*Este artigo foi produzido pelo bxblue com exclusividade para o Blog de Valor.

 

Um dos maiores desejos que quem já esteve endividado é sair e não entrar mais no vermelho. E, algumas dicas simples podem ajudar nessa missão.

Por mais difícil que pareça ser, é possível organizar novamente as finanças. E o primeiro passo para isso, é avaliar sua situação atual, para saber O QUE pode ser feito e COMO resolver.

Muitas vezes, o desequilíbrio financeiro não ocorre pela falta de dinheiro (como muitas pessoas ainda pensam), mas sim pela sua má gestão. Se você gasta mais do que ganha, existe algo errado aí!

Então, aproveite para conferir as 5 dicas a seguir e fique novamente no azul – e em pouco tempo. Acompanhe!

1 – Entenda seu fluxo financeiro

Quem não quer entrar mais no vermelho primeiro precisa entender seu fluxo financeiro. E para isso não é necessário fazer contas complexas ou perder muito tempo. Basta olhar para o total das entradas e o total das saídas.

Por mais óbvio que pareça, esse exercício que, é muito básico pode ajudar a controlar as finanças pessoais. Listando os recursos disponíveis e os pagamentos realizados durante determinado período, é possível ter uma visão do seu fluxo financeiro.

Em um mês ou outro pode ser que o rendimento ou as despesas sejam maiores. Entretanto, via de regra, essas contas mantém um comportamento padrão, porque são baseadas, em sua maioria, em gastos fixos.

Esse também é um bom exercício para identificar gastos desnecessários. Ou seja, aquele tipo de conta  que poderia ser evitada.

Descubra como economizar dinheiro sem fazer esforço, com dicas muito práticas.

2 – Quite as dívidas mais caras

Se você tiver dinheiro extra em qualquer oportunidade (aumento de salário, gratificação, décimo terceiro, dentre outros), aproveite para quitar as dívidas mais caras. Liste todas as dívidas abertas, seus respectivos valores e taxas de juros. Dê preferência por pagar as dívidas que tenham as taxas de juros mais altas.

Com o tempo, essas dívidas vão aumentado e podem se acumular novamente. Então, é preciso tomar cuidado para evitar novamente no vermelho.

Entre em contato com os credores para negociar as dívidas. Faça sua proposta de pagamento e, se necessário, avalie a contraproposta oferecida. Em muitos casos é possível chegar a um bom acordo.

3 – Cuidado para não criar uma dívida maior ao tentar sair da anterior

Se em algum momento você tiver que recorrer a um empréstimo pessoal, avalie a opção mais indicada para o seu caso. Isso implica dizer que, você também deve avaliar as modalidades disponíveis e as taxas de juros cobradas.

Além disso, outra informação que muitas vezes passa despercebida é o Custo Efetivo Total (CET), que representa o valor total da dívida (valor emprestado, taxas, impostos e outros valores). Você pode contratar um empréstimo para quitar as dívidas anteriores e não entrar mais no vermelho, mas seja estratégico. Faça escolhas inteligentes.

Se possível fuja do cheque especial e do cartão de crédito que são as opções que tem as maiores taxas de juros. Procure pelas alternativas de crédito pessoal para o seu tipo de necessidade.

Existem linhas de crédito que são liberadas mesmo para quem está negativado. O empréstimo consignado, modalidade disponível para Aposentados, Pensionistas INSS e Servidores Públicos, é um exemplo destas linhas de crédito.

4 – Faça um planejamento financeiro mínimo

Talvez para alguém que nunca tenha feito um planejamento financeiro, isso pareça um grande desafio. No entanto, assim como todo “desafio”, é possível iniciar por etapas.

Comece anotando os gastos fixos mensais (recorrentes) e os diários. Em seguida anote as fontes de receita ou proventos.

Para isso, você pode contar com alguns aplicativos ou sistemas online: Conheça os 5 aplicativos que vão educar seus hábitos de consumo!

Se não quiser, a boa e velha planilha também funciona! Acredite: independente da forma que você se sentirá mais confortável em fazer isso, o  mais importante é dar o primeiro passo. Primeiro controlar as finanças e depois começar a poupar dinheiro. Por que não?

Ao ter visibilidade sobre seu fluxo financeiro, você será capaz de avaliar a forma com que está gastando. Em outras palavras, certamente irá compreender porque esteve e como não entrar mais no vermelho.

5 – Crie uma reserva de emergência

Ao colocar suas contas em dia, se esforce para criar uma reserva de emergência. Segundo dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil, mais de 12 milhões de jovens estão endividados.

Talvez essa seja uma consequência direta da falta de hábito de poupar. Criar uma reserva pode evitar recorrer ao crédito, em situações de emergência, por exemplo.

Manter-se na linha e manter o equilíbrio financeiro exige disciplina sim, mas a boa notícia é que é possível sair e não entrar mais do vermelho, se você seguir essas dicas.

Dica extra para não entrar mais no vermelho

Ninguém está livre de zerar o saldo da conta ou de ter que recorrer ao cartão de crédito, em uma emergência. Mas é preciso ficar atento aos sinais de que suas finanças estão saindo do controle.

Então, para não entrar mais no vermelho responda algumas perguntas:

  • Meu uso está próximo do limite de crédito?
  • Tenho recorrido ao cheque especial com frequência?
  • Já utilizei todas as minhas economias?

Se a resposta para alguma dessas perguntas for “sim”, é melhor parar para avaliar sua situação financeira, enquanto ainda há tempo. Sair do vermelho, se livrar das dívidas é possível, mas melhor ainda é evitar chegar nesse ponto, não é mesmo?

E você, tem alguma dica para sair e não entrar mais no vermelho? Então compartilhe-as conosco!!

 

 

 

Autor

Danielle Vieira

Apaixonada por marketing, descobriu os números e finanças ao longo do caminho e decidiu ajudar as pessoas através da educação financeira. Hoje faz isso atuando no marketing da bxblue, fintech acelerada pela Y Combinator e escrevendo em alguns portais.

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *