Quem é o seu médico financeiro?

Quando estamos com um problema no coração, recorremos a um clínico geral ou a um cardiologista?

O clínico geral é muito importante para fazer o primeiro atendimento ao paciente, mas, necessitando de um diagnóstico mais apurado, e de um acompanhamento mais próximo, o paciente é encaminhado a um especialista, nesse caso, a um cardiologista.

Mas o que isso tem a ver com minhas finanças e com meu dinheiro?

A analogia em questão apresenta estreita relação ao que acontece com gerentes de banco X especialistas em investimentos pessoais e consultoria financeira. E é sobre esse assunto que farei um breve comentário.

A princípio, gostaria de registrar a importância dos gerentes de banco ao prestar atendimento às diversas necessidades de seus clientes, entre as quais inclui informá-los acerca de alternativas de investimento. Não tenho aqui qualquer intenção em subestimar, atacar ou desqualificar a qualidade do trabalho desse profissional, muito pelo contrário, temos que reconhecer o tamanho do desafio que é o de administrar sua extensa lista de tarefas diárias. A questão é que as atividades e os objetivos do gerente de banco são diferentes dos realizados pelos especialistas em assessoria e consultoria financeira, e, por esse motivo, não há conflito entre a atividade dos dois, que podem até ser complementares, pois afinal, os produtos financeiros estão nos bancos.

Os gerentes de bancos são importantes para auxiliar os clientes com atividades bancárias, entre as quais podemos mencionar: transferências, empréstimos, auxílio com cartão de crédito, entre outras, ou seja, os referidos profissionais são generalistas. Por esse motivo, eles não costumam ter tempo e/ou não são treinados adequadamente para elaborar um planejamento financeiro de acordo com o perfil de cada um dos investidores. Além disso, só podem mostrar produtos oferecidos pelo banco em que trabalham, restringindo muito as possibilidades de investimento do cliente e a comparação entre produtos de instituições.

Já os especialistas e consultores financeiros são fundamentais para ajudar os clientes a investirem melhor o dinheiro. Se dedicam apenas a isso, e por esse motivo, são especialistas. Ao contrário dos gerentes de bancos, esses profissionais vão indicar as melhores alternativas em investimentos financeiros disponíveis em todo o mercado, não se restringindo apenas aos produtos de uma única instituição. Dessa forma, tratando-se de assessoria em investimentos financeiros para pessoas e famílias, é importante que os investidores dêem uma atenção especial a quem confiar essa tarefa.

Nos EUA, mais de 70% dos investimentos financeiros já são feitos através de empresas independentes e especializadas em assessoria financeira, e não mais nos grandes bancos. Essas empresas permitem que o investidor tenha acesso a todos os produtos do mercado, com apenas um cadastro (não é necessário abrir uma conta em cada banco ou gestora de recursos). Esse movimento já se iniciou no Brasil, e tudo leva a crer que em breve atingiremos números similares aos dos mercados mais desenvolvidos.

Como ressaltado anteriormente, os profissionais dessas empresas têm como diferencial a especialização em assessoria em investimentos financeiros. Esses profissionais indicam e mostram ao cliente produtos financeiros de acordo com a necessidade de cada um, além de não terem viés nesse processo, uma vez que não são vinculados a uma instituição. Assim, podem indicar uma carteira de investimentos com os melhores produtos financeiros disponíveis em todo o mercado.

Veja um exemplo ilustrativo de portfólio para um suposto investidor:

Referência dos dados: 09/03/2012

No exemplo acima verificamos que o cliente teve acesso a diversos produtos financeiros, os quais são geridos, ou emitidos, por diferentes instituições. Importante ressaltar que o produto, o qual podemos fazer analogia com o remédio receitado por um médico, é o último passo em um planejamento financeiro. O mais importante ocorre antes, que é conhecer o que o investidor PRECISA. Afinal, não é qualquer remédio que vai curar o problema cardíaco do paciente.

Nesse sentido, é fundamental saber:

  1. O prazo dos investimentos do cliente;
  2. Se ele aceita variações bruscas no valor do patrimônio;
  3. Se é necessário saldo para emergências;
  4. Se tem planos para comprar imóvel ou automóvel e;
  5. Se há necessidade de uma assessoria no planejamento sucessório. Essas são algumas perguntas indispensáveis a serem respondidas antes de elaborar o planejamento financeiro.

A grande dúvida: Como saber se o profissional que está me atendendo é qualificado?

Da mesma forma que, quando estamos em um consultório médico, olhamos para os certificados e diplomas fixados à parede para averiguarmos sua formação, também é de fundamental importância sabermos se o profissional que está orientando seus investimentos financeiros tem as certificações necessárias.

As certificações mais reconhecidas nesse mercado são:

  1. Agente autônomo de investimentos (emitido pela CVM – Comissão de Valores Mobiliários);
  2. CPA-20 (emitido pela ANBIMA – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais) e;
  3. CFP (emitido pelo IBCPF – Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros).

É importante estabelecer uma relação de confiança e de longo prazo entre médico e paciente, e entre consultor/assessor de investimentos e investidor. Assim fica mais fácil entender o histórico, o perfil e os objetivos do paciente/cliente, de tal forma que seja possível indicar o tratamento/produto sob medida.

Para o assessor/consultor de investimentos, ajudar o cliente a investir melhor e conhecer produtos melhores do que os que ele conhece é a grande causa de sua profissão. E a busca por melhores produtos e resultados nos investimentos de seus clientes é o grande incentivo.

E você? Já tem o seu médico financeiro assessor de investimentos?

Grande abraço,

Flavio Mattedi

Autor

Flavio Mattedi

É formado em Economia pela Universidade Federal do Espírito Santo, pós graduado em MBA Gestão financeira, Controladoria e Auditoria pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). Autorizado pela CVM para distribuição de títulos e valores mobiliários e sócio da Valor Investimentos LTDA, atua no mercado financeiro desde 2004 e presta serviço de assessoria financeira desde 2008.

Posts relacionados

Comentários

  1. Luiz    

    Excelente artigo, gostei muito da analogia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *