*Este artigo foi produzido pelo Simplic com exclusividade para o Portal André Bona.

 

O que é a recuperação de crédito?

A recuperação de crédito se tornou uma saída para aquecer a economia e retomar o poder de compra de uma parcela da população que deixou de ter crédito em algum momento. Essa também é uma maneira de estancar uma possível perda de clientes por esse motivo.

Esse processo tem como objetivo restabelecer o crédito de uma pessoa inadimplente, por meio do oferecimento de condições que possibilitem o pagamento da dívida. Tudo é feito de forma extrajudicial, em uma negociação amigável entre as duas partes.

Após a negociação e o pagamento da primeira parcela, o devedor recupera suas possibilidades de compra parcelada, bem como fazer operações financeiras, antes restritas.

Como funciona?

Existem duas formas de realizar a recuperação de crédito:

  • As empresas especializadas são contratadas por companhias de forma terceirizada e especializada;
  • As recuperadoras compram a carteira dos clientes inadimplentes dos credores e passam a negociar a dívida não como intermediário, mas como dono dessa quantia a ser paga

Geralmente, o cliente se sente incomodado ao receber contatos constantes de uma empresa que faz todo esse trabalho de negociação. Isso, de certa forma, pode ser um empecilho para que o processo seja bem-sucedido.

Por esse motivo, o andamento da recuperação de crédito deve ser bem planejado. O cliente deve se sentir amparado durante esse momento, e não cobrado. Uma assimilação negativa prejudica as duas partes: as empresas, que perdem um cliente; e o próprio devedor, que segue sem crédito.

Esse assunto, inclusive, será abordado mais detalhadamente no próximo tópico.

Recuperação X Cobrança

Embora sejam operações semelhantes, ambas têm suas diferenças, principalmente em relação à abordagem do devedor e do objetivo final do processo.

Na cobrança, o call center entra em contato com o cliente com o intuito de lembrá-lo da dívida e exigir um posicionamento de sua quitação. Normalmente, uma dívida específica é cobrada.

O modelo que rege esse processo é a regra de cobrança, que é uma espécie de manual seguido por todas as pessoas envolvidas no momento de abordar o cliente, a fim de solicitar a quitação da dívida.

A recuperação de crédito, por sua vez, não tem como foco o fim de uma dívida, apesar de também proporcionar isso ao devedor. O foco desse processo é retirar o nome do inadimplente dos cadastros dos órgãos de proteção ao crédito, como o SPC e o SERASA. Como consequência, ele pode voltar a fazer crediários e terá mais poder de compra.

A aproximação com o inadimplente é feita de uma outra forma. É nesse aspecto, inclusive, que as duas operações mais se diferenciam entre si. Há uma maior elaboração, pois o devedor jamais pode sentir que está sendo cobrado. Até mesmo mais de uma instituição pode ser envolvida nesse sentido, para que haja o amparo e a segurança suficientes para o sucesso dessa operação.

Existem, também, dois tipos de cobrança: a amigável e a judicial. Veja a seguir a diferença entre elas.

Amigável

Essa é a forma mais indicada para qualquer negociação, pois é a mais respeitosa com o cliente. É recomendado que seja adotado um tom cordial e nunca intimidar ou acusar o cliente, ainda que seja a cobrança do pagamento de uma dívida.

Durante a negociação, o principal resultado a ser alcançado deve ser o entendimento entre ambas as partes, de modo que a negociação seja bem-sucedida naturalmente.

A empresa de cobrança deve ter em mãos todas as informações sobre a dívida, em forma de histórico. Dessa maneira, o cliente terá mais segurança e chances de pensar em uma forma de pagar sua dívida.

Um requisito muito importante é buscar afinidade com o cliente, de modo que ele se sinta tranquilo para conversar. Ouvir as propostas e também verificar uma outra possibilidade de negociação é fundamental.

Judicial

Nessa modalidade, a empresa credora recorre à justiça para receber a quantia do inadimplente. A maneira através da qual o crédito foi alicerçado e a documentação nortearão o tipo de ação a ser praticado. Algumas situações permitem que o processo seja mais rápido e, naturalmente, menos burocrático.

A cobrança judicial é adotada diante da impossibilidade de resolução por meio de um processo amigável. Logo, esses casos são menos frequentes.

No decorrer deste texto, você teve mais informações sobre recuperação de crédito. Para ter mais dados sobre assuntos relacionados, leia os outros textos do blog e o acesse sempre para conferir os textos novos e exclusivos.

 

*O Simplic é um correspondente bancário que surgiu em 2014, em busca de oferecer uma opção de crédito pessoal online para aqueles que não possuem acesso através das instituições financeiras tradicionais.

 

Autor

Autor Convidado

Este artigo foi produzido por um autor parceiro e/ou convidado com a finalidade de compartilhar suas opiniões sobre temas diversos e contribuir com o site.

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *