Quem já anunciou a venda de um imóvel, veículo, celular ou outros bens pode ter recebido de algum interessado o questionamento: “aceita permuta?”. Nesse caso, você pode pensar “como assim? O que é permuta? E agora, como devo responder?”.

Embora a permuta ou troca seja uma das formas de negociação mais antigas registradas, sua utilização tem voltado à tona. Em especial em tempos de crise — quando se busca o reaquecimento do mercado.

Neste artigo será esclarecido o conceito de permuta, como ela funciona e as modalidades mais utilizadas. Se você quer se informar mais sobre esse tema, acompanhe a leitura!

O que é permuta?

Nem sempre as sociedades contaram com o dinheiro como elemento relevante para demonstrar o poder e a economia de uma civilização. Antes do surgimento da moeda, nossos ancestrais se valiam da permuta nos mais diferentes tipos de comércio.

Antigamente, um padeiro, por exemplo, podia trocar parte de sua produção de pães por litros de leite, ovos de galinha, peças de carne e outros alimentos. Assim, ele diversificava a sua alimentação e usufruía de itens que não produzia.

Assim, a permuta surgiu na sociedade não apenas por conveniência, mas por necessidade de sobrevivência. Ela foi, portanto, uma ferramenta essencial para a continuidade e evolução das civilizações antigas.

A partir desses exemplos, você pode concluir que a permuta se refere à troca de um produto por outro de valor semelhante. Desse modo, não se usa o dinheiro. Com o surgimento da moeda, a troca não se deu mais entre produtos, mas entre produtos e dinheiro — representando a compra e venda.

Como funciona a permuta?

Você acabou de ver o que é permuta e sabe que seu uso reduziu após o surgimento do dinheiro. Entretanto, com a evolução da civilização moderna, ela voltou a ser inserida como uma forma contratual de comercializar bens e produtos.

No Brasil, inclusive, é regulamentada pelo artigo 533 do Código Civil. Em se tratando de um contrato de duas ou mais pessoas, cada parte fornece um bem para trocar. Nesse caso, há a necessidade de que todas elas concordem quanto à equivalência de valores entre os bens que serão permutados.

Em casos que os valores dos bens não são semelhantes, a parte que detém o item de menor valor poderá complementá-lo com outro bem ou, excepcionalmente, com dinheiro. Isso depende do que for acordado entre as pessoas envolvidas.

Com ou sem dinheiro a mais, a permuta pode ser utilizada em diversos tipos de negociação, desde que respeitada as respectivas formalidades legais.

Quais os tipos de permuta mais comuns?

Agora que você já tem o conhecimento sobre o que é permuta, como ela ocorre e qual a sua finalidade, vale a pena conferir alguns exemplos na prática.

Veja!

Permuta de imóveis

Geralmente a compra e venda de imóveis envolve valores muito expressivos. E não é qualquer pessoa que consegue ter a quantia para adquirir esse bem à vista. Então, a permuta imobiliária é uma alternativa bastante utilizada para contornar esse cenário.

Pode ser o caso, por exemplo, de alguém que necessita mudar de cidade por ter conseguido um emprego ou pela necessidade de estar mais próximo da família. Imagine que a pessoa já tem um imóvel e não quer acumular dois bens — ou está com dificuldade para vender seu imóvel.

Via permuta, essa pessoa não precisará ter dinheiro para compra de imóveis, nem precisará vender sua propriedade. Ela pode procurar por interessados que estejam anunciando imóveis no mesmo valor do seu e sugerir a permuta de casas. Assim, evita-se empréstimos e financiamentos.

Claro que o processo não é tão simples. Antes de decidir pela troca de imóvel, é importante verificar a documentação, a situação fiscal junto as prefeituras e até mesmo a existência de processos judiciais em nome do proprietário.

Além disso, se durante a negociação surgir alguma dúvida acerca da permuta, sobre o imóvel ou qualquer outra questão que a torne arriscada, a busca por auxílio de um profissional do ramo pode ser necessária. Ele saberá aconselhar e garantir a legalidade da troca.

Permuta de automóveis

Nos últimos anos, veículos novos, mesmo que os mais básicos, estão custando valores cada vez mais altos. Com isso, o mercado de veículos seminovos e usados se revela como uma boa oportunidade de encontrar permutas interessantes.

Não seria conveniente, por exemplo, trocar o seu veículo por um que comporte melhor as suas novas necessidades, sem precisar adquirir um bem na loja? Isso pode acontecer, caso uma oportunidade apareça. Analise os prós e contras, são inúmeras as possibilidades.

A permuta de automóveis é bem aceita até mesmo por concessionárias. Muitas aceitam o veículo usado como parte do pagamento de um novo. Assim como o inverso também acontece — a chamada “troca com troco” aceita um veículo usado e devolve um valor para o proprietário.

Permuta de roupas

Já pensou em poder trocar uma peça de roupa que ainda está em boas condições, mas que você não usa mais? A permuta pode ser uma boa ideia para evitar novos gastos com a renovação do guarda-roupa.

Com o crescimento e popularização da internet, atualmente existem diversas lojas virtuais especializadas na permuta de roupas, sapatos, joias, brinquedos, mobília e acessórios. Basta a realização de uma breve pesquisa para descobrir sites nesses seguimentos.

Outras esferas de permuta

Também em um cenário de popularização das redes e mídias sociais, figuras como influenciadores digitais e artistas famosos têm outras formas de permuta. É o caso de quem oferece divulgação em seus canais em troca de produtos ou serviços de determinadas empresas.

Muitas vezes, agências de viagem providenciam a estadia do influencer ou artista em hotéis e parques temáticos, por exemplo. Assim, sem envolver dinheiro diretamente, ambos são beneficiados. O profissional viaja sem custo e a empresa tem divulgação.

Conclusão

Sabendo o que é permuta, cabe sempre ao interessado analisar as suas vantagens e desvantagens antes de tomar a decisão final. Faça uma boa avaliação do bem que será permutado para saber se a transação vale a pena.

A prática da permuta pode ser saudável para o mercado, pois o mantém aquecido gerando oferta e demanda e promove o giro de produtos e serviços. Além disso, é também uma forma inteligente e sustentável de reaproveitamento de recursos já existentes – promovendo sustentabilidade.

Você já realizou uma permuta? Foi um bom negócio? Conte para nós no campo de comentários!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *