Eu tenho uma certa fixação por determinados assuntos e hoje escreverei sobre um deles: o TEMPO. Como conceituar essa palavrinha de 5 letras que possui tantos significados diferentes e nenhum que seja específico ou conclusivo suficiente?

Curso de liderança

Tudo começou durante um curso de liderança que fiz há alguns anos pela empresa onde trabalho. Lá pelas tantas do treinamento, o consultor lançou uma dinâmica aos participantes, pedindo para que eles se reunissem em grupos para conceituarem a palavra TEMPO.

Cada grupo deveria apresentar o seu conceito aos demais e venceria aquele que obtivesse o consenso da maioria da sala. Então cada grupo montou a sua apresentação, mas não houve vencedor, pois nenhum grupo conseguiu ser conclusivo o suficiente a ponto de convencer os demais.

O consultor, que com certeza já sabia que isso aconteceria, pediu para participar da dinâmica e colocou a sua definição para todos avaliarem, ele foi simples e direto, e soltou a seguinte frase: TEMPO É VIDA!!

É claro que ele foi o vencedor!!!

Tapa na cara

Em um outro momento do curso ele lançou a seguinte provocação: “…todos vocês sempre encontrarão tempo para fazerem aquilo que quiserem, desde que a coloquem como prioridade, quando você disser a alguém que não teve tempo para lhe fazer uma visita rápida, ou não conseguiu retornar uma ligação, lembre-se que você está implicitamente dizendo para a outra pessoa que ela não foi sua prioridade naquele momento…”

Pois é… levei mais tapa na cara….

Eu nunca havia feito um curso tão provocador, e esta parte que falava sobre o tempo mexeu bastante comigo, foi uma das lições mais importantes que tive no treinamento.

Este assunto ainda ficou um bom tempo martelando na cabeça, durante um dos meus devaneios, lembrei de quando era garoto e de um conselho dado pela minha mãe, ela dizia para eu aproveitar cada momento da minha vida, porque depois que eu virasse adulto não teria tempo para fazer mais nada.

A falta de tempo

Hoje tenho 38 anos e vejo que minha mãe tinha toda a razão, uma das coisas que menos tenho hoje é tempo. Mas o que aconteceu neste intervalo entre a minha infância (quando eu tinha tempo de sobra), e a fase adulta (quando este recurso se tornou extremamente escasso?)  Para onde foi todo aquele tempo disponível que eu tinha?

Lembrei novamente da definição do consultor, e se tempo é vida, e vida é um recurso finito, o que eu tenho feito com o tempo que ainda me resta?

Anos depois, conheci outro ‘provocador’ chamado Luciano Pires. E em um de seus materiais, me deparei com uma frase de Ruben Alves:

É irônico: a vida só acontece através do tempo. Mas toda a vida é uma luta para impedir que o tempo passe…

Neste mesmo material ele pediu para fazermos uma brincadeira simples, para pegar uma frase do nosso dia a dia e substituir a palavra TEMPO por VIDA (olha que coincidência), não sei se um já conhecia o outro ou se fora um mero acaso do destino, mas fiz esse exercício, citarei dois exemplos:

“- Poderia me dar um minuto do seu tempo? //  “- Poderia me dar um minuto da sua vida?”

“- Vamos brincar de passatempo?”  //  “- Vamos brincar de passavida?”

Viu como a coisa muda de forma?

Albert Einstein dizia que insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes, por isso tenho procurado viver a vida de uma forma mais leve, sem cobranças e pressões que o dia a dia nos impõe.

Novas experiências

Estamos em 2021 e decidi experimentar novas experiências, começando com a prática da Yoga, que confesso a vocês, está sendo uma descoberta incrível. Como é gostoso ter a oportunidade de experimentar novas experiências simplesmente por nos permitir a fazer algo diferente, por que nunca fiz isso antes?

Resolvi que a partir deste ano investirei na qualidade do meu tempo, e colocarei minha atenção em coisas preciosas da vida, como estudar, curtir a família, brincar com o meu filho e buscar a ser uma pessoa melhor.

Parece tão óbvio isso, não é mesmo? Pois é, as vezes esquecemos que o tempo voa, mas a boa notícia é que nós somos o piloto, e basta um pequeno ajuste nas nossas prioridades para que possamos dedicar mais tempo (ou vida) àquilo que realmente importa.

Termino meu texto com um verso do poeta e filósofo espanhol Ramón de Campoamor: “O tempo a todos consola, e só a mim amargura, pois, se estou triste, ele para. Se estou contente, ele voa”.

Leandro Florindo

Contador formado pela UFABC e Pós Graduação em Controladoria pelo Mackenzie (SP), iniciou a carreira em 2001 no SEBRAE e desde 2004 atua no segmento automobilístico (montadora e autopeças) como gestor da Controladoria Corporativa.

Autor

Autor Convidado

Este artigo foi produzido por um autor parceiro e/ou convidado com a finalidade de compartilhar suas opiniões sobre temas diversos e contribuir com o site.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *