A tomada de decisão de um especulador que opera seguindo a análise técnica conta com um elemento muito importante: os gráficos. Uma das ferramentas que podem ajudar na interpretação dos dados é a média móvel.

Esse indicador ajuda o trader a rastrear tendências nos preços. Desse modo, ele pode saber, de maneira mais embasada, quando pode ser mais interessante comprar ou vender um ativo ou derivativos, por exemplo.

Quer saber mais? Continue a leitura e conheça a média móvel!

O que é média móvel?

A média móvel é uma ferramenta da estratégia de análise técnica. Ela visa avaliar, em geral, o comportamento dos preços de ativos e derivativos financeiros. Assim, ajuda a direcionar as decisões de compra e venda do especulador.

O indicador pode fazer isso porque representa o cálculo da média de cotações no período estipulado. Com isso, o especulador pode acompanhar quais foram os preços médios de um ativo ou derivativo ao longo do tempo.

Quando se fala sobre o assunto, é válido diferenciar a análise técnica da análise fundamentalista. Essa outra estratégia observa os fundamentos de ativos para basear decisões de longo prazo nos investimentos.

Para os investidores, a qualidade da empresa por trás das Ações é importante, já que eles pretendem se manter sócios. Já para os especuladores que usam a análise técnica, dados qualitativos não são relevantes. Afinal, o intuito é ver oportunidades na oscilação de preços.

A prática deles visa maximizar ganhos em prazos menores e ganhar com as tendências de movimentação da bolsa. Nesse sentido, utilizam a média móvel e outros indicadores para rastrear tendências.

Ao observar as ferramentas, o trader consegue montar operações para lucrar com a alta ou baixa de preços. Contudo, o processo não é tão simples. Para usar a média móvel corretamente, é preciso atentar e captar as movimentações do mercado.

Como funciona a análise técnica?

Para usar a média móvel, o investidor precisa incluir o indicador no gráfico analisado. Por isso, é preciso entender mais sobre análise técnica.

Veja como funcionam alguns detalhes:

Tipos de gráficos

Existem três principais tipos de gráficos: de linha, de barras e o candlestick, também chamado apenas de candles.

O primeiro diz respeito às evoluções de preço, que são demonstradas por meio de uma linha. Essa linha é formada pela média do fechamento dos preços do ativo. Por ser muito simples, esse gráfico é menos usado na análise técnica.

Já o segundo é mais completo, mostrando preços de abertura, fechamento, máxima e mínima dos ativos e derivativos. Contudo, o mais utilizado é o último tipo — o de candles. Isso se deve ao seu design, que é mais simples de visualizar.

O gráfico de candles traz as mesmas informações do tipo barras. Porém, seu formato semelhante a velas permite uma visualização mais eficiente.

Período aplicado no gráfico

Os gráficos são capazes de apresentar o comportamento dos preços em diferentes períodos. Eles podem ser anuais, semestrais, trimestrais, diários, de 15 minutos, 5 minutos… As opções são inúmeras.

A periodicidade é definida de acordo com as necessidades e dos objetivos de cada trader. Quanto menor é o tempo visualizado, maior é a tendência de que o especulador esteja em busca de operações mais rápidas. Ou seja, mais agressivo ele tende a ser.

Como funciona a média móvel?

Agora que você sabe mais sobre a análise gráfica e as condições de avaliação de preços de ativos e derivativos, é hora de compreender a utilização prática da média móvel. Por calcular os preços médios, ela serve como um guia para o especulador.

Ele consegue observar com mais simplicidade as tendências de queda e alta de preços em um período. Assim, pode utilizar a movimentação estar acima ou abaixo da média móvel como critério para comprar ou vender na bolsa.

Quais os principais tipos de média móvel?

Existem 4 principais tipos de médias móveis. Confira cada um deles a seguir!

Média Móvel Simples

A Média Móvel Simples, também chamada de Simple Moving Average (SMA), é formada pelo cálculo do preço médio, de modo que todos os preços recebem o mesmo peso. Ela é a mais simples entre os tipos, como o nome indica, e usa como base o fechamento dos preços.

Média Móvel Exponencial

A Média Móvel Exponencial também é conhecida como Exponential Moving Average (EMA). Seu conceito é parecido com o da Média Móvel Simples, mas seu cálculo é um pouco mais complexo. Isso porque ele visa a enfatizar os preços de fechamento mais recentes.

Assim, as cotações recebem pesos diferentes no cálculo, pois os preços mais recentes são considerados mais importantes. O resultado gera uma medida mais dinâmica. Por isso, a média móvel exponencial é uma das mais populares entre os especuladores.

Média Móvel Ponderada

A Média Móvel Ponderada, ou Weighted Moving Average (WMA), assim como a anterior, dá diferentes pesos a dados distintos. Logo, ela é uma variação da média móvel exponencial, sendo um cálculo aritmético.

Essa média é ainda mais dinâmica do que as duas anteriores.

Média Móvel de Hull

Por fim, existe a Média Móvel de Hull ou Hull Moving Average (HMA). Ela é a média que apresenta menor ruído entre os tipos disponíveis. O objetivo do seu criador foi reduzir as defasagens em função do risco de falso rompimento.

Sua fórmula considera a média móvel ponderada e a raiz quadrada do período. Assim, pode suavizar os dados.

Como é possível perceber, a aplicação de cada tipo de média móvel depende das demandas do especulador. De toda forma, vale a pena conhecer o indicador para utilizar na análise técnica — junto com outros que auxiliem na avaliação dos preços no mercado!

Quer conhecer mais sobre as diferenças entre especulação e investimento? Confira nosso texto acerca do assunto!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *