O oligopólio é uma das práticas que existe no mercado e que pode ser prejudicial à economia. Apesar de ser um pouco semelhante ao monopólio, existem fatores que tornam o fenômeno único. 

A princípio, o ato não necessariamente causa danos a economia, mas é preciso atenção. Inclusive, indivíduos que investem diretamente em empresas ou na bolsa de valores também deveriam conhecer essas práticas presentes no mercado para se conscientizarem de possíveis problemas.  

Reserve alguns minutos e aprenda melhor o que é oligopólio e como essa prática pode ser prejudicial aos consumidores! 

O que é oligopólio? 

Oligopólio é um fenômeno que se forma quando há um pequeno número de companhias dominando uma parcela significativa de algum setor. Ou seja, é uma condição na qual há poucos vendedores para muitos compradores.  

Quando acontece, as mudanças feitas em uma companhia influenciam no desempenho das outras presentes no mesmo setor. Algumas características de um oligopólio são: 

  • estabilidade nos preços, no qual há pouca ou nenhuma competição; 
  • ocorrência de ações em conjunto, podendo originar práticas ilegais.  

Um oligopólio é considerado o meiotermo entre a concorrência perfeita e o monopólio.  

Quais os tipos de oligopólio? 

Esse fenômeno pode ocorrer de duas maneiras, a depender do produto ou serviço oferecido.  

O primeiro é o oligopólio puro. Este ocorre quando o que é oferecido é homogêneo. Aqui, entram produtos como: cimento, ferro, prata, dentre outros que são difíceis ou impossíveis de diferenciá-los entre si 

O segundo é o oligopólio diferenciado. Este se caracteriza quando os produtos ou serviços podem ser demarcados, inclusive na qualidade. Como exemplo, há os bens produzidos pela indústria automobilística ou de eletrônicos.  

Qual a diferença entre oligopólio, monopólio, duopólio e oligopsônio?  

Se oligopólio ocorre quando há poucas empresas dominando o mercado, o que seria monopólio, duopólio e oligopsônio? Esses outros fenômenos podem confundir alguns.  

Então, entenda a diferença entre cada um abaixo: 

Monopólio 

Provavelmente o mais conhecido entre os quatro, se caracteriza quando há apenas uma única empresa controlando o mercado e vendendo um determinado produto ou serviço.  

Quando isso acontece, a companhia pode definir os preços que desejar, visto que não há concorrência.  Sendo assim, os consumidores ficariam a mercê do valor estipulado pela organização. Além disso, não haveria outro produto para substituir o que a monopolista vende.  

Duopólio 

No duopólio, há apenas duas empresas dominando o mercado. Essa configuração é muito comum. Como exemplo, existe a dualidade entre os sistemas operacionais IOS e Android, que são praticamente os únicos que dominam o mercado.  

Em um duopólio, também há a dificuldade da entrada de novos concorrentes no mercado.  

Oligopsônio 

O oligopsônio ocorre quando há poucos compradores para determinados produtos ou serviços. Quando isso acontece, os vendedores acabam dependendo muito dos consumidores para adaptar sua solução ao que eles desejam.  

Nessa condição, o preço dos bens e serviços costumam cair. 

Como surgem os oligopólios? 

Oligopólios podem surgir no mercado em diferentes situações. Por exemplo, em setores no qual é incentivada uma produção em larga escala e a participação de pequenos produtores não é incentivada.  

Nesse caso, apenas as grandes organizações conseguem prosperar. 

Em atividades no qual é essencial a permissão do Estado também pode ocasionar o surgimento de um oligopólio.   

Por fim, outra forma de facilitar a ocorrência da prática é através de fusões e incorporações de companhias pertencentes ao mesmo setor.  

Quais as consequências de um oligopólio para a economia? 

Os oligopólios são considerados prejudiciais para a economia por diversos motivos. Quando um determinado setor é totalmente dominado por poucas empresas, a competição entre elas pode não ocorrer.  

Isso é prejudicial ao consumidor. O motivo é simples: em um mercado competitivo, há diversos agentes econômicos disputando espaço e a atenção dos consumidores. 

Essa concorrência colabora para a redução no preço dos produtos, favorecendo o consumidor final.  

Além disso, quando há competiçãoas companhias se esforçam para se diferenciar e entregar melhores produtos aos clientes. Então podem ser citadas como consequências: 

  • preços maiores do que em um mercado competitivo; 
  • presença de poucas empresas, podendo ser apenas duas ou três de grande porte; 
  • preços controlados e com pouca variação; 
  • as companhias podem ser dependentes entre si em determinados fatores, sendo que uma ação pode afetar as demais e enfraquecer o mercado; 
  • dificuldade de entrada de novos competidores. 

Além desses prejuízos, oligopólios, quando ocorrem de maneira mais estruturada, podem facilitar conluios, que é um acordo de cooperação entre as companhias participantes. 

Por meio desse conluio, elas podem definir preços mais elevados com um nível de produção reduzido. Sendo assim, esse fenômeno pode favorecer o aparecimento de cartéis, além de outras práticas ilegais, como: trustes e holdings, por exemplo. 

Afinal, oligopólios são ilegais? 

A prática de oligopólio não é ilegal. Contudo, é muito criticada principalmente pelos prejuízos que pode causar aos consumidores.  

Isso porque, toda concentração de poder no mercado costuma ser um problema para os clientes. Nesse cenário, os preços praticados passam a ser definidos pelas companhias dominantes 

Além do valor poder ser maior que o justo e ter poucos no mercado, a falta de concorrência não incentiva as organizações a melhorarem seus produtos.  

Ainda, as novas empresas – inclusive as de pequeno porte – podem ter suas chances minadas de entrar no mercado.  

Em contrapartida, o livre mercado de concorrência perfeita, que é o modelo de oferta e procura mais benéfica aos consumidores e novos agentes econômicos, contribui para que as pessoas tenham acesso a melhores bens, serviços e a preços competitivos.  

Esse modelo ideal também ajuda o crescimento de novos concorrentes, principalmente os pequenos produtores. Assim, eles passam a ter melhores condições de competir com companhias maiores.  

Há exemplos de oligopólios no mundo? 

Oligopólios são mais comuns do que se imagina. indústria alimentícia é um exemplo da presença desse fenômeno. Se analisar apenas a cadeia de produção de chocolates, 40% do comércio mundial é controlada apenas pela Nestlé, Mars e Mondelez.   

Por mais que a concentração de mercado seja comum na indústria e comércio de alimentos a nível mundial, esse fenômeno ocorre em outros setores também. 

Há oligopólios no Brasil? 

Existem oligopólios no Brasil em alguns setores conhecidos.  Um exemplo é o caso das companhias aéreas TAM, Gol e Azul, que dominam o mercado de voos.  

Oligopólios podem ser prejudiciais tanto para o consumidor final quanto para novos pequenos empreendedores que desejam entrar no mercado.  

Mesmo que não seja ilegal, pode culminar no aparecimento de práticas anticomerciais. Logo, é dever do CADE observar o aparecimento deles, de modo a evitar que prejudiquem a economia.  

Gostou desse tema? Então continue aprendendo sobre outros assuntos interessantes! Veja agora o que são crimes financeiros e saiba como não cair neles!  

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *