Olá!

Volta e meia o nosso Brasil passa por algum momento delicado na economia, o que faz com que o tema controle de finanças seja ainda mais urgente na vida dos brasileiros.

Mas não é só por conta da economia instável que se deve controlar as finanças. Há uma série de razões para manter as contas em dia e ter uma relação saudável com os proventos, com o dinheiro.

Você já parou para pensar sobre isso? Neste artigo vamos conversar um pouco sobre a importância de ter um bom controle de finanças. Acompanhe!

Controle de finanças exige disciplina e determinação

Imagine um trem desgovernado. Tanto o maquinista quanto os passageiros não sabem onde a locomotiva vai parar. Talvez somente o maquinista esteja percebendo o perigo, ou quem sabe nem ele ainda tenha se dado conta de que não tem o controle da situação.

Assim é quando uma pessoa não tem as rédeas das próprias finanças. Ela passa por diversos problemas:

  • Não sabe exatamente o quanto pode gastar;
  • Não conhece a diferença entre gastos e investimentos;
  • Faz com que um endividamento leve a outro.

Em algum momento, o trem das finanças vai descarrilhar e as consequências podem ser muito graves.

Assim como a condução de um trem, o controle de finanças exige disciplina e determinação. É preciso estar sempre atento ao caminho que está sendo percorrido, controlar os gastos e estabelecer metas.

Assim, de estação em estação, é possível ir muito longe sem grandes percalços durante a viagem.

Benefícios de ter um controle de finanças efetivo

Na prática, quando se tem as finanças sob controle, dá para obter alguns benefícios muito visíveis:

  • Mais facilidade para atingir objetivos financeiros (comprar casa, carro; viajar etc.);
  • Evitar endividamento para cobrir déficits;
  • Autoconhecimento e autodisciplina sobre hábitos de consumo;
  • Fazer com que o dinheiro trabalhe em seu favor e não viver em função dele;
  • Conhecer sua real situação financeira (quanto gasta, quanto recebe, quanto é possível economizar mensalmente etc.);
  • Conquistar independência financeira para empreender;
  • Planejar com antecedência a tomada de empréstimos para evitar impactos muito fortes no orçamento (altas taxas de juros, condições desfavoráveis de pagamento etc.);
  • Conhecer os investimentos mais aderentes ao seu padrão de investidor;
  • Ter total controle de gastos variáveis (contas que podem variar de valor);
  • Ter um planejamento de médio  e longo prazo, ao invés de viver contando o dinheiro para chegar ao fim do mês.
  • Aumentar a lucratividade dos proventos e os rendimentos dos investimentos;
  • Ter mais qualidade de vida; viver sem grandes preocupações com dívidas.

Dicas para obter o controle de finanças a partir de agora

Agora, importa saber que nunca é tarde para começar a tomar o controle das finanças. Aliás, fazer isso será sempre um exercício diário — no começo pode ser custoso, mas com o passar do tempo torna-se um hábito até prazeroso.

Para ajudar você nessa empreitada, listamos algumas dicas muito úteis. Veja:

Acompanhe receitas e despesas minuciosamente

A primeira dica é a garimpagem do óbvio: você precisa saber exatamente quanto está entrando e quanto está saindo mensalmente. Especialmente se você tem proventos de diversas fontes, é preciso controlar tudo que ganha e saber exatamente o que gasta mês a mês.

Use planilhas de Excel, faça anotações; não importa! O urgente é que você não perca o controle dos seus proventos e despesas. Quanto mais consciente você for, melhor lidará com seu dinheiro.

Estabeleça prioridades nos gastos

Para controlar os gastos do mês, tê-los na ponta da língua e poder agir para diminuí-los, é preciso estabelecer prioridades. Ou seja, você tem que ver quais são os gastos que realmente são importantes e quais são supérfluos: Aqueles que podem ser totalmente evitados.

Acompanhando suas receitas e despesas mensalmente e tendo prioridades bem claras, você vai evitar comprometer seu dinheiro com compras desnecessárias ou que não poderá pagar. O dinheiro que sobra pode ser investido em aplicações diversas, desde a básica poupança a previdência privada e outras opções mais rentáveis do mercado financeiro.

Trabalhe para diminuir as dívidas

Ao estabelecer prioridades nos gastos, você já vai começar a se conscientizar de quais deles podem ser totalmente dizimados. Aqueles que ainda sobrarem devem ser diminuídos gradualmente.

Assim, por exemplo, você pode evitar longos parcelamentos no cartão de crédito — fugindo dos juros altos — e optar por poupar durante um tempo e comprar algo à vista em vez de buscar um financiamento.

Procure sempre trabalhar para ter o mínimo possível de dívidas. Se você perdê-las de vista no horizonte, significa que não tem o controle total das suas finanças.

Defina metas de poupança

Outra forma interessante de obter o controle de finanças é estabelecer metas de poupança. Quanto mais pouparmos, melhor, já sabemos disso. Acontece que poupar exige muita disciplina.

Para conseguir poupar, estabeleça metas. Ou seja, aumente a poupança gradativamente a partir de objetivos preestabelecidos. Você pode, por exemplo, determinar que nos três próximos meses poupará 10% do seu rendimento e que no quarto mês esse percentual subirá para 20% — e assim progressivamente.

Seja mais criterioso ao comprar

Também é muito importante se tornar um consumidor mais exigente, mais criterioso na hora de comprar. Além de comparar preços para pagar sempre menos, é importante começar a avaliar o real valor do que se compra.

Ao fazer isso, você vai perceber que muitas mercadorias e serviços estão superfaturados e podem ser melhor negociados, ou, em alguns casos, evitados.

Aguce seu poder de negociação, avalie melhor o que você compra para evitar gastos desnecessários ou pagamentos de valores injustos.

Torne-se um investidor ativo e consciente

Por fim, para ter total controle das suas finanças é importante investir ativamente seu dinheiro. Quem investe consegue fazer o dinheiro se multiplicar ao invés de ir sendo subtraído pela desvalorização..

Se você levar as dicas anteriores, vai ter mais dinheiro sobrando poderá investir. Vá além da poupança, que é hoje um dos investimentos menos atrativos do mercado. Busque investimentos mais rentáveis — existem opções tão seguras quanto a poupança com rentabilidade bem superior, acredite! —, que proporcionem rendimentos mais robustos e façam seu dinheiro se multiplicar.

Perceba que o controle de finanças não é uma opção, mas uma necessidade para garantir sustentabilidade a longo prazo e para não sucumbir aos efeitos de uma economia negativa. Você gostou dessas dicas? Deixe um comentário!

Grande abraço,

André Bona

Autor

André Bona

André Bona possui mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, tendo auxiliado milhares de investidores a investir melhor seus recursos e é o criador do Blog de Valor - site de educação financeira independente.

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *