As fintechs têm avançado ano após ano no Brasil. No início de 2017 havia mais de 240 destas empresas no mercado brasileiro. Muita gente, no entanto, ainda não conhece estas startups inovadoras, que chegam ao mercado para solucionar problemas e oferecer serviços de alta tecnologia comuns ao setor bancário de maneira eficientes e menos burocrática.

E foi pensando nisso que o Blog de Valor decidiu produzir uma série inédita sobre fintechs. Hoje você vai conhecer o perfil de mais uma destas startups, que têm facilitado a vida do consumidor e resolvido suas dores no segmento dos serviços que, até pouco tempo atrás, eram oferecidos exclusivamente por grandes instituições bancárias.

Saiba um pouco mais sobre a fintech Trigg, que oferece um serviço de cartão de crédito em plataforma 100% digital e transforma parte dos gastos dos usuários em bônus – que pode ser usado para abatimento na fatura do cartão, através do modelo cashback.

Raio-X: Trigg

A Trigg surgiu em maio de 2017, da ideia dos sócios Marcela Miranda, Guilherme Müller e Alexandre Pereira de criar uma startup que oferecesse o serviço de cartão de crédito em uma plataforma digital, mas que também entregasse ao usuário benefícios que diferenciassem a empresa do que já existia no mercado.

Após uma longa fase de pesquisas por diferentes instituições financeiras ao redor do mundo, os sócios optaram por um sistema ainda pouco difundido no Brasil: o cashback.

Por meio deste sistema, uma pequena porcentagem de cada compra realizada com o cartão volta para o cliente, que pode utilizá-la para abater parte do valor da sua fatura ou direcionar o crédito para o programa de empreendedorismo social “Triggers Powered by Visionários”.

O programa Triggers, inclusive, é um dos principais diferenciais da fintech em relação às concorrentes. Através dete programa, a Trigg oferece treinamento e aceleração para startups que têm como objetivo atuar na área de empreendedorismo, além de um prêmio de R$ 50 mil à empresa vencedora acrescido de todo o crédito doado pelos usuários do cartão Trigg.

De acordo com a assessoria de imprensa da empresa, o cartão da Trigg é o único no país que possui uma contrapartida direcionada ao empreendedorismo social.

A solução do problema

Os serviços oferecidos pela startup estão em linha com a tendência do mercado em oferecer serviços por meio de plataformas digitais, que podem ser acessados em qualquer lugar, a qualquer hora. A Trigg também busca, no entanto, oferecer uma série de outros benefícios, que vão além do que outras empresas do setor têm disponibilizado aos seus clientes.

Além de oferecer o controle 100% digital e em tempo real das operações realizadas com o cartão de crédito, o aplicativo da Trigg permite ao usuário gerenciar suas compras, que são separadas em categorias. A ferramenta é simples e intuitiva, e possibilita ao cliente ter uma visão completa de seus gastos no cartão de crédito no mês em cada uma das seguintes categorias: mercado, saúde, roupas, serviços, transporte, casa, educação, lazer, restaurante, viagem e outros.

O relacionamento com o cliente também é concentrado na plataforma, onde é possível esclarecer dúvidas via chat, solicitar aumento de limite, habilitar saques planejados, liberar ou bloquear compras internacionais, entre outros recursos.

O principal diferencial da Trigg, no entanto, é justamente o sistema de cashback, que transforma até 1,3% do valor gasto na fatura do cliente em bônus. Quanto mais o cliente utiliza o cartão, maior é o valor acumulado de cashback – que é liberado para uso após a confirmação do pagamento da fatura.

Outros destaques da fintech ficam por conta do cartão virtual Trigg e da recém lançada Trigg band. Os usuários que têm sua solicitação do cartão aprovada recebem, temporariamente, um limite de segurança, que permite ao cliente realizar compras online ou pagar por serviços como o Uber e Spotify enquanto aguarda a chegada do cartão físico.

Já com a pulseira Trigg band, o usuário pode realizar pagamentos presenciais sem a necessidade de portar o cartão físico Trigg. Para isso, basta que o cliente esteja portando a pulseira – que faz as vezes do cartão, e permite pagamento por aproximação nas máquinas de cartão habilitadas.

O novo acessório da startup, que foi lançado em parceria com a Visa, é feito de silicone elástico à prova d’água – ideal para ser utilizado durante a prática esportiva, na praia ou em situações nas quais carregar um cartão de crédito possa se tornar um inconveniente.

O cenário atual

Em atividade há cerca de oito meses, a Trigg conta com 150 pessoas na equipe, nos setores de tecnologia, atendimento, financeiro, análise de documentos, marketing e produto. A maior dificuldade enfrentada pela Trigg até aqui, de acordo com a assessoria de imprensa da empresa, é a falta de regras direcionadas, exclusivamente, às fintechs.

“As fintechs precisam ter uma regulamentação própria, levando em consideração perfil de uso, forma de contratação, usabilidade, meios de comunicação. As regras existentes ainda seguem regulamentações de instituições financeiras tradicionais, o que acaba dificultando o lançamento de produtos e inovações”, explica a assessora da Trigg, Sefirah Araújo, da Brain Comunicação.

Projeções para o futuro

Apesar das dificuldades, a expectativa é de crescimento e expansão para o futuro. A projeção da Trigg, segundo a assessoria de imprensa, é fechar o ano de 2017 com 50 mil cartões ativos.

A startup também tem planos de aumentar seu portfólio e lançar, em breve, produtos como seguros, conta-corrente e aplicação.

Serviço:

Trigg

Site: www.trigg.com.br

Autor

Luana Neves

Jornalista e redatora. Atuou como editora de Economia no Jornal DG e Revista Quem é Quem - Economia, assinou por três anos coluna diária de Economia e já produziu conteúdo para diversos portais de notícias do Brasil.

shadow

Posts relacionados

Comentários

  1. Cris    

    Anuidade de R$ 118,80 em plena era de Nubank, Inter, Digio e outros? brincadeira.. Trigg=No, thanks! =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *