64
0

Como funciona a taxa de saída em fundo de investimento?

64
0
4 minutes

Os fundos de investimentos podem ser considerados boas opções para quem deseja diversificar a carteira com maior praticidade. Isso porque muitos deles oferecem exposição a alternativas variadas do mercado financeiro.

Entretanto, antes de investir nessa modalidade, é essencial que o investidor procure se informar sobre os principais custos relacionados a um fundo de investimento — como a taxa de saída. Afinal, as cobranças podem consumir parte dos seus rendimentos.

Por isso, a seguir você entenderá o que é taxa de saída e como ela é cobrada em um fundo de investimento. Confira!

O que é a taxa de saída?

Os fundos de investimento são uma modalidade coletiva. Assim, há uma estrutura com equipes de administração e gestão que trabalham para colocar o veículo em funcionamento. Por serem administrados por profissionais, os fundos estão sujeitos a cobranças específicas.

Portanto, incidem custos além do Imposto de Renda e Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), por exemplo. Entre as cobranças que podem existir em um fundo de investimento está a taxa de saída.

Normalmente, ela incide quando o cotista deseja sair do fundo antes do prazo de resgate padrão. Ou seja, a taxa de saída se refere a um valor que precisa ser pago no momento da venda das cotas.

Muitas vezes, a intenção da cobrança é desencorajar essa retirada prematura do investimento. Desse modo, a imposição da taxa de saída levaria o investidor a reconsiderar esse tipo de decisão, reduzindo o número de saques no fundo.

Como é cobrada a taxa de saída em um fundo de investimento?

Agora que você já sabe o que é taxa de saída em fundos de investimentos, é válido descobrir como ela é cobrada. Para tanto, é preciso ter em mente que cada fundo estabelece suas regras de funcionamento. Assim, o percentual cobrado de taxa e as condições para pagamento variam.

Em alguns fundos, por exemplo, a taxa de saída é reduzida ao longo do tempo. Então, quanto mais tempo o cotista permanecer no fundo, menor será essa taxa — podendo chegar a zero.

Há também fundos em que a taxa de saída é cobrada independentemente do tempo de aporte. Com isso, a cobrança pode afetar ainda mais a rentabilidade do investimento, já que ela é feita sobre o montante resgatado. Por fim, existem fundos que não contam com essa taxa.

Quais outras taxas podem existir em um fundo de investimento?

Além da taxa de saída, ainda há outras cobranças que podem incidir em um fundo de investimento. Veja quais são elas a seguir!

Taxa de entrada

Como o nome sugere, essa é uma taxa paga no início do aporte. Ela serve para cobrir os custos com a manutenção dos investimentos. Entretanto, assim como a taxa de saída, não são todos os fundos que cobram esse valor.

Taxa de administração

A taxa de administração refere-se ao valor pago pelos serviços de gestão. Ou seja, ela remunera o trabalho prestado pelos profissionais do fundo — como gestor, administrador, custodiante, auditor e outros. Por conta disso, essa é a cobrança mais comum entre os fundos de investimento.

Taxa de performance

A taxa de performance funciona como um prêmio pago ao gestor em alguns fundos quando a rentabilidade supera um índice de referência. Porém, o indicador depende do tipo de fundo. Por exemplo, pode ser o Ibovespa, o Certificado de Depósito Interbancário (CDI) ou outro índice definido no prospecto.

Come-cotas

Um fundo de investimento ainda pode apresentar outros custos, como o come-cotas. Ele é a cobrança antecipada do Imposto de Renda e acontece mesmo em relação aos investidores que não pediram resgate.

Essa tributação ocorre a cada seis meses e o pagamento não se dá em dinheiro, mas em cotas. Porém, a sua incidência varia conforme o tipo de fundo de investimento.

Como escolher um fundo de investimento?

Depois de entender os principais detalhes sobre a taxa de saída e outras cobranças que podem existir em um fundo de investimento, é interessante aprender onde aportar o seu dinheiro.

Afinal, existem diversas opções disponíveis no mercado financeiro e é preciso identificar a mais adequada para você. Então confira dicas de como escolher um fundo de investimento!

Entenda seu perfil de investidor

Existem diversos tipos de fundos de investimentos — que se diferenciam pelo foco do portfólio e pela estratégia. Logo, eles também podem ter riscos variados. Assim, analisar seu perfil de investidor ajuda a identificar qual o tipo de fundo e a categoria mais indicados para você.

Isso porque cada fundo pode ser mais adequado para determinados perfis. O fundo de renda fixa, por exemplo, costuma ser a escolha dos investidores mais conservadores, pois eles buscam opções de investimentos considerados mais seguros no mercado.

Determine o objetivo do aporte

Após entender o seu perfil de investidor, é importante determinar os seus objetivos. Com isso, será possível alinhar o tempo de resgate dos fundos com o prazo de realização dos seus planos. Consequentemente, fica mais fácil escolher entre as alternativas.

Analise a lâmina do fundo

O próximo passo é conhecer os fundos de investimentos disponíveis no mercado e verificar quais deles estão mais alinhados ao seu perfil e objetivos. Para isso, vale a pena analisar a lâmina do fundo e conferir as principais informações do veículo de interesse.

Você precisa observar, por exemplo, a política do fundo de investimento, a tributação, os custos envolvidos na operação, a rentabilidade histórica, o tipo de gestão, a taxa de saída etc. Também é interessante analisar o valor do aporte inicial e o prazo de carência.

Entenda o mercado em que o fundo investe

Ao conhecer o fundo, não deixe de estudar o mercado relacionado à ele. Isso traz informações relevantes sobre o risco e o potencial de ganhos de cada alternativa. Um fundo imobiliário, por exemplo, está exposto aos movimentos do setor de imóveis.

Já um fundo cambial será afetado pela relação do real com as moedas de outros países. Por outro lado, um fundo de ações envolve a volatilidade de diversos setores e empresas. Assim, é fundamental compreender o mercado antes de decidir pelo aporte.

Invista na sua educação financeira

Por fim, para escolher bons fundos de investimento, é interessante ampliar seu conhecimento sobre educação financeira. É por meio dela que você aprenderá a cuidar do seu dinheiro e terá a oportunidade de construir um planejamento financeiro para atingir seus objetivos por meio dos investimentos.

Agora você sabe como funciona a taxa de saída em fundo de investimento e conhece outras taxas que podem existir nessa modalidade. Além disso, viu pontos que merecem atenção ao analisar as alternativas do mercado. Com esses dados, ficará mais fácil avaliar as opções para investir.

Gostou do artigo? Continue aprendendo e descubra agora como é a estruturação dos fundos de investimento!

 

Equipe André Bona
WRITEN BY

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.