
        Sim, concordo contigo nisso: sempre comprar, é a melhor de todas em longo prazo. Concordo plenamente. O conteúdo mostra como funciona, porque os leitores veem isso na internet e perguntam. Então a ideia é explicar a dinâmica. Porém, certamente, sempre comprar e continuar formando a poupança de longo prazo nos títulos longos me parece a ideia mais acertada também.
        Abs,

  51. paulo    

    Como posso acompanhar mensalmente o rendimento dos titulos do Tesouro Direto, levando em conta a taxa contratada + IPCA, pois o extrato que recebo leva em consideração as oscilações do mercado e como eu pretendo ficar com os títulos até seus vencimentos, gostaria de acompanhar a evolução dis mesmos.

  52. Macedo    

    Excelente artigo, porém fiquei com uma dúvida. Quanto maior o prazo de vencimento de meu título é maior a rentabilidade com a queda dos juros?.

  53. Rodrigo    

    André, é possível fazer esse tipo de epeculação mensalmente? E semanalmente?

    As oscilações da taxa de juros em períodos tão curtos (de uma semana para outra) são suficientes para especular com o tesouro direto e obter melhora nos rendimentos?

  54. Rodrigo    

    No caso do tesouro direto, de quanto deveria ser a queda da taxa de juros para compensar especular e não tomar prejuízo devido as taxas e impostos que incidirão sobre a transação?

    O Imposto de renda será mais alto se seguir essa forma de especular, certo?

  55. Rubens Bartel    

    Bom Dia! Ótimo artigo! Minha dúvida é a seguinte: Como posso determinar o PU de um título, no meio do ano por exemplo. Existe um título Tesouro Prefixado 2019 (LTN) q vence em 01/01/2019 com taxa 12,42% no valor hj(30/06/16) de R$ 747,64. Como estamos no meio do ano, como posso fazer o cálculo? Entendo bastante de Excel e nos meus cálculos ele teria q estar valendo 703,83, pra dar R$ 1000,00 em 3 anos, mas isso considerando o ano cheio, por isso a conta não bate com os 747,64 pedidos. Como faço o cálculo com frações de ano? Obrigado

    1. André Bona    

      Por dia útil, calculando a taxa equivalente (matemática financeira – juros compostos) para o prazo em dias úteis.
      Abs,

      1. Rubens Bartel    

        Obrigado, muito esclarecedor. Já tinha feito a conta com os dias até lá q daria 914 dias, mas não deu certo, pois tem q contar apenas dias úteis então né? E para calcular a taxa equivalente tenho q dividir a taxa a.a. de 12,42% pelo número de dias úteis? Para saber a taxa diária? Bom encontrar seu blog, pois ninguém ensina esses cálculos, nem na faculdade de economia eles deixam claro isso. Obrigado!

        1. Fabricio    

          Fala Rubens, vc conseguiu ajustar tua planilha para dias úteis? Também estou apanhando aqui… se você puder compartilhar, te agradeço!

  56. Gabriel    

    Boa noite André.

    Tenho um título NTNB 2035, comprei em uma taxa pactuada aproximadamente 7,30%. Hoje esse título está sendo vendido a 6,06% portanto, acredito que possa ser a hora de vender. Minha transação atual foi de 230.000 R$, com o bruto atual estando em 247.000 R$ e o liquido em 246.000 ( todos valores aproximados). Porém, gostaria de saber se esse valor liquido será em sua totalidade resgatada para a minha conta. Pois, pelo que sei, há uma alíquota de 17,50% o que me faria pagar 43.000 R$ de imposto de renda, portanto, eu receberia no final 203.000 R$. Essa minha lógica está correta ou usei alguma formula errônea? agradeço a sua ajuda, um abraço.

    1. André Bona    

      O IR é sobre a rentabilidade e não sobre o total. Abs,

      1. Gabriel    

        Obrigado André. Então no caso só vale para os juros semestrais ou também para o lucro que eu obter a partir desta valorização?

        Um abraço

  57. Fabiano    

    André
    Qual critério eu uso para saber se uma taxa é alta ou baixa? Se o IPCA está em 7%, eu devo comparar esse valor com a meta fiscal de inflação, com a SELIC ou com o quê?

  58. Rodrigo Oliveira    

    Boa Noite André,

    Primeiramente, meus parabéns pelo seu trabalho, parte da minha educação financeira vem dos seus artigos e vídeos no seu canal no youtube que assisto frequêntemente, mas possuo algumas dúvidas, se você puder respondê-las ficarei muito grato:

    1) Dúvida 01: Porque a venda antecipada pode gerar perdas financeiras apenas para títulos que tenham pelo menos uma parte da sua rentabilidade pré-fixada?

    2) Dúvida 02: Quando a taxa de juros aumenta o preço dos títulos fica mais barato, quando a taxa de juros diminui o preço dos títulos aumenta, mas já estamos a um certo tempo com a SELIC a 14,25 e mesmo assim ocorre algumas variações no preços dos títulos. Que outros fatores fora a mudança da SELIC podem influenciar nos preços dos títulos do tesouro? E porque diretamente a mudança na taxa SELIC altera o preço dos títulos?

    Novamente muito obrigado

    1. André Bona    

      A primeira pergunta é respondida pelo fato de que a taxa prefixada pressupõe que o caluclo do PU se dá por deságio. E taxas diferentes geram deságios diferentes o que faz o pu oscilar pra cima ou pra baixo como explicado no video.

      A segunda é que a queda ou elevaçao da taxa de acordo com o prazo se dá pela negociação dos juros futuros na bmf e nao simoels ente pela selic. E os juros futuros se modificam simplesmente quando as expectativas (e não a mudança da taxa selic atual) se modificam.

  59. Laercio Junior    

    Boa tarde, André.

    A lógica é que ”devo” vender meu título quando a taxa de venda da mesma estiver menor que a taxa de compra da data em que comprei, correto??

    1. André Bona    

      A lógica é que essa condição é a primeira necessaria para começar a avaliar essa possibilidade. Abs,

  60. Rodrigo Anjos    

    Olá André. Excelente o vídeo e o texto também. Muito bem explicado. Minha dúvida é quanto ao impacto dos custos (taxa/IR) nesse tipo de operação…. poderia falar mais sobre isso?
    Uma outra coisa, seria possível disponibilizar essa planilha que você usou? caso seja pssível (rodrigobiell@hotmail.com)
    Att
    Rodrigo Anjos

  61. Diego Dorim    

    Boa noite André, minha duvida é se na especulação, o valor mais elevado de 22,5% nas taxas
    de IRPF não podem reduzir a rentabilidade se comparado ao valor inicial acordado que descontaria apenas 15% ao final de 2 anos.

    1. André Bona    

      Certamente. Porém se você tiver uma rentabilidade de 30% em seis meses (como ocorreu com os títulos do tesouro IPCA+ longos esse primeiro semestre), você vai se importar pouco com isso.
      Abs,

  62. Jessica    

    Tem como o investidor ter prejuízo se resgatar o título somente na data de vencimento independente de como está a taxa de juros?

    1. André Bona    

      Nâo Jessica, não tem. Só num caso extremo que seria o governo se endividar tanto que não conseguisse pagar de volta o que foi investido pelos investidores. Chance bem remota. Mas a resposta é não. Se levar até o final não terás prejuízo de forma alguma.

  63. Denny    

    Olá André,

    Especulando com Tesouro IPCA+ eu tenho a seguinte dúvida. Se a expectativa da inflação futura for de queda e assim a Selic recuar, como seria o comportamento do PU desses títulos, uma vez que parte da sua rentabilidade está atrelada ao IPCA ? Eu teria a queda da Selic que é positiva para a especulação mas teria a queda do IPCA que diminuiria o cupom do título ?

    Obrigado

  64. Vinícius    

    Olá André,

    Existe algum valor mínimo para que a especulação no Tesouro Direto seja vantajosa? Já ouvi que se é um valor abaixo de 100 mil reais mesmo que tenha ganhos percentuais consideráveis, financeiramente não compensa vender.

  65. Alexandra Monteiro    

    Boa Noite, Andre, eu apliquei 25500,00 há 15 dias atras no tesouro IPCA+35 e hoje ao puxar o extrato ele me mostra com um saldo no extrato de 1000,00 a menos, isso é normal?

  66. Alexandre    

    Andre, boa noite

    Acredito que este vídeo seja um dos melhores que você já fez e gostaria de saber se pode compartilhar a planilha para podermos fazer comparações e projeções.

    Grato e abraço

  67. Fabio Junior dos Santos    

    Boa noite André. Vídeo perfeito, parabéns, explica muito bem, vou começar a ver todos os vídeos e matérias do seu blog. O vídeo perfeito que eu precisava para fazer trade no tesouro direto. A calculadora do tesouro direto de venda antecipada de títulos públicos da resultados corretos? Colocando corretamente os dados de compra e venda. Aguardo contato. Obrigado.

  68. Alex Vaz    

    Boa tarde André.
    Parabéns pelo material que apresenta.
    Pelo que você disse no vídeo de tesouro de foram especulativa, se minha expectativa ( Aposta) é baixar a Tx. de juros nos próximos 24 meses, comprar os Tesouros IPCA + para 2019 e 2014, contemplando esta curva de juros que projetei , pode ser um bom negocio a médio prazo?
    Atte:

    Alex Vaz

  69. carlos    

    OLá….boa noite…parabéns pelos videos são excelentes. tenho apenas uma duvida. devo investir no ipca 2035 apenas para especular já que existe uma perspectiva de baixa de juros e aproveitar a valorização de uma provavel redução de juros?
    muito obrigado e parabéns.

  70. ANDRÉ    

    André, parabéns pelo post. Muito bom.
    Ainda assim tenho uma dúvida: estou posicionado em tesouro selic, IPCA + 2019 e IPCA + 2024. A expectativa atual é que a taxa selic baixe. Com isso, de acordo contigo, melhor estar posicionado em titulos pós fixado. Certo? Devo vender já os pré-fixados e comprar selic? O que acontece com as taxas do IPCA + se a Selic cair? Elas caem também?

  71. João Sérgio    

    Boa noite André, excelente e contundente explanação! Eu gostaria de saber qual é o melhor título para especular na comparação entre NTN-B e LTN, e também em relação ao tempo (se títulos longos variam mais do que curtos). Desde já, muito obrigado. Abraços

  72. Arthur    

    Olá André, tudo bem?
    Assisti alguns vídeos do seu canal no YouTube e agora estou conhecendo mais a fundo o blog.
    Primeiramente gostaria de te parabenizar pelo seu trabalho, tudo muito claro e bem bacana mesmo. Tenho uma dúvida sobre o mercado atual para TD. Eu já invisto mensalmente no tesouro, porém, só no SELIC… Com a taxa SELIC a 14,25% e uma previsão de queda (estamos com essa previsão, certo?), é a hora de dar um tempo em investimento no tesouro SELIC e passar a comprar um IPCA+, por exemplo, 2050? Pois mesmo se eu resgatar ele antes do tempo (daqui uns 3-5 anos), com a queda da taxa SELIC, vou ter um rendimento maior do que o mesmo período no TD SELIC. Está certo esse pensamento? E quanto maior a data de vencimento (2035 ou 2050) maior será o rendimento mesmo antes do prazo?
    Se puder me dar uma luz, seria grato!
    Obrigado desde já. Abração

  73. Thiago Fischer    

    Excelente material!! A explicação foi ótima, simples e assertiva! Obrigado por compartilhar seu conhecimento!!! Grande abraço!!!

  74. marcos    

    Como eu determino mais ou menos quantos pontos vai cair o juros pré-fixado da NTB principal com a queda da SELIC…Tipo se cair 0,5% a Selic, quanto vai cair o Juros pré-fixado de uma NTB 2035 por exemplo?

  75. Leonardo    

    André,

    A variação dos juros das NTNBs não estaria mais ligada aos juros DI futuro do q propriamente à taxa SELIC simplesmente?

    Se sim, então, a estratégia se torna bastante incerta, pois o descasamento entre SELIC e juros DI futuro tanto pode beneficiar o investidor de longo prazo qto pode prejudicá-lo. E o pior: na maioria dos casos, o leigo nem vai perceber onde está perdendo ou deixando de ganhar.

    Se quer especular com juros, melhor seria se valer do mercado futuro n?

    TD IPCA seria mais adequado para compras ao longo dos anos com a finalidade precípua de levá-lo ao vencimento. Vender no meio do caminjo para usar o $$ até pode eventualmente ser interessante, mas n deveria ser o objetivo, ainda mais se a ideia for especular.

    1. André Bona    

      Sim, perfeito. o DI Futuro nada mais é do que a expectativa da Selic futura. Esse video mostra apenas o processo da marcação como ocorre. Mas sim, isso ocorre em cima do DI futuro. Tem um video no canal programado para ir ao ar em outubro sobre esse detalhe. Abs,

  76. Neiva    

    Tenho um titulo Tesouro IPCA+ 2024 (NTNB Princ), com data vencimento 15/08/2024, valor atual de R$ 7.549,40 e taxa devida 17,40
    Dúvida:
    Essa taxa devida é a taxa para venda do titulo hoje?
    Como posso saber a diferença da rentabilidade se vender hoje ou esperar o vencimento?

  77. Pedro Franciscon    

    André, primeiramente parabéns pela matéria. Tirei várias dúvidas que tinha, mas ainda continuo com uma e gostaria que você me ajudasse. Para isso vou dar um exemplo real.
    Fiz a compra do título pré-fixado com taxa de juros de 16,10 há um ano atrás com vencimento em janeiro de 2018.
    Tudo indica que a taxa de juros deve continuar caindo o que valorizará ainda mais meu título. A dúvida é, qual é o melhor momento para vender esse título, já que hoje ele rende 20% ao ano, mas deve convergir para render 16% se eu segurar até o vencimento, certo?

  78. Luiz Pimentel    

    Andre, excelentes explicações.

    duvida : vi no site do Tesouro NTNb (juros emestrais ) 2050 – 5,55 valor R$ 3.178,00
    minha corretora apresentou mesmo titulo NTNB, para o mesmo ano 2050 – mas
    com juros 5,18 e valor R$ 3.417,00

    Porque existe essa diferença ? e o qual oferecerá mais rentabilidade ?:

  79. Jáiron    

    Como faço para obter o histórico das atualizações dos valores dos preços dos títulos IPCA+?
    Sei que no link “Balanço e Estatísticas” tem um “Histórico de preços e taxas”, onde abre uma planilha. Porém, lá só tem um valor para cada dia e ocorrem várias atualizações durante o dia. Por exemplo: no dia 02dez16 houveram 3 atualizações (11h19, 13h55 e 17h54), mas na planilha só aparece uma. Onde consigo todas as atualizações?

  80. Paula    

    Olá André,
    Obrigada pelas explicações.
    Caí aqui porque tenho uma LTN vencendo em 01/01/2017 e somente agora vi que no site do TD tem uma opção de gráfico no extrato (talvez já tivesse faz tempo mas eu não tinha reparado) que mostra no seu extrato basicamente oq você ensinou aqui, muito legal!
    Daí para minha surpresa aparece que o preço teórico é de 16,5% e meu preço real é de 40%! Entendi que o preço real é no caso de eu resgatar antecipadamente, só que agora estou com medo porque não entendi se no caso de eu deixar até o vencimento eu terei o preço teórico (menor) ou se de qualquer forma no momento do vencimento se o preço real for maior que o teórico eles me pagam o real, é isso? Preciso resgatar antes para garantir o preço real maior?
    Obrigada!

    1. Maurício    

      Paula,

      Tenho a mesma dúvida sua! Já pesquisei bastante e ainda não encontrei a resposta. Eu sei que muitas vezes não é vantajoso vender o título antes do vencimento depois de um ano com rendimento alto porque caso decida reinvestir o valor resgatado, a taxa do novo título no longo prazo pode não ser tão interessante quanto manter o título anterior. Acontece que, como no seu caso, que o vencimento está bem próximo, o valor será resgatado de qualquer forma daqui a alguns dias! Acredito que para títulos com vencimento próximo, caso apresente rendimento real acima do rendimento acordado, seja mais vantajoso resgatar mesmo.

      Ajuda a gente André! haha

      Obrigado.

  81. Figueredo    

    André, parabéns pelas explicações extremamente didáticas!
    A minha dúvida é sobre a segurança nas transações com as corretoras independentes. Quando você resgata do tesouro direto ou transfere um certo valor do banco para a corretora, neste momento ainda que por pouco tempo, o seu dinheiro está “desprotegido” de uma instituição mais sólida como um grande banco e ainda não está garantido pela segurança do tesouro nacional, pois ainda não está aplicado. Não há neste caso uma vulnerabilidade para o investidor neste curto período que seja?
    Grato!

  82. Antonio P    

    André muito bom o material, gostaria de saber se vc está disponibilizando a planilha que usou na aula?

  83. Luis    

    Olá André, parabéns pelo trabalho que vem fazendo, excelente! Se for possível, gostaria de pedir que tirasse uma dúvida. sabemos que, em um cenário de queda de juros (Selic), o título INPC+, por exemplo, fornece rendimentos alavancados, como mostrado no vídeo. A minha questão é sobre o rendimento em relação ao vencimento dos títulos. A pergunta é, o título INPC+ com venc. mais longo tem uma alavancagem no rendimento maior que o título com venc. mais curto ? Se sim, por que ? Grato. Abraço.

  84. vitor rocha    

    Boa tarde.
    Vamos na prática.
    Comprei título pré-fixado a 16,66% aa no dia 22/12/2015.
    Valor x e com vencimento em 01/01/2018, obtendo aproximadamente 30,14% em rendimento.
    Hoje, 13/01/2017, ele já rendeu 23,35%.
    A pergunta é:
    Se eu resgatá-lo em 01/01/2018 irei ganhar 30,14%, mas se resgatar antes ganharei bem mais.
    Quantos dias antes de 01/01/2018 seria mais vantajoso vendê-lo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *