O índice IFIX foi lançado em 2012 pela bolsa brasileira B3. O objetivo era aumentar a transparência do mercado de fundos de investimento imobiliário (FIIs) e atrair mais investidores para o setor, pois os FIIs não eram tão populares na época.

Os fundos que compõem o índice estão listados na B3. A rentabilidade é medida como se os FIIs mais negociados e com maior liquidez constituíssem uma carteira teórica diversificada. Cada produto tem a própria participação na composição total do indicador.

Neste artigo, você entenderá o que é e como funciona o IFIX, além de conhecer a importância desse índice. Boa leitura!

O que é um índice do mercado?

Os chamados benchmarks servem como índices de referência e são usados para avaliar o comportamento de uma aplicação ou de uma carteira. A ferramenta é muito utilizada por bancos e fundos de investimento, por exemplo, e pelo próprio investidor.

Existem vários índices financeiros e cada um é útil para a comparação de grupos diferentes de investimentos. Entre os principais indicadores utilizados hoje no mercado estão:

  • índice Ibovespa;
  • taxa Selic;
  • taxa CDI;
  • índice Small Cap (SMLL);
  • indicadores de inflação;
  • taxa de câmbio.

É possível encontrar fundos que buscam superar um determinado índice do mercado. Cada tipo de aplicação deve ser comparado ao benchmark adequado e esse indicador ajuda no processo de escolher o investimento mais apropriado para a sua carteira.

O que é IFIX?

A sigla IFIX significa Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários. O índice é o único da B3 referente aos FIIs e visa representar o desempenho médio dos principais fundos deste tipo negociados na bolsa brasileira.

Desde que começou a ser divulgado, o índice apresenta o retorno total dos fundos imobiliários da bolsa. Dessa forma, ele não mostra apenas a variação no preço dos ativos, pois também considera as distribuições de dividendos realizadas ao longo do tempo.

Como investir no IFIX?

Por ser um índice financeiro teórico, não é possível investir diretamente no IFIX. Ele é calculado apenas com base no desempenho dos fundos imobiliários, por isso, não existe uma ação ou cota do IFIX que o investidor pode comprar.

Existem, no entanto, os Exchange Traded Funds (ETF), que permitem investir especificamente em ativos de determinados índices de mercado. Isso porque esses fundos de índice replicam a performance das carteiras fictícias dos indicadores de referência.

Essa é uma maneira de se expor ao desempenho de um índice específico. Quem aplica no ETF BOVA11, por exemplo, investe em um fundo que replica a performance do Ibovespa. No entanto, ainda não existe um ETF que invista nos mesmos FIIs e na mesma proporção do IFIX.

Para ter um investimento que replique o desempenho do IFIX, seria necessário comprar todos os fundos presentes no índice — mantendo a mesma proporção. Isso é pouco factível, além de ser muito trabalhoso.

Qual a importância do IFIX para investidores?

O IFIX tem função muito importante, porque ele é o único e principal índice referente ao mercado de fundos de investimento imobiliário da bolsa. O indicador é uma forma de avaliar a média do mercado de FIIs.

Por ser o principal benchmark dos fundos imobiliários, o índice funciona como um importante parâmetro para acompanhar a performance e a rentabilidade dos FIIs ao longo do tempo. Por isso, conhecer o IFIX pode ser fundamental para quem investe nesta modalidade de investimento.

Então, é possível fazer comparações entre diferentes carteiras com o objetivo de verificar se os seus fundos estão apresentando bons resultados ou não. Também é possível analisar o desempenho dos fundos imobiliários em relação às ações da bolsa, representadas pelo índice Ibovespa, por exemplo.

Como funciona o IFIX?

Como em outros índices, o cálculo do IFIX leva em consideração alguns critérios. Saiba quais são eles a seguir.

Critério de inclusão

Esse parâmetro seleciona quais FIIs entrarão no cálculo do índice. Para que isso aconteça, o fundo deve cumprir alguns critérios definidos pela B3, como:

  • estar presente e ser negociado em 60% dos pregões realizados em um período de 12 meses;
  • não ter preço unitário de cota abaixo de 1 real (classificação penny stock);
  • não ter participação superior a 20% dentro da carteira.

Pode acontecer de um fundo de investimento imobiliário listado na bolsa não cumprir esses e outros critérios essenciais. Nesse caso, sua performance deixa de fazer parte da metodologia de cálculo do IFIX. Mas é importante observar que os fundamentos de inclusão desse índice são muito amplos.

Critério de ponderação

O critério de ponderação é utilizado para determinar o peso de cada FIIs dentro do índice IFIX. Essa análise é feita com base no valor de mercado de cada fundo imobiliário. Isso significa que fundos com maior valor de mercado têm representação superior no cálculo do indicador.

A carteira teórica do IFIX é reavaliada a cada 4 meses. Isso garante que os critérios serão atendidos no período considerado. Se algum fundo que forma o índice não estiver de acordo com os pré-requisitos apresentados, ele é retirado do indicador.

Fundos imobiliários que fazem parte do IFIX

A maior parte dos FIIs presentes na B3 fazem parte do índice pois, como vimos, os critérios de seleção são amplos. A seguir, você conhecerá alguns dos principais fundos do IFIX, de acordo com a relevância e o peso que eles têm no índice dos fundos de investimento imobiliário.

É importante ressaltar que esse peso varia ao longo do tempo. Afinal, o valor de mercado de cada fundo pode mudar. A lista apresentada levou em consideração a carteira do período de maio a agosto de 2020:

  • KNRI11 (Kinea Renda Imobiliária) – participação: 4,6%;
  • KNIP11 (Kinea Índice de Preços) – participação: 4,4%;
  • KNCR11 (Kinea Rendimentos Imobiliários) – participação: 4,1%;
  • HGLG11 (CSHG Logística) – participação: 3,7%;
  • XPLG11 (XP Log) – participação: 3,2%;
  • BRCR11 (BTG Pactual Corporate Office) – participação: 2,9%;
  • BBPO11 (BB Progressivo II) – participação: 2,7%;
  • HFOF11 (Hedge TOP FOFII 3) – participação: 2,6%;
  • JSRE11 (JS Real Estate Multigestão) – participação: 2,5%;
  • HGBS11 (Hedge Brasil Shopping) – participação: 2,4%.

O IFIX, portanto, é um índice importante para quem quer acompanhar as variações do mercado de fundos imobiliários. O indicador ajuda a analisar como está o desempenho geral dos FIIs e se os fundos imobiliários que você tem na sua carteira estão superando o índice.

Gostou das informações deste post? Então complemente a leitura e confira nossas dicas para escolher fundos imobiliários!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Comentários

  1. Marcelo    

    POQUE O X DO IFIX, o I:indide, o F:fundo, o I:imobiliario, e o X? Qual o significado?

  2. bruno    

    Vc poderia comentar um pouco sobre a relação do Ifix com os juros futuros?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *