O hedge cambial pode ser utilizado para proteger investimentos e empreendimentos internacionais das variações das moedas estrangeiras, principalmente o dólar, que é a mais utilizada no cenário internacional. Por isso, quem investe ou tem algum negócio que utiliza essa moeda frequentemente precisa conhecer a modalidade.

Apesar de parecer algo restrito a empresas e empreendedores, pessoas físicas também podem utilizar-se do hedge para diversas funções, seja para viajar, fazer negócios ou pagamentos em moeda estrangeira.

De forma geral, o hedge cambial é uma forma que muitas pessoas podem utilizar para proteger seus ganhos. Continue a leitura do artigo e saiba mais sobre essa modalidade de operação!

O que é o hedge cambial?

Hedge cambial pode ser entendido como uma forma de proteção de patrimônio. Ou seja, trata-se de uma operação existente no mercado financeiro cuja finalidade é proteger investimentos.

A intenção aqui é excluir, na medida do possível, a perda de dinheiro por causa das variações do dólar, seja em investimentos no exterior, exportações, importações ou negociações na bolsa de valores, empreendimentos realizados com moeda estrangeira, dentre outros.

O hedge cambial também é conhecido como hedge financeiro. Serve também como alternativa para proteger o dinheiro do investidor ou empreendedor do câmbio sem que precise ter uma conta no exterior.

Por que pode ser importante fazer um hedge cambial?

Diversos empreendimentos lidam diariamente com o mercado internacional. Para evitar correr o risco de perder dinheiro com a variação do câmbio, as empresas, nesse caso, podem utilizar o hedge para amenizar problemas dessa natureza.

Quando feito de forma correta e eficiente, o hedge pode compensar a mudança no valor, seja total ou parcialmente, entre as duas moedas: a moeda local e o dólar, por exemplo.

Como funciona o hedge cambial?

Quando alguém compra uma moeda estrangeira ou algum produto ou serviço cotado em outra moeda, geralmente já sabe quanto vai pagar pelo câmbio. E isso independe da variação que o valor possa sofrer no período da compra ou da venda.

Na hora da aquisição de moedas em espécie, há chances de obtê-las quando o preço no mercado está em queda, manter o montante adquirido em custódia e vender quando os preços estão em alta, auferindo lucros. Isso pode ser benéfico inclusive nos casos de viagens ao exterior ou em compras realizadas fora do país.

Como dito, o hedge também pode ser usado por pessoas que querem aplicar recursos no exterior. Assim, na hora de colocar em prática, o investidor saberá que seu rendimento não sofrerá impactos por uma variação cambial, deixando a operação realizada mais estável.

Nesse caso, o investidor pode fazer o hedge em ações, que nada mais é do que comprar ações na bolsa de valores e investir em índices que se beneficiam com a movimentação do mercado.

Mas, na prática, como isso funciona? Entenda mais a seguir.

Como fazer um hedge cambial?

O hedge pode ser feito por meio de fundos cambiais, compra e venda e no mercado futuro. Confira um pouco sobre cada um deles.

Mercado Futuro

No Mercado Futuro são utilizadas estimativas de como a cotação do dólar ficará nos próximos meses. Assim, toda negociação utiliza como referência esse valor para estimar o valor de uma compra, venda ou rentabilidade de alguma operação realizada.

No mercado futuro, como investidor, você pode acompanhar as variações em tempo real, de forma segura e sem precisar checar os valores a todo momento.

O mercado futuro também permite fazer operações em contratos futuros em dólares que permitem proteger os investimentos da variação cambial. Nesse caso, é feita uma estimativa de como a cotação do dólar ficará nos meses seguintes e todas as negociações levam em conta esse valor estimado.

Compra e venda

O chamado hedge de compra e venda é simples. Caso você deseje comprar algum produto cotado em dólar, poderá se proteger de uma eventual desvalorização do Real, imobilizando a quantia que deseja para o hedge. Em outras palavras, é como se você comprasse alguma coisa no futuro pelo preço atual.

Com esse congelamento da cotação, o comprador e o vendedor se protegem dentro do preço acordado. Essa modalidade de hedge acaba beneficiando tanto o comprador quanto o vendedor.

No caso do dólar desvalorizar, o vendedor não terá prejudicados seus lucros por causa dessa queda, pois recebe do comprador o valor da cotação acordado previamente.

Por exemplo, se você compra algo por R$4,00 hoje e for pagar somente no mês seguinte, caso o valor aumente para R$4,50, esse acréscimo pode ser ignorado e você efetua o pagamento levando em conta o valor anterior, de R$4,00.

Fundos cambiais

Os fundos cambiais permitem que você coloque 80% dos seus rendimentos em um fundo de moeda estrangeira, permitindo que acompanhe em tempo real a cotação do mercado de maneira segura. Independente do fundo, o dólar é a principal moeda utilizada como índice de comparação.

Se quiser entender mais a fundo sobre fundos cambiais, clique aqui e descubra.

Quais os formatos de hedge cambial?

Foram criados alguns instrumentos no mercado financeiro para que o hedge cambial seja possível. Veja agora como fazer o hedge cambial por meio do SWAP cambial e contratos de câmbio da B3.

SWAP cambial

O SWAP cambial é um contrato de câmbio no qual quem deseja fazer o hedge compra o direito de adquirir dólares na taxa atual, mas apenas no prazo de vencimento do contrato indexado ao câmbio.

Nesse caso, a instituição financeira responsável se compromete a assegurar essa taxa de câmbio para o cliente, assumindo, assim, o risco da variação cambial. Uma instituição que utiliza muito o SWAP para evitar a alta do dólar é o Banco Central.

Contratos de câmbio da B3

A B3, bolsa de valores daqui do Brasil, oferece contratos de cambios futuros para os interessados em hedge cambial. Nesses contratos, o comprador paga antecipadamente pelo direito de aquisição de lotes com valores de 50 mil dólares (contratos cheios) ou 10 mil dólares (mini contratos) pelo valor negociado no dia atual na bolsa, mas estabelecendo uma data no futuro.

Se o dólar subir, haverá ganhos na diferença entre as cotações. Caso o dólar sofra desvalorização, fica garantido o valor que foi negociado antes. Como os contratos de câmbio futuro vencem sempre no primeiro dia de cada mês, o hedge cambial pode valer a pena se o negócio protegido vencer também no início do mês.

Conclusão

O hedge cambial pode ser uma boa alternativa para empresas que fazem muito comércio internacional e precisam proteger seu dinheiro das variações cambiais. E também para a pessoa física, principalmente os que fazem viagens para o exterior com frequência, gerenciam negócios em dólar ou quem precisa fazer pagamentos em moeda estrangeira em um futuro próximo.

Também é indicado para pessoas que utilizam muito a moeda estrangeira em suas transações no dia a dia e não tem conta no exterior.

Por mais que pareça ser complicado, se você trabalha muito com moedas estrangeiras, o hedge cambial pode ser uma solução para fugir das variações cambiais que, muitas vezes, ocorrem subitamente em um curto período de tempo e podem minar suas finanças.

E você, já sabe como fazer seu dinheiro render? Então inscreva-se no canal do Youtube do André Bona e fique por dentro das melhores dicas para fazer seu dinheiro trabalhar para você

Quer aprender a investir melhor? Então clique aqui!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Comentários

  1. Josué Morgan    

    Olá. Artigo mais completo que li sobre o assunto, mas ainda tenho uma dúvida. Como usar na prática o mini contrato de dolar para proteger uma viagem futura ou gastos futuros no exterior? Quando executar o contrato para onde irão os dólares adquiridos? Para conta da corretora? Como “sacar” esses dólares? Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *