Os índices de inflação funcionam como um termômetro da economia. Por considerar a variação de preços e tendências do mercado, eles conseguem medir como a oscilação no poder de compra acontece. Mas você sabe quais são os principais e como eles funcionam?

Entender esses indicadores é fundamental para os brasileiros, especialmente investidores, pois eles podem indicar tendências e mudar as suas decisões de investimentos. Assim, conhecê-los ajudará a atingir seus objetivos financeiros.

Neste conteúdo você aprenderá o que são índices de inflação e a sua importância. Ainda, conhecerá os 6 principais no nosso país. Continue lendo!

O que são índices de inflação?

É comum que nas economias dos países haja uma oscilação nos preços de produtos e serviços. Por exemplo, no Brasil costuma acontecer um aumento progressivo. Assim, os índices são utilizados para representar essas variações por meio de números.

Utiliza-se a variação de preços de diversos produtos e serviços para realizar esse cálculo. Cada índice se destina a um setor ou setores do mercado, considerando determinados fatores. Eles também podem se diferenciar pela metodologia de cálculo e pelo órgão responsável.

Como os indicadores têm variações nas metodologias, é esperado que, na prática, a inflação seja sentida de modo diferente. Ou seja, as pessoas experimentam variações de preços acima ou abaixo do que os índices mostram.

Isso não quer dizer que eles estejam errados ou tentando manipular a realidade. Na verdade, como selecionam produtos e serviços específicos para fazer os cálculos, representam apenas aquela seleção.

Já na prática do dia a dia, as pessoas compram produtos e usufruem de serviços com uma maior variedade. Por isso, tendem a experimentar a inflação de maneira única. Logo, apenas um índice não consegue refletir a realidade personalizada.

Por que é importante conhecê-los?

Apesar de não haver a exata correlação com os preços no dia a dia, é fundamental conhecer os índices de inflação. Eles permitem identificar tendências, acompanhar evoluções históricas e, até mesmo, oportunidades de investimento.

Também é possível perceber diferenças regionais, tendo em vista que os índices também são estudados por regiões. Dessa maneira, o investidor consegue delimitar ainda mais suas análises, feitas em âmbito nacional ou local.

É certo que os índices inflacionários influenciam o seu planejamento financeiro. Lembre-se que eles mostram variações de preços e ajudam a definir objetivos monetários para manter o seu poder de compra. Com isso, o conhecimento sobre a inflação e seus índices é essencial para os cidadãos.

E, principalmente, para os investidores. Para calcular a rentabilidade real de um aporte, por exemplo, é necessário considerá-la. Afinal, um investimento só trará ganhos reais se os rendimentos forem acima da inflação.

Quais são os 6 principais índices de inflação do Brasil?

Agora que você já sabe o que são os índices de inflação e como são importantes, é preciso conhecer os principais deles.

Descubra, a seguir, quais são os 6 mais utilizados no país!

1. IPC

O IPC é o Índice de Preços ao Consumidor. Ele calcula a variação de preços de um conjunto fixo de produtos e serviços. Essa composição é escolhida conforme as despesas das famílias brasileiras que ganham de 1 a 33 salários mínimos ao mês.

A pesquisa de preços é feita diariamente nas seguintes capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília.

Existem oito grupos de despesas consideradas no cálculo:

  • alimentação;
  • habitação;
  • vestuário;
  • saúde;
  • educação
  • leitura
  • transportes
  • despesas diversas
  • comunicação.

Dentro dessas classes existem 25 subgrupos, 85 itens, e 338 subitens. O cálculo é feito pela FGV — Fundação Getúlio Vargas, e demonstra, percentualmente, a variação nesses custos.

2. IPCA

IPCA significa Índice de Preços ao Consumidor Amplo. Ele é calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mensalmente Seu principal objetivo é mostrar a variação de preços do comércio para os consumidores finais.

No Brasil, é considerado o índice oficial de inflação. O IBGE coleta os dados do primeiro ao último dia de cada mês, considerando 9 grupos. São eles: a alimentação, residência, comunicação, despesas pessoais, educação, habitação, saúde, transporte e vestuário.

Ele busca medir, percentualmente, a evolução do custo de vida de famílias que recebem de 1 a 40 salários mínimos. Seus dados são coletados em 16 capitais brasileiras.

3. IPA

Diferentemente dos índices anteriores, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) é voltado ao produtor. Dessa forma, ele avalia o aumento de preços dos produtos de agronegócio e indústrias no setor atacadista.

Esses são os principais setores que fornecem insumos para empresas no Brasil. Por isso, embora não meça o custo de vida, o índice influencia as companhias brasileiras, que devem repassar os preços aos consumidores.

Medido pela FGV desde 1944, o cálculo é dividido em três versões. O IPA-DI demonstra a média de preços do dia 1º ao dia 30 de cada mês. Já o IPA-10, calcula do dia 11 de um mês ao dia 10 do próximo. E o IPA-M mede os valores do dia 21 de um mês ao dia 20 do próximo.

4. INCC

O INCC significa Índice Nacional de Custo de Construção. Ele calcula a variação de custos dos insumos utilizados em obras habitacionais. Calculado mensalmente pela FGV, esse índice é muito utilizado para a correção de contratos de compra e venda de imóveis.

Ele utiliza dados de Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília. Com isso, faz-se uma média dos preços pesquisados, mostrando percentualmente a evolução.

5. INPC

Sigla para Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o INPC tem a finalidade de corrigir o poder de compra dos salários. Ele considera as oscilações dos valores de uma cesta de consumo para pessoas com um rendimento mais baixo.

Assim, a classe alvo são as famílias que recebem de 1 a 5 salários mínimos nacionais. As pesquisas são feitas em 16 capitais do Brasil, em estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços.

6. IGP

A FGV também divulga o Índice Geral de Preços (IGP) desde o final dos anos 40. Ele é formado pela média de outros três índices. O IPA (com um peso de 60%), o IPC (com um peso de 30%) e o INCC (com um peso de 10%).

Existem 3 versões do IGP: o IGP-DI, o IGP-M e o IGP-10. A única diferença entre eles é o período em que a coleta de dados é feita. O IGP-DI calcula do primeiro ao último dia do mês. Já o IGP-M calcula do dia 21 ao dia 20 do mês seguinte. Por fim, o IGP-10 mede do dia 11 ao dia 10 do mês seguinte.

Agora você já sabe o que são índices de inflação e quais são os 6 principais do país. Lembre-se de considerá-los em seus investimentos, pois eles podem influenciar o ganho real. Além disso, a inflação afeta a sua vida financeira como um todo!

Ficou interessado no assunto? Então acompanhe nosso conteúdo sobre inflação e investimentos!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *