Não é preciso ser economista ou atuar no mercado para ouvir falar da Escola Austríaca e da Escola de Chicago de economia. A primeira exerceu muita influência para a formação da segunda e ambas são de extrema importância para o pensamento econômico atual.

Visto que as teorias econômicas mais utilizadas influenciam muito na sociedade, entender um pouco sobre Economia ajuda a compreender como funcionam certas decisões político-econômicas que acontecem no Brasil e no mundo.

Acompanhe a leitura do artigo e conheça a Escola Austríaca, a Escola de Chicago e confira o pensamento de cada uma delas!

O que é a Escola Austríaca de economia?

A Escola Austríaca é até hoje uma das mais importantes correntes de pensamento da ciência econômica. Começou a se estruturar em meados do século XIX. Essa escola é chamada assim pelo fato de os seus principais pensadores serem austríacos e terem desenvolvido suas ideias justamente na Áustria.

O considerado primeiro expoente dessa corrente é Carl Menger. Ele é autor da obra “Princípios da Economia Política”, lançado em 1871. Inclusive, Menger e outros colegas que seguiam o mesmo pensamento se contrapunham aos teóricos socialistas da época, como Karl Marx.

O que a escola austríaca defendia?

A Escola Austríaca defendia principalmente ideais que contestavam as teses defendidas pelos socialistas da época. Além de Menger, outros como Eugen von Boehm-Bawerk debatiam os princípios expressos por Karl Marx e Friedrich Engels, por exemplo.

Inclusive, vários conceitos explorados na obra principal de Marx, O Capital, foram criticados pelos dois. Além de discutir as proposições socialistas, a Escola austríaca defendia os princípios liberais.

O Liberalismo econômico, em poucas palavras, é uma ideologia que se baseia no individualismo. Dessa forma, podemos dizer que essa escola de economia defendia:

  • individualismo metodológico;
  • não intervenção do Estado na Economia;
  • ação individual na economia associada ao tempo;
  • livre mercado que funciona de acordo com a lei da oferta e da demanda;
  • as decisões em relação à economia devem ser tomadas pelas pessoas e organizações.

Quais são os principais pensadores da Escola Austríaca?

Um dos principais representantes dessa escola é Ludwig Von Mises, economista austríaco que estruturou as ideias de Menger. Escreveu diversos livros que até hoje são utilizados para expressar as convicções liberais.

Depois dele, outro economista austríaco ficou conhecido por expor os princípios da Escola Austríaca: F. A. Hayek.

A Escola Austríaca foi uma das mais influentes no mundo inteiro no século XX. Entretanto, dividiu palco com o Keynesianismo, uma corrente que sustentava convicções alternativas e que foi muito utilizada em países que precisaram se recuperar dos problemas ocasionados pelas guerras ocorridas naquele século.

O que é a Escola de Chicago de Economia?

A Escola de Chicago de economia foi criada a partir dos ideais acolhidos pela Escola Austríaca. Inclusive, F. A. Hayek foi professor nesse departamento da Universidade de Chicago.

Ela é chamada dessa maneira desde 1950 para se referir aos professores que lecionavam no curso de Economia da Universidade de Chicago. Trata-se de uma escola de pensamento econômico também baseando-se em princípios do liberalismo. Entretanto, seu foco se manteve, principalmente, nas ideias neoliberais.

Apesar de apoiar seus ideais, é importante notar que nem todos os economistas formados pelo Departamento de Economia da Universidade de Chicago compactuavam com as crenças da Escola.

Apesar de ser um dos cursos de economia mais importantes do mundo e ter um grande número de professores premiados, menos da metade dos integrantes do seu departamento apoiam os ideais da Escola de Chicago.

O que a Escola de Chicago de Economia defendia?

Essa escola de pensamento econômico defendia o livre mercado e o neoliberalismo em si. O Neoliberalismo surgiu do Liberalismo e enfatiza os seguintes temas:

  • privatização de empresas estatais;
  • economia guiada pelas forças do mercado;
  • redução de tributos para indivíduos e, em especial, para as grandes empresas;
  • pouca ou nenhuma intervenção do Estado na economia;
  • defesa das medidas contra o protecionismo econômico.

Além disso, a escola se baseia na teoria neoclássica da formação de preços e liberalismo econômico. Enquanto a Escola Austríaca debatia as convicções socialistas, a Escola de Chicago debatia muito mais o Keynesianismo, que foi a corrente mais utilizada no século XX e ainda tem força no século XXI.

A Escola de Chicago recebe duras críticas por grandes economistas, como James Tobin, professor da Universidade de Yale e Joseph Stiglitz, ex-vice presidente do Banco Mundial. Ambos são ganhadores do Nobel de Economia e não concordam com os conceitos econômicos de Chicago.

Entretanto, as teorias foram utilizadas em algumas políticas do Banco Mundial e em grandes instituições, como o Departamento do Tesouro estadunidense e o Fundo Monetário Internacional.

Quais são os principais defensores da Escola de Chicago de Economia?

Pode-se dizer que o principal defensor dessa escola é o economista norte-americano e ganhador do prêmio Nobel, Milton Friedman. Friedman foi professor da Universidade de Chicago e é considerado a maior referência dessa escola de pensamento.

Milton Friedman ficou conhecido também por tecer críticas ao Keynesianismo e é considerado o segundo economista mais influente do século XX, junto de John Maynard Keynes. Suas obras são totalmente voltadas aos princípios liberais e suas ideias legitimam muito o neoliberalismo.

Quais as diferenças entre a Escola Austríaca e Escola de Chicago?

As duas são escolas de correntes de pensamentos influentes. A Escola de Chicago surgiu baseando-se em ideais da Escola Austríaca. Ambas defendem ideologias liberais, mas a diferença entre elas está justamente no fato de que a Escola Austríaca defende mais o Liberalismo e debatia os princípios socialistas.

Por outro lado, a Escola de Chicago inovou um pouco mais seus pensamentos defendendo o Neoliberalismo e ideais como: privatização, menor participação ainda do Estado e outras ideias diversas.

Escola Austríaca e Escola de Chicago: qual delas é melhor?

Não há melhor ou pior, mas a Escola Austríaca, de certa forma, conseguiu mais adeptos e resguarda melhor seus princípios. E é considerada mais realista do que a Escola de Chicago por muitos.

Independentemente de qual escola fizer mais sentido para você, é fundamental entender que a Escola Austríaca e a Escola de Chicago de pensamento econômico tiveram muita influência nas políticas econômicas utilizadas ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Por esse motivo, conhecê-las ajuda a entender melhor a economia e as decisões econômicas em diversos lugares no planeta.

Gostou de aprender um pouco mais sobre economia? Continue seu aprendizado e veja o que significa e quais as consequências de se fazer uma declaração de moratória ao FMI!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *