Clique e solicite a sua assessoria de investimentos »

Olá!

A internet tá cheia de conteúdo. Muitos conteúdos ao invés de ajudar, prejudicam e causam confusão nas pessoas e acabam virando mitos. Quero falar sobre um desses falsos mitos que é a questão das taxas de administração em fundos de investimentos.

Taxas de administração em fundos e as falácias da internet

Antes de mais nada, gostaria de lembrar que existe aqui no blog uma videoaula detalhada sobre o funcionamento dos fundos de investimentos e eu recomendo a todos que realmente tenham interesse em compreender melhor detalhes importantes desse veículo de investimento.

Mas hoje eu gostaria de ir direto ao ponto “taxas de administração em fundos”.

Muita gente torce o nariz pra fundos de investimentos com o seguinte argumento: não quero pagar taxa de administração!

Aliás, muita gente também torce o nariz pra aplicações que cobram Imposto de Renda dizendo: não quero pagar IR! Mas eu já expliquei aqui no Blog de Valor que basta saber um pouco de matemática que esse conceito cai por terra, pois o correto é fazer comparações com as rentabilidade líquidas.

Assim, você saberá que muitos investimentos, mesmo com IR, rendem mais do que outros, que não possuem IR. Um exemplo claro é a poupança, que não tem IR e rende menos que qualquer outro investimento!

Voltando aos fundos, a lógica é parecida! O que deve interessar para um investidor ao olhar um fundo e compará-lo com uma outra aplicação (de características similares, é claro), é o desempenho já descontando a taxa de administração!

Como é calculada a rentabilidade de um fundo

O cálculo do valor patrimonial de qualquer fundo de investimento é feito assim:

> Valor dos ativos em carteira – custos do fundo = valor patrimonial do fundo

Logo, o cálculo da rentabilidade diária de qualquer fundo é obtido comparando o valor patrimonial entre datas.

> Rentabilidade = valor patrimonial em D0 – valor patrimonial em D-1

Como você pode observar, a taxa de administração está considerada ali nos custos do fundo!

Se você olhar apenas a rentabilidade divulgada pelo fundo, já será suficiente para sua percepção de rentabilidade, justamente porque a taxa de administração e o seu impacto já terá sido abatida!

Portanto, não basta apenas olhar quanto é a taxa de administração de um fundo, mas sim olhar o impacto que ela causa da rentabilidade.

Se você tiver a disposição dois fundos DI por exemplo, onde um cobra 0,3% a.a. de taxa de administração e um outro que cobre 5% de taxa de administração, obviamente ao olhar as rentabilidades, você verá que o primeiro tem uma rentabilidade maior. Mas para concluir isso você nem precisaria saber do custo da taxa de administração. Bastaria olhar direto na rentabilidade, pois o impacto já estaria expresso ali.

Armadilhas mentais

As vezes as pessoas dizem: vou investir no tesouro, porque no tesouro não tem taxa de administração! Sim, mas o tesouro tem uma taxa cobrada pela CBLC de 0,3% ao ano, além da taxa cobrada pela instituição financeira. Não é incomum encontrar fundos DI e renda fixa com rentabilidade superior aos títulos tesouro Selic.

Por isso sugiro que você pare de pensar nas taxas como se elas fossem uma coisa que só existe em fundos e que qualquer fundo de qualquer tipo sempre será pior por cobrar taxa de administração. Isso não é verdadeiro.

Claro, que há níveis de taxas de administração que são justos. E quanto mais complexo é um fundo, mais cara é a sua taxa de administração, o que faz sentido.

Níveis razoáveis de taxas de administração em fundos

> Fundos DI: no máximo 0,5% ao ano é uma boa taxa.

> Fundos de renda fixa: até 0,8% pode ser adequado.

> Fundos multimercados: até 2% ao ano.

Como a categoria multimercado é uma categoria muito ampla, alguns fundos mais agressivos podem cobrar mais, porém esse é um parâmetro que eu consideraria interessante numa primeira análise.

> Fundos de ações: no máximo até 3% me parece ok.

Dentro dessas faixas, acho que a rentabilidade não é comprometida se o trabalho de gestão for bem feito. Acima disso, aí sim, eu ligaria o sinal amarelo!

Concluindo

Não tome como parâmetro decisório o fato de um investimento apenas ter ou não ter taxa de administração. Entenda um pouco melhor para não criar armadilhas mentais e paradigmas que apenas vão atrasar o seu aprendizado e o sucesso de seus investimentos.

Um abraço,

André Bona

Autor

André Bona

André Bona possui mais de 10 anos de experiência no mercado financeiro, tendo auxiliado milhares de investidores a investir melhor seus recursos e é o criador do Blog de Valor - site de educação financeira independente.

Posts relacionados

Comentários

  1. Dema    

    Concordo com tudo. Realço que os bancos alem das taxas tambem em alguns produtos cobram ‘performance’.
    Em ‘Fundos DI’, os bancos cobram taxa administrativa entre 0,5% a.a. até 1,5% a.a., vai depender do valor minimo que o Fundo DI exige para o ingresso. Maior valor de ingresso taxa de administração menor.
    Já no Tesouro Selic para aplicações de R$30,00 podemos ter só taxa de custodia de 0,3% aa, pois existem corretoras com taxa de corretagem de 0%. Feliz 2016.

    1. André Bona    

      Tesouro selic entrega 98% do cdi no máximo. É muito fácil achar fundos di com 0,30% de adm que entregam, ja apos os custos, acima de 100% do cdi ou muito perto disso. Acho o tesouro selic muito ruim. Nao existe performance em fundo DI. E as rentabilidades do fundo ja sao dovulgadas abatidos todos os custos.
      Abs,

    2. Rodinei Valerio Souza    

      Boa noite André, venho te aconpanhando a muito tempo, li todos os comentários, são incriveis
      Tô indo de cabeça, tô contigo.
      Um grande abraço Amigo André.

      1. André Bona    

        Pode vir que vai dar certo! rs…
        Abs,

  2. CARLOS    

    André,
    Primeiramente, quero parabenizá-lo pela sua iniciativa em educação financeira, cada vez mais aprendo com seus vídeos, como também de outros, me fez abrir os olhos para um mundo que tem se descortinado para mim e hoje vejo minha realidade financeira com outros olhos. Na verdade, os vídeos têm sido um colírio, pois comecei a enxergar algumas coisas, parabéns!
    Bem, achei esse vídeo bem lógico, até mesmo óbvio e também já fazia esse mesmo juízo de valor sobre investimentos (não pode ser diferente, rsrs), isto é, o comparativo deve focar-se na rentabilidade líquida, desde que dentro dos parâmetros pessoais de definição de tempo.
    No entanto, às vezes o comparativo é bem complexo, por exemplo, como vc explicaria comparar a rentabilidade líquida (sua expectativa) de um investimento com taxa sobre o capital investido (digamos 0,3%, como no tesouro direto) e outro com uma taxa sobre o rendimento (digamos de 2%, como você sugeriu em fundos multimercados).
    Nesse sentido, entendo que em um pode inclusive haver perda mesmo em rentabilidade baixa (se excepcionalmente a rentabilidade não bater o montante dos 0,3% do capital inicial). Já o outro, incide taxa somente em caso de lucro, sendo de 2%, embora seu risco esteja atrelado à própria essência do fundo multimercado (meio com volatilidades bem mais proeminentes e frequentes).
    Não sei se deduzi certo (dá um desconto que estou ainda na infância desse aprendizado).
    Abraços.

    1. André Bona    

      Nesse caso, acho que não são comparáveis pois são produtos com naturezas diferentes. Deve-se comparar produtos similares para avaliar essa questão, pois nos multimercados há uma aleatoriedade de resultadoa bem mais significativa do que qq ativo de renda fixa.
      Abs,

  3. Iury    

    Além da taxa de administração, quais são os custos de um fundo de investimentos?

    Digo, sei que na taxa de administração, que deveria se chamar taxa de gestão, já está a parcela cobrada pela Administradora (não faço ideia de quanto ela cobra, alguma ideia?), e que existem custos com auditoria, taxas da CVM e da Anbima, depesas com custódia (CLBC, Selic, etc). O que gostaria de saber é quanto custam esses custos, em termos percentuais ou fixos.

    1. André Bona    

      Esses custos serão decorrentes da negociação entre os prestadores de serviços e o fundo. Alguns são fixos e outros variáveis, portanto, os percentuais dos custos não são fixos. Assim como o volume de recursos que um fundo possui também pode diluir, mais ou menos, os custos. Não sei dizer cada caso. Mas no site da CVM você pode consultar todas as demonstrações financeiras de cada fundo, então isso pode te dar a informação que você quer de maneira mais detalhada. Abs,

  4. Paulo Edson    

    Olá andré! vc falou nas taxas e agora bateu uma dúvida! Em relação ao Tesouro Direto, é melhor ficar no BB ou na corretora (com taxa zero de custódia)?!

    veja bem, ficando na corretora, terei de arcar com o TED de R$ 8,60 (tal valor vigorará a partir de 19.11.2016), pois no BB foi descontinuado, neste ano, o serviço online da “conta eletrônica/especial”.

    Por outro lado, ficando no BB, não haverá TED, mas terei de arcar com a taxa de administração de 0,50% (cobrança ao ano).

    Portanto, qual a MELHOR opção, isto é, o mais BARATO?! Arcar com o TED de R$ 8,60 ou com a taxa de administração de 0,50%?! valeu!

    1. Denise    

      Olá Paulo.

      Para fazer este cálculo é necessário sabermos o valor da aplicação e a quantidade de TEDs que passará ao ano.

      Abraços,

  5. Wilians    

    Desculpe minha ignorância, mas a taxa de administração é cobrada só do capital investido ou do capital investido mais os rendimentos?

  6. mauricio    

    Achei estranha a informação de que a rentabilidade divulgada de um fundo já contempla o abatimento da taxa de administração desse fundo e fui pesquisar, achei dois sites dizendo exatamente o contrário, um sendo da Infomoney e outro de uma especialista no setor:

    http://www.infomoney.com.br/mercados/renda-fixa/noticia/2223770/aprenda-calcular-rentabilidade-dos-fundos-saiba-vale-pena-investir

    http://www.arenadopavini.com.br/fundos-na-arena/sinara-explica-taxa-de-administracao-de-fundos

    Essas fontes apontam que a rentabilidade divulgada não contempla o abatimento da taxa de administração, que é calculada sobre o patrimônio total investido, e apontam que somente após esse abatimento é possível saber a rentabilidade bruta do fundo, onde ainda será preciso abater o IR e a inflação para chegar na rentabilidade real, pode me ajudar a entender o motivo dessa divergencia no seu post?

    1. André Bona    

      Olá!
      Sim, a rentabilidade divulgada já contempla o abatimento da taxa de administração. Esse link do Infomoney está extremamente mal redigido (o que é bem normal para esse site) e o link da Arena do Pavini que você mandou confirma também essa informação. Veja um trecho do que está escrito no próprio link que você mandou:

      Provisionamento todo dia

      A taxa de administração é expressa em percentual ao ano (% a.a.), e provisionada por dia útil. Um investimento de R$ 1.000,00 em um fundo que cobre 2% ao ano, terá descontado R$ 20,00 ao longo do ano. Se o investimento permanecer por 6 meses, a despesa seria de R$ 10,00. É obrigatória a divulgação da taxa de administração no regulamento e prospecto do fundo, bem como em materiais destinados à venda. Os aumentos em taxa de administração devem ser aprovados em assembleia de cotistas. As eventuais reduções podem ser feitas unilateralmente pelo administrador, mediante comunicação aos cotistas e à CVM.

      Taxa máxima

      Há casos onde a taxa de administração é mencionada com um teto máximo (por exemplo, até 2% ao ano). Essa prática é mais comum em fundos que investem em outros fundos, onde a taxa final será uma ponderação dos recursos alocados em cada um dos fundos, não podendo nunca ultrapassar o máximo divulgado.

      Impacto na rentabilidade

      Vale ressaltar que a rentabilidade de fundos de investimento é expressa líquida de taxas e despesas. Ou seja, um fundo que cobra uma taxa de administração muito elevada ou administra mal a contratação de serviços renderá menos, e terá dificuldade em conquistar clientes e permanecer aberto. Ou seja, não é interesse do administrador cobrar muito caro e manter seu fundo sem atratividade aos investidores. Para determinar a taxa de administração busca-se um equilíbrio entre condições de mercado, complexidade na gestão e distribuição, e atratividade.

      Não é necessário abater a taxa da rentabilidade divulgada como fez a matéria do Infomoney. Está errado.

      A rentabilidade de um fundo é apurada pela variação do valor da cota. A variação do valor da cota se dá da seguinte forma: Valor dos ativos em carteira – despesas do fundo (onde as taxas de administração e performance – se for o caso) são provisionadas diariamente.

      IR não é custo do fundo, é do investidor, pois depende de quando e como ele resgata. Isso é individual. E para efeitos comparativos o IR também incide sobre todos os investimentos (maioria). E inflação também não é custo do fundo. Aí sim você pode querer utilizá-la individualmente para saber qual foi a rentabilidade real (que é a rentabilidade acima da inflação). Lembrando que inflação também tem o mesmo exato impacto em todos os demais investimentos. Mas a rentabilidade nominal do fundo já está expressa no valor da valorização de suas cotas.

      Obviamente que quanto maior uma taxa de administração, maior o impacto que ela terá na rentabilidade. Porém ela já estará expressa na rentabilidade divulgada.

      Para ver a fonte oficial da informação, digite no google: Instrução CVM 555 e veja o documento na integra.

      Abs,

  7. Tiago    

    Bom dia.

    O autor do post não comentou, mas há muitos fundos – em especial multimercados – que cobra TAXA DE SAÍDA. É isso mesmo que você leu. Até 5% de taxa de saída, com resgate em D+30 e até D+60. Não é forçar a barra demais?

    1. Leonardo Alvim Muricy    

      A taxa que os fundos cobram é de saída antecipada. Saindo no prazo informado na lâmina do fundo não há taxa.

  8. Guto Abrão    

    Bona, tudo bem?

    Uma dúvida: buscando uma rentabilidade maior que LFT, com liquidez, me parece que fundos DI são uma boa opção. Neste caso, vale a pena diversificar a alocação em vários fundos ou apenas um é o suficiente?

    Obrigado

  9. Marcelo Koehler    

    Olá, André. Tudo bom?
    Olha, gostaria de uma ajuda sua.
    Li este blog e acho que tem me ajudado bastante. Até respondi o questionário sobre a Poupança que você enviou, mas tenho dúvidas.
    Deixei pouco mais de 10.000 reais na Poupança para o caso de precisar usar o dinheiro, embora não precise no momento (mesmo porque moro com meus pais), mas sei que rende pouco. É apenas um fundo de emergência mesmo para evitar tirar dinheiro na aplicação, a menos que ela substitua a Poupança no momento que precisar do dinheiro.
    No meu caso, ganho 800,00 (menos que um salário mínimo) com aluguel de uma sala, me encontrando desempregado.
    Me pergunto se Fundo DI do Itaú Personnalité pode substituir neste caso. Tenho R$215.137,36 aplicado neste Fundo e 10.692,71 aplicado na Poupança. No caso do Fundo, apliquei R$203.558,89 em 13/12/16 e ele me rendeu até hoje (28/09/17) R$11.578,89. Este é o fundo Itaú Personnalité Referenciado DI Evolução FICFI de baixo risco, que tem taxa de saída de 1% a qual que zera após dois anos e taxa de administração de 0,5%, não tendo taxa de performance. Pensei em deixar nele a maior parte do dinheiro que tenho neste fundo e a menor parte na Poupança. Me pergunto se fundos como este podem substituir a Poupança em caso de emergência e se ele rende mais.
    Ainda sobre este fundo, ele tem a cota de aplicação no mesmo dia após a solicitação, cota de resgate mesmo dia após a solicitação e crédito de resgate mesmo dia após a cotização.
    Outra dúvida que tenho é se vale a pena aplicar no fundo Itaú Personnalité Kinea Chronos FICFI MM, fundo de alto risco, mas que tem o valor da aplicação de R$50.000,00, mas que segundo o pessoal da Empiricus, deve cair para apenas R$500,00 a partir de 31 de outubro de 2017. Ela tem a taxa máxima é de 2,050% de acordo com o site do Itaú Personnalité, mas que, segundo a Empiricus, a taxa gira em torno de 2%. Ainda segundo a Empiricus, a taxa de performance dele é de 20% sobre o que o fundo ultrapassar 100% do CDI. Nele, não há taxa de saída.
    Neste segundo fundo, a cota de aplicação é no mesmo dia da solicitação, Cota de resgate
    29 dias corridos após a solicitação e Crédito do resgate 1 dia útil após a cotização
    Me pergunto se vale a pena esperar e aplicar neste fundo, ou se aplico logo. Penso em diversificar meus fundos, sem esquecer do fundo DI para poder obter ganhos maiores. O que você acha?
    Outra dúvida que tenho. Toda vez que efetuar novo depósito em cima de qualquer fundo (ou mesmo ações), estarei pagando novo IR sobre o novo valor depositado? Exemplo: Apliquei num fundo, um valor de 50.000 naquele fundo DI Evolução. Sei que o IR cai até 15% após dois anos. Mas, me pergunto se quando fizer um novo depósito em cima deste fundo ele vai cobrar mais IR em cima deste novo depósito. E, se isso acontecer, se vale a pena fazer novos depósitos, ou se deixo um pouco mesmo a Poupança. O mesmo me pergunto se outras taxas cobradas no fundo são cobradas novamente após um novo depósito, ou apenas o IR.
    Por favor, me ajude.

    Parabéns pelo blog.

    1. André Bona    

      Olá Marcelo, como vai?

      O Blog de Valor é um site de educação financeira e não presta e nem pode prestar serviços de assessoria ou consultoria de investimentos.

      A Valor Investimentos é a empresa parceira do Blog de Valor devidamente habilitada a prestar o serviço de assessoria de investimentos.

      Para conhecer o serviço de assessoria de investimentos da Valor Investimentos visite o link: http://www.valorinvestimentos.com.br/site/assessoria-de-investimentos/

      Se você tiver interesse no serviço, poderá fazer sua solicitação pelo mesmo link.

      Abs,

  10. Diego    

    Ola Andre, se por gentileza, poderia me tirar uma duvida, eu apliquei 29.000.000 na previdência privada, la diz 2,5% tx de adm de fundo, Islândia seria exatamente o que? Anualmente sera descontado do meu investimento 2,5%?!

  11. Carlos    

    Fundos RF do Itaú cobram taxa de performance em seus regulamentos (exceto fundos de fundos, cuja cobrança tende a ser implícita).

    O mais preocupante é que cobram performance sobre o DI diário (!!!). Ou seja, na data em que a volatilidade do fundo o fizer superar o CDI, o investidor perde 20% sobre o retorno excedente. Na data em que o fundo underperformar, o investidor underperforma sozinho.

    Se a taxa fosse sobre o CDI anual ou trimestral, as overperformances e underperformances compensariam umas às outras e o investidor ganharia algo próximo de CDI + 0,8 excedente ao CDI.

    Com a taxa diária, o desempenho é bem pior, porque não ocorre esta compensação. Fica muito claro em uma planilha.

    Mais que isso, os retornos divulgados pelo Itaú são após taxa de adm, mas não após a de performance.

    Não sei se outros bancos estão fazendo o mesmo, mas é válido checar os regulamentos

  12. Nelson Berger    

    Bom dia André, em primeiro lugar, parabéns pelo blog e seus comentários e ensinamentos. Por favor me explica: se eu aplico no NTN-B, por exemplo, através do banco X ou no banco Y, a diferença de rentabilidade entre esses bancos será só o reflexo da taxa de administração? Obrigado!

  13. Alex    

    Boa Tarde André,

    Aplico num fundo de ações (small caps) do Banrisul há alguns anos. A taxa de administração é realmente alta: 5%. Porém, ele rendeu 49% nos ultimos doze meses e 123% em 36 meses. Essa foi a divulgação do site do banrisul.

    Pergunto só para confirmar: Neste caso, os 5% sobre o total do capital investido já foram descontados e a rentabilidade divulgada é líquida ?

    Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *