*Este artigo foi produzido pelo Gorila com exclusividade para o Portal André Bona.

 

Talvez você já tenha se perguntado de onde vem o lucro dos bancos, não é mesmo? Pois bem, essa é uma pergunta que precisa de alguns fatores para explicar. Um dos principais motivos para o tamanho do lucros dos bancos é o chamado spread bancário.

Nos noticiários de economia não é difícil encontrar esse termo que representa a diferença entre as taxas de juros pagas e cobradas. É a partir disso que as instituições financeiras faturam o lucro, depois de pagar os impostos e cobrir os custos administrativos e ligados ao risco de inadimplência.

Essa margem de ganho pode ser explicada na prática. Veja o exemplo: quando uma pessoa abre uma conta no banco, a instituição financeira fica responsável pelo dinheiro. Mas ela não deixa o dinheiro parado. Os bancos, sejam públicos ou privados, visam captar recursos com fulano e emprestá-los com juros a cicrano.

Viu só como funciona? Agora vamos ver alguns dados que traduzem bem isso.

Dados sobre o lucro

Somente em 2018, os três maiores bancos conseguiram R$ 56,951 bilhões em lucros. O líder no faturamento foi o Itaú com R$ 25,700 bilhões, seguido pelo Bradesco com R$ 19,085 bilhões e o Santander lucrou R$ 12,166 bilhões. É muita grana!

E segundo o Banco Central (BC), os motivos para esse crescimento se deve a queda no número de calotes, aumento dos ganhos com tarifas bancárias e cartões, fora a diminuição dos gastos com agências e funcionários.

Já entrando em 2019, só no primeiro trimestre Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander registraram juntos um lucro líquido de 22,3% em ações na Bolsa de Valores de São Paulo somando R$ 19,95 bilhões. E na comparação com o quarto trimestre de 2018, a soma dos lucros dos quatro bancos relacionados acima apontaram alta de 8,3%.

Uma das maiores receitas destas instituições é a combinação entre prestação de serviços e tarifas bancárias, que teve arrecadação de R$ 27,2 bilhões. Por prestação de serviços engloba tudo desde alguns itens que não têm custo para o cliente, como abertura de conta e saque, até os demais como financiamento de automóveis e casa, câmbio de moedas internacionais e investimentos, como CDB, LCs e previdência privada.

Todos esses serviços possuem taxas que também geram receita para os bancos. Ainda existem as tarifas para manutenção de conta, DOCs e outros serviços que correspondem a 20% do lucro dos bancos.

Juros altos

Segundo pesquisa do Procon-SP realizada em maio de 2019, as taxa média de juros para empréstimo pessoal foi de 6,32% a.m., enquanto a taxa média do cheque especial chega a 13,51% a.m.. Porém, há instituições que chegam a cobrar 7,89% a.m. de empréstimo pessoal e 14,93% a.m. de cheque especial. Se você fizer a conta isso por ano dá por volta de 357% ao ano quando pensamos só no cheque especial!

Veja mais um exemplo agora utilizando a poupança para ver a diferença. Uma aplicação na poupança rende por mês cerca de 0,3715%, já a taxa de juros média mensal de um empréstimo pessoal é de 6,32%. Conseguiu ver o tamanho da diferença? É por isso que ouvimos sempre que a poupança não rende muito e tem outros investimentos que garantem uma rentabilidade maior.

Simulando uma aplicação de R$ 10.000,00: na poupança, daqui um mês, terá um rendimento total de R$ 10.037,15, enquanto que se recorrer a um empréstimo deverá pagar aproximadamente R$ 10.632,00 à instituição financeira no final do mês. Imagina isso no decorrer do ano.

Agora você consegue perceber como o lucro anual dos bancos chega a mais de R$ 56 bilhões contando taxas de juros e todos os serviços oferecidos.

Diminuição do número das agências físicas

Somado a isso, os avanços tecnológicos também estariam tornando as empresas mais competitivas e ajudando a reduzir despesas. Segundo o Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região, das quatro das maiores instituições, apenas o Santander aumentou o número de agências: 28. O Itaú fechou 60 agências físicas e abriu 35 digitais, que agora somam 195. O Bradesco fechou 114 unidades e o BB, 31.

Quanto ao emprego, o comportamento não foi uniforme: o Itaú, por exemplo, tem saldo de 361 vagas em 12 meses, mas fechou 597 postos de trabalho no trimestre. O Santander perdeu 623 vagas. O Bradesco abriu 1.563 – segundo a subseção, devido a contratações na área de negócios – e o BB cortou 1.414.

Conclusão

Assim fica mais fácil entender de onde vem o lucro dos bancos, em grande parte por conta do spread bancário e altas taxas de juros cobradas, e também porque tantas pessoas estão buscando alternativas como os bancos digitais, que oferecem um cartão de crédito sem anuidade, ou instituições que tenham menores taxas por serviços como empréstimos e investimentos.

Autor

Robinson Dantas

Robinson Dantas é CEO do Gorila Invest e possui mais de 18 anos de experiência no mercado financeiro. Além disso, é fundador da Iporanga Investimentos, onde era responsável pela gestão de risco e membro do conselho da holding FS2. Antes, passou pelo Morgan Stanley na área de Equity Derivatives Trading em Nova Iorque.

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *