Montar uma carteira de ações diversificada e coerente com o seu perfil e os seus objetivos é fundamental para ter sucesso nos investimentos. No entanto, isso pode parecer complicado para o investidor com menos experiência.

Para tornar o processo mais simples, existem alguns conhecimentos básicos que você deve ter. Além disso, é preciso seguir a estratégia que mais está de acordo com o que você espera obter de retorno com os investimentos em ações.

Pensando nisso, preparamos este artigo com 5 dicas para você montar sua carteira de ações de uma vez por todas. Vamos lá?

O que é uma carteira de ações?

Para montar uma carteira de ações, é importante entender o que o termo significa. No mercado financeiro, a carteira representa o conjunto de ativos que compõe o portfólio de investimentos de um investidor.

A composição da carteira depende de diversos fatores e estratégias — como objetivos, perfil de risco, rendimento esperado e prazo de investimento. Assim, ela pode ser composta por diversos papéis de diferentes empresas, em proporções específicas.

Com relação ao período de investimento, as operações podem ser, basicamente, de curto e longo prazo. Quem busca investir em ações em prazos maiores, em geral, tem objetivos diferentes de quem procura lucro com elas no curto prazo.

Ações sólidas e com boa possibilidade de valorização no futuro podem ser opções interessantes para investidores. As que pagam dividendos frequentes também costumam ser procuradas para compor as carteiras de ações para longo prazo.

Já se o seu foco é montar uma carteira para o curto prazo, a escolha das ações se dará pela busca por valorização mais rápida. Um dos cuidados é se basear em papéis com maior volume de negociação na bolsa de valores — para ter liquidez.

É importante destacar que investir no curtíssimo prazo, como é o caso do day trade, faz necessário ter agilidade e muita estratégia. Afinal, a modalidade de especulação tende a oferecer mais riscos.

Como a carteira pode ser montada?

Depois de entender o que é a carteira de ações, é importante entender que ela pode ser montada de acordo com as escolhas individuais do investidor. Para isso, você deve conhecer o seu perfil e tomar a decisão segundo as suas necessidades e os seus objetivos específicos.

A tarefa não é fácil, principalmente para quem é iniciante. A estratégia de análise para escolha das ações se baseia no objetivo — análise gráfica para especuladores ou fundamentalista para investidores, por exemplo.

O desafio demanda estudo sobre o mercado financeiro. Também é importante pensar na diversificação dos ativos. Ao distribuir o dinheiro em empresas diferentes, é possível diluir o risco e procurar rentabilidades acima da média.

Se você ainda não tem experiência ou não quer decidir sozinho, uma possibilidade é seguir uma carteira recomendada. Elas são construídas por analistas especializados. Então, eles podem indicar investimentos que tendem a ter um desempenho melhor em determinado prazo ou cenário.

Quais são os principais tipos de carteira de ações?

Existem diversos tipos de carteiras de ações. Elas variam de acordo com as estratégias utilizadas e podem ser mais ou menos adequadas para seus objetivos. Conheça algumas opções a seguir.

Value investing

A carteira de ações que visa o value investing é baseada em encontrar papéis subvalorizados no mercado. Ou seja, cujo preço esteja abaixo do seu valor intrínseco. O objetivo é lucrar com o aumento de preço ao longo do tempo, quando o mercado se corrigir e a ação se valorizar.

No entanto, tenha em mente que é importante ir além do preço do papel. Você deve avaliar as empresas a partir de diversos pontos para ter mais segurança — como qualidade da gestão, longevidade do negócio e viabilidade de projetos futuros.

Small caps

Uma carteira de ações também pode ser composta com foco em empresas do tipo small caps. Tais companhias são menores e geralmente estão em processo expansão. Também é comum que elas sejam relativamente novas no mercado e ainda pouco conhecidas pelos investidores.

Assim, pode haver a tendência, ao longo do tempo, de que as empresas small caps cresçam e seu lucro aumente de forma significativa. Se isso acontecer, o investidor que comprou as ações pode ter ganhos acima da média — mas vale lembrar que os riscos também podem ser maiores.

Dividendos

O foco em dividendos também é uma opção para a carteira de ações, especialmente as de longo prazo. Os dividendos são parte dos lucros das empresas que são divididos com os investidores.

Assim, além de ganhar com a possível valorização das ações, os investidores podem lucrar com o pagamento de dividendos periodicamente. Se é o seu objetivo, é importante comprar ações de empresas que sejam consideradas boas pagadoras de proventos.

Como montar uma carteira de ações sólida?

Agora que você já sabe mais sobre o assunto, confira 5 dicas para montar uma carteira de ações sólida e alinhada às suas necessidades!

1.      Defina objetivos

Antes de começar a investir, é importante estabelecer quais objetivos você pretende alcançar. Procure entender por que você está investindo e defina prazos para alcançar cada uma das suas metas.

2.      Saiba seu perfil de investidor

Conhecer o seu perfil de investidor também é muito importante. Para montar a sua carteira de ações, você precisa saber qual é a sua tolerância ao risco. Por isso, defina se você é conservador, moderado ou arrojado. E lembre-se que, em geral, investidores conservadores têm menor tolerância a riscos.

3.      Estude para encontrar boas ações

Talvez essa seja a dica mais desafiadora. Não é fácil encontrar ações com boas expectativas de negócio, mas a tarefa também não é impossível. Você pode utilizar as informações que o mercado disponibiliza para os investidores e fazer as análises de acordo com os seus objetivos.

4.      Utilize carteiras recomendadas se for necessário

Não há problema em utilizar as carteiras recomendadas, desde que elas estejam de acordo com o seu perfil e as suas metas. Nesse caso, basta escolher o portfólio mais adequado e seguir as proporções indicadas.

Uma dica para aumentar seus conhecimentos é ler os relatórios que explicam o porquê de cada ação ter sido escolhida para a recomendação. Então, você pode conhecer mais sobre as empresas e entender os fatores usados para a tomada de decisão.

5.      Diversifique a carteira entre setores

Por fim, uma forma de proteger os investimentos e aumentar as chances de ter bons rendimentos é escolher ações de empresas de setores diferentes. Por exemplo, a carteira pode incluir ações do segmento bancário, do varejo, da construção civil etc.

É interessante analisar o momento e decidir quais setores são mais interessantes para compor a sua carteira. Não se esqueça de pensar também no prazo de seus investimentos. Em geral, investimentos na renda variável performam melhor com foco no longo prazo.

Ao chegar até aqui você aprendeu como montar a sua carteira de ações. Depois de escolher os papéis, continue acompanhando o seu portfólio — mesmo que não tão frequentemente. Dessa forma, é possível redefinir estratégias e fazer o rebalanceamento da carteira quando for preciso.

O que achou das dicas? Deixe o seu comentário e conte se você já começou a montar a sua carteira de ações!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *