Estar com a pessoa amada e construir um futuro a dois é maravilhoso. No entanto, como qualquer vida, a conjunta não está livre das dificuldades financeiras. Por isso, o casal precisa cultivar bons hábitos com o seu dinheiro para desfrutar de uma boa vida.

Não pense que encontrar investimento para casais é uma coisa complicada. Existem várias aplicações que funcionam muito bem para aqueles que querem ser mais independentes ao mesmo tempo em que trazem ainda mais estabilidade para o relacionamento.

Neste texto, vamos apresentar algumas dicas para que você e seu par alcancem a independência financeira. Acompanhe!

Por que é importante conseguir a independência juntos?

É indiscutível que os tempos são outros e uma família não precisa mais ser sustentada apenas pelo homem. Com a emancipação feminina, muitas mulheres trabalham fora de casa e complementam a renda — por vezes até podendo arcar com mais responsabilidades financeiras do que o esposo.

Se na década de 1980 o número de mulheres com mais de 25 anos que trabalhavam era de 29%, hoje em dia esse número saltou para 50%, de acordo com o IBGE e a Fundação Carlos Chagas.

Esses dados só ilustram como agora a responsabilidade é dividida. Logo, muitos casais precisam encontrar boas condutas para lidar com a sua renda sem conflitos.

No entanto, não basta apenas que cada um tenha o seu gasto e, com o dinheiro que sobra, façam o que quiser. Se o casal não lidar com seus rendimentos juntos, a longo prazo, dois tipos de perfis econômicos podem aparecer: um que tenha uma visão mais poupadora e o outro que seja mais gastador.

Assim, mesmo que o casal tenha, de modo geral, um bom patrimônio, um lado se sentirá mais pobre, pois não tem reservas, e o outro achará que o parceiro não ajudou o suficiente para a conquista dos objetivos.

Obviamente, é importante que cada um tenha a sua individualidade e que possam ter uma quantia para gastar com os seus próprios sonhos. Porém, os cônjuges devem traçar planos financeiros em conjunto e entender que é necessário ter transparência em relação à renda e que a divisão das despesas precisa ser justa.

Uma boa dica é o casal separar quantias iguais da renda total para realizar suas metas individuais e para o lazer a dois. O que sobrar vai para os planos a longo prazo e a manutenção do lar.

Dicas de investimentos financeiros e boas práticas para casais

1. Invistam em um imóvel

A moradia própria é um sonho para muitos casais. Afinal, o peso que o aluguel pode ter no orçamento é visível, ainda mais quando se está começando a vida de casado.

Exatamente por isso, um dos primeiros objetivos do casal deve ser uma moradia própria, visto que o dinheiro utilizado para pagar o aluguel poderia facilmente ser aplicado em um investimento que traria um retorno mais longevo.

É evidente que não será plausível mudar-se imediatamente, principalmente se vocês são recém-casados. No entanto, é possível planejar e começar a poupar para esse objetivo desde até mesmo antes da oficialização do casamento.

Façam pesquisas em conjunto para conhecer as soluções disponíveis no mercado. As opções vão de financiamentos a consórcios que possibilitam poupar e ainda oferecem condições de adequação à situação do casal.

2. Apliquem em renda fixa

Esta dica funciona melhor para casais que já desenvolveram o hábito de poupar e querem dar uma direção a essa quantia.

No caso de renda fixa, o casal já deve ter definido quando pretende pegar os rendimentos, visto que, dependendo do investimento escolhido, não há resgate antes do vencimento.

Há uma diversidade de aplicações dessa categoria: vocês podem, por exemplo, encontrar CDBs (Certificados de Depósito Bancário) que oferecem, muitas vezes, retornos de até 100% do CDI e ainda têm boa liquidez. Caso esse não seja um fator importante para vocês, há CDBs que pagam uma porcentagem ainda maior do CDI, mas com prazos mais longos.

Além dessas aplicações, títulos como o LCI, LCA e LC são isentos de imposto de renda e são bastante seguros, já que contam com a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito).

Se o casal prefere se prevenir contra inflação, pode escolher títulos ligados ao IPCA. Como não são protegidos pelo FGC, é interessante que os dois conheçam o rating do investimento antes de comprar os títulos.

3. Controlem suas despesas

Para novos casais, essa tarefa pode ser mais difícil de realizar e, provavelmente, muita coisa terá que ser aprendida na prática.

Entretanto, o primeiro passo para chegar a um consenso em relação as despesas é o diálogo. É preciso que os dois coloquem todas as questões e que, juntos, decidam as prioridades em relação aos gastos.

Muita coisa deverá ser abolida e, claro, a vida que tinham quando estavam solteiros não será mais possível — principalmente se há a intenção de ter um imóvel próprio. Baladas, idas diárias a restaurantes, tudo isso deverá ser revisto pelos dois, já que não estão mais na casa dos pais.

Não há necessidade de parar de fazer as coisas de que gostam, mas a frequência deverá ser reduzida. Os gastos supérfluos ou mesmo as ideias para itens de decoração da casa podem ser um problema.

Será preciso criar o hábito de pesquisar mais e não cair na tentação de aceitar a primeira oferta. Economizar deve ser a palavra de ordem dos dois.

4. Invistam em ações

Além das opções de aplicações em renda fixa, diversificar é uma interessante forma de aumentar o seu patrimônio. Nesse contexto, o investimento em ações de empresas é uma alternativa.

Além do mais, o processo é simples: compra-se uma parte de ações de certa empresa e esperam os lucros depois de um tempo. Mas adiantamos que, como qualquer investimento, há riscos nesta modalidade. Fiquem atentos às ações que podem perder a valorização a longo prazo, além de qualquer outro percalço que possa trazer prejuízos.

5. Definam os gastos domésticos

É na hora de tomar decisões sobre quem ficará responsável por cada gasto que os desejos individuais podem ofuscar uma responsabilidade que é dos dois. Às vezes, até decisões sobre reformas e decorações podem ser prejudicadas se o casal não possuir um diálogo efetivo.

A coisa pode piorar ainda mais se apenas um for o responsável pela renda principal. Por isso, é interessante distribuir as responsabilidades de acordo com quanto cada um ganha.

Se a renda dos dois dá R$ 5 mil, dos quais um ganha R$ 2 mil e o outro R$ 3 mil, por exemplo, então a divisão de 40% para um e 60% para outro é a mais justa.

Mais do que a distribuição definida, vocês devem conversar bastante sobre os gastos. Os dois têm que estar de acordo com os custos domésticos.

Seguindo essas dicas de investimento para casais é possível melhorar a relação financeira do casal e seguir o caminho certo para que ambos enriqueçam juntos! E se você quiser continuar recebendo mais dicas como estas, assine já a nossa newsletter e não perca mais nenhum post!

Autor

Redação Blog de Valor

O Blog de Valor é um site de educação financeira independente com a missão de auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e os seus produtos. Assine nossa newsletter!

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *