Montar uma carteira de investimentos que mantenha o equilíbrio entre risco e retorno pode não ser uma tarefa fácil para muitos investidores. Quem deseja otimizar os lucros dos investimentos e evitar se expor tanto ao risco costuma buscar opções de investimento nos fundos multimercados disponíveis no mercado.

Mas, afinal, como funcionam os fundos multimercados? Será que investir em fundos multimercados vale a pena? Seria esta modalidade de investimento indicada para todos os tipos investidores?

No artigo de hoje você encontrará as respostas a estes que são alguns dos principais questionamentos dos investidores quando falamos de fundos multimercados.  Acompanhe!

O que são fundos de investimento?

Para entender o funcionamento dos fundos multimercados e suas principais características é preciso compreender, em primeiro lugar, como funcionam os fundos de investimento de maneira geral.  Continue a leitura e saiba mais sobre estes fundos.

O Fundo de Investimento é uma modalidade de investimento coletivo, com uma dinâmica muito parecida com a administração de um condomínio. Os recursos de um grupo de investidores – chamados de cotistas – são reunidos em prol de um objetivo de todos os cotistas: conquistar bons rendimentos por meio dos investimentos realizados pelo fundo.

A principal diferença dos fundos de investimento em relação ao investimento direto – no qual o próprio investidor realiza suas aplicações – é que todo fundo possui um gestor responsável pela compra e venda de ativos para composição do fundo.

Este gestor profissional, devidamente capacitado para gerir investimentos, define as melhores opções de investimentos para composição do fundo, sendo responsável pela aplicação dos recursos aportados pelos cotistas participantes e pela gestão do investimento.

Os cotistas recebem seus rendimentos de acordo com a quantidade de cotas que possuem. Estas cotas, por sua vez, são distribuídas proporcionalmente aos investidores, de acordo com o aporte que cada um realizou no fundo de investimento.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), entidade responsável por regulamentar e fiscalizar o mercado financeiro, divide os fundos de investimento em quatro classes: fundos de renda fixa, fundos de ações, fundos cambiais e os fundos multimercados.

Os fundos multimercados

Diferente dos demais tipos de fundos, os multimercados não têm regras pré-definidas. Um fundo de investimento multimercado pode realizar aportes em ações, em renda fixa e em câmbio, de acordo com a estratégia estabelecida e as proporções previstas no regulamento. Por conta disso, o gestor acaba tendo uma maior liberdade para gerenciar e compor este fundo.

Fundos multimercados podem ser tão conservadores quanto os de renda fixa ou até mais arriscados do que fundos de ações. Cada um tem seus próprios objetivos e estratégias e, por isso, cabe ao investidor, na hora de investir em fundos multimercados, verificar todas estas características a fim de identificar se o fundo está em linha com seus objetivos e metas em relação ao investimento.

Vantagens dos fundos multimercados

A liberdade dada aos fundos multimercados confere a eles grandes vantagens sobre as outras classes de fundos. Em primeiro lugar, é um investimento muito fácil — basta aplicar seu dinheiro no fundo e um gestor especializado se encarrega de comprar os ativos financeiros. Esse gestor pode usar uma estratégia bastante complexa e elaborada, pois terá ao seu dispor toda a soma de recursos do fundo.

Essa estratégia, muitas vezes, é inacessível para quem tem pouco dinheiro para investimento,  não conhece os detalhes do mercado ou não possui tempo disponível para gerenciar seus investimentos um a um — como é o caso de muitos investidores pessoa física.

Além disso, como os fundos desse tipo não precisam cumprir exigências mínimas em tipos específicos de ativos, eles podem se adaptar melhor às diferentes situações da economia. Alguns deles conseguem até mesmo atravessar períodos de crise sem grandes perdas.

Por outro lado, da mesma forma que esses fundos podem atravessar períodos de crise com relativa tranquilidade, eventos inesperados podem surpreender a estratégia traçada pelo gestor e causar grandes perdas.

Riscos de investir em fundos multimercados

Assim como qualquer investimento, investir em fundos multimercados têm seus riscos, que variam de fundo para fundo. Um fundo pode ter uma exposição praticamente idêntica à de um fundo de renda fixa, enquanto outro pode ser até mais arriscado que um fundo de ações.

Confira alguns dos principais riscos envolvendo os fundos multimercados:

Risco de Liquidez

O risco de liquidez é um dos principais riscos aos quais o cotista está exposto. Isso porque, caso do investidor precisar converter determinado investimento em dinheiro em pouco tempo, existe a possibilidade de falta de liquidez para se desfazer deste investimento.

Quando isso acontece, muitos investidores acabam tendo que vender suas cotas por um valor inferior ao que seria considerado “justo”, o que pode resultar na perda de dinheiro, em muitos casos. Em outras situações a negociação acaba nem sequer acontecendo, e o investidor acaba não conseguindo se desfazer das suas cotas.

Risco de Mercado

Neste caso, o investidor corre riscos em função da valorização ou desvalorização dos ativos que compõem o fundo no qual ele é cotista. É um dos principais riscos não somente dos fundos de investimento, mas também de muitas outras modalidades de investimento.

Risco de Alavancagem

Também é preciso ficar atento ao uso da alavancagem, no qual é utilizado um valor maior do que o patrimônio do fundo para operações – o que pode resultar tanto em ganhos expressivos como em grandes prejuízos, já que a exposição ao risco é maior.

Risco de Crédito

O risco crédito se dá por conta da possibilidade do emissor do título no qual o fundo investiu não honrar com seu compromisso e pagá-lo com suas respectivas rentabilidades na data de vencimento. Esta situação pode ocorrer, por exemplo, em caso de falência da instituição bancária que emitiu o título ou em caso de dificuldades financeiras por parte das companhias emissoras de debêntures.

Por conta destes riscos é correto dizer que os riscos que os fundos de investimento correm estão diretamente associados aos tipos de ativos que compõem estes fundos. A decisão da composição, no entanto, fica a cargo do gestor – e, por isso, a necessidade de contar sempre com um profissional capacitado para gerir estes fundos.

É importante lembrar também que os fundos multimrcados não contam com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), entidade privada responsável por cobrir calotes em investimentos de renda fixa.

Vale a pena investir?

Os fundos multimercados de baixa volatilidade, em geral, podem servir melhor para objetivos de curto e médio prazo, como compras de bens de alto valor ou pagamento da faculdade de um filho, e para investidores mais conservadores. Investir em fundos multimercados mais ligados à renda fixa, por exemplo, pode ser uma boa opção para investidores mais cautelosos.

Já os fundos multimercados de alta volatilidade são mais indicados para objetivos de longo prazo, como a aposentadoria, e para investidores de perfil mais arrojado. É importante, no entanto, sempre conhecer mais detalhes sobre a estratégia empregada pelo fundo antes de realizar seus aportes. Bem como sua rentabilidade – a fim de verificar o nível de risco e volatilidade que aquele fundo possui.

Porém, o investidor precisa ter em mente que, nem sempre, investir em fundos multimercados pode ser uma opção assertiva para composição da carteira. Entenda, a seguir, o motivo de os fundos nem sempre serem indicados a todos os investidores.

Fundo multimercado x renda fixa

O investidor precisa se atentar se vale ou não a pena escolher investir em fundos multimercados em detrimento de outras opções disponíveis no mercado – que podem, inclusive, estar até mais alinhadas ao seu perfil de investidor.

Há opções como os fundos DI, fundos em renda fixa e até mesmo ativos de renda fixa, como o CDB , entre outros, que podem ser até mais interessantes para alguns investidores que o próprio fundo multimercado – oferecendo remuneração semelhante e maior liquidez, por exemplo.

No caso dos fundos com maior volatilidade – e, portanto, maior risco – o investidor precisa analisar a relação de risco x retorno do investimento. Afinal de contas, investimentos com maior risco devem entregar uma rentabilidade maior ao investidor; caso contrário, não há sentido de correr riscos maiores.

Por isso, procure sempre ponderar em que aspecto determinado fundo irá se encaixar na sua carteira de investimentos e se ele é, de fato, a melhor opção para seus aportes.

Diversificar é preciso

Independente da sua escolha, não esqueça que os fundos multimercados não devem ser responsáveis por toda a sua carteira, que deve ser pautada na diversificação. Diversificar seus investimentos ajuda a proteger sua carteira, seu patrimônio e seus rendimentos.

Para aprender mais sobre investimentos, mercado e finanças, você pode participar do treinamento online “O Investimento Perfeito”Clique aqui e saiba mais sobre o curso.

E você, já pensou em investir em fundos multimercados? Deixe seu comentário aqui no post e não se esqueça de assinar nossa Newsletter!

Autor

Equipe André Bona

Nosso site é um site de educação financeira independente com a missão de auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e os seus produtos. Assine nossa newsletter!

shadow

Posts relacionados

Comentários

  1. lucas simões    

    Olá bom dia,como ou aonde posso analisar ou encontrar informações sobre gestores de fundos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *