Conquistar a independência financeira é o sonho de praticamente 10 entre 10 brasileiros. Todos nós sabemos a importância de manter uma vida financeira saudável, da qual possamos desfrutar tranquilamente, sem contar dinheiro para tudo.

Porém, muitas pessoas me perguntam sobre como atingir essa independência de maneira eficaz. Algumas delas não fazem ideia sobre como chegar a esse patamar de alta segurança financeira.

Esse também é o seu caso? Então confira o texto de hoje e receba dicas valiosas sobre como ser financeiramente independente!

1. Faça um bom planejamento financeiro

O planejamento financeiro é um passo básico para você que deseja atingir a independência financeira. Afinal, com um planejamento bem-feito, fica muito mais fácil visualizar seus gastos e, assim, otimizá-los.

Para montar um bom orçamento deve-se fazer um levantamento de todas as receitas e os gastos de sua casa. Isso inclui desde as contas mais importantes e onerosas até aqueles gastos do dia a dia que podem parecer supérfluos e de pouca relevância.

Lembre-se: se você gastar R$ 3,50 todos os dias em um cafezinho perto do trabalho, ao final do mês ele terá consumido mais de R$ 70 de seu orçamento. Como ele fará diferença real na sua tabela de despesas, é necessário anotá-lo. Nesse levantamento é preciso incluir, ainda, os custos com as faturas de cartão.

O próximo passo é analisar todas aquelas informações: onde há um gasto desnecessário? Quais serviços podem ser trocados por outros mais baratos? O objetivo aqui é adaptar seus passivos à sua realidade financeira.

Uma dica muito importante é você, depois de entender exatamente todos os seus gastos, colocá-los na ordem do maior gasto para o menor gasto. Às vezes, diminuir ou controlar 10% de um gasto elevado surte maior efeito do que economizar 100% de um gasto pequeno. Isso te permite também conservar, dependendo do caso, coisas baratas que proporcionam qualidade de vida.

À partir daí, é importante designar uma porcentagem do que você recebe mensalmente para fazer investimentos, de modo que consiga fazer aquele montante crescer e render continuamente.

2. Imponha limites para os seus gastos

Um aspecto importante para alcançar a independência financeira é impor um limites de gastos. Pode parecer óbvio, mas isso não é algo fácil de cumprir para todas as pessoas.

Alguns falam comigo, na esperança de que eu tenha alguma solução mágica que não envolva o controle de despesas desnecessárias para colocar sua vida financeira em ordem. Infelizmente, não é o caso.

Um bom planejamento financeiro requer um orçamento racional — e, mais importante que isso, que a pessoa se atenha às próprias possibilidades. Não adianta fazer concessões aqui e ali, achando que magicamente seu orçamento entrará na linha. Muito pelo contrário: agindo dessa forma, as chances são de que sua situação financeira se agrave cada vez mais!

Para ter mais autonomia no futuro, deve-se ter controle dos gastos e seguir essas regras. Tenha sempre em mente que essa atitude é momentânea. Com o passar do tempo, a partir do momento em que as finanças entrarem nos eixos, você poderá abrir o orçamento para outras despesas que lhe tragam prazer.

3. A importância dos investimentos

Os investimentos são fundamentais para o crescimento financeiro e fazem com que uma parcela de seus recursos se mantenham diariamente trabalhando para gerar patrimônio para você. Saber onde e quando investir, portanto, é fundamental.

Primeiramente, é necessário descobrir o seu perfil de investidor. Você gosta de se arriscar? Prefere manter uma rentabilidade pequena, porém mais segura? Pode travar uma parte do valor num investimento sem possibilidade de resgate antes de alguns anos? Quer que tudo fique disponível para resgatar imediatamente?

Além disso, é necessário levar em consideração os três pilares do investimento, antes de tomar uma decisão — liquidez, rentabilidade e segurança. Dependendo das respostas, e do que você preza mais, um ou outro investimento será o mais indicado.

Existem vários tipos de investimentos e, com certeza, um deles será compatível com os seus objetivos. Renda fixa, títulos públicos, bolsa de valores… Todas essas opções (e muitas outras) estão disponíveis e devem ser bem estudadas a fim de descobrir qual é a que mais combina com você.

Também é preciso ter em mente que dependendo da situação, uma carteira mais diversificada pode permitir boas oportunidades de retorno. Por outro lado, diversificar demais com montante pequeno não é muito recomendável.

Em investimentos de risco a diversificação é ainda mais importante. Imagine que você investiu uma dada quantia em uma empresa na bolsa de valores e que essa ação se desvalorizou muito no último mês. Seria desesperador se todas as suas economias estivessem nessa única aplicação, não é verdade?

4. Tenha uma reserva de emergência

A reserva de emergência é uma peça-chave para atingir a independência financeira. Com ela, diante de um cenário de urgência você não precisará se descabelar ou pedir empréstimos em instituições financeiras e nem muito menos lançar mão dos investimentos que você fez que possuem objetivo de longo prazo.

A reserva de emergência é a primeira parte da sua carteira de investimentos que deve ser formada. É necessário entender sua situação financeira para calcular quanto seria confortável ter em reserva de emergência. Um parâmetro muito interessante, é que a reserva de emergência supra entre 6 e 12 meses de suas despesas mensais.

As pessoas que investem na poupança, por exemplo, têm total autonomia para retirar o dinheiro quando necessário. Porém isso também pode ser obtido com um retorno um pouco melhor com fundos DI, fundos de renda fixa, tesouro selic e CDBs com liquidez diária, por exemplo.

5. Atinja a liberdade do emprego

Um dos principais benefícios que todos vislumbram com a independência financeira é alcançar aquela situação onde o emprego não é mais fundamental para sua própria sobrevivência. Particularmente, eu entendo que todos gostamos de trabalhar e nos dedicar a alguma coisa e sinceramente, parar de trabalhar não é necessariamente o símbolo da independência financeira. Mas ter a possibilidade de escolher aqueles projetos em que quer trabalhar, ter flexibilidade e liberdade para definir os horários, dias e de onde vai trabalhar realmente podem ser obtidos se você consegue se desprender das amarras do emprego tradicional. E alcançar isso pode ser possível por meio dos investimentos.

Basicamente, isso significa que aquela entrada de dinheiro não é mais tão necessária, ou pelo menos não a urgência dela.

Quando se alcança esse objetivo, certamente a qualidade de vida aumenta significativamente, é possível se dedicar mais às coisas que gostamos de fazer, à família, ao esporte, às viagens e uma série de outras coisas, além de poder trabalhar também,se for o desejo, em algo que tenha um bom propósito e traga realização pessoal.

Gostou desse texto? Então siga o Blog de Valor no Facebook para receber mais dicas sobre como melhorar a sua vida financeira!

Autor

André Bona

André Bona possui mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, tendo auxiliado milhares de investidores a investir melhor seus recursos e é o criador do Blog de Valor - site de educação financeira independente.

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *