O mercado no qual são transacionadas as operações envolvendo moedas de diferentes países é convencionalmente chamado de Mercado de Câmbio. Você já ouviu falar sobre ele?

No Brasil, a principal moeda estrangeira de referência em relação ao real é o dólar norte americano. O câmbio é a relação de troca dessas moedas, sendo essa relação expressa na taxa de câmbio. Ou seja, quanto é necessário de uma moeda para comprar a outra (como quantos reais são necessários para comprar um dólar).

Nas operações desse mercado, muitas vezes o Banco Central intervém, tomando algumas medidas que impactam nessas operações e na taxa de câmbio. Nesse artigo vamos tratar como o Banco Central faz essas intervenções e por que ele realiza essas operações.

Continue a leitura e aprenda!

O que é câmbio

O câmbio representa a operação de troca de moedas de um pais pela moeda do outro.

Veja o exemplo a seguir:

Nesta tela de cotação, o Banco Central divulga a taxa PTAX que representa quantos reais são necessários para comprar 1 dólar, e também quantos reais são necessários para comprar 1 euro. E por que são necessárias operações de troca de moedas diferentes?

Quando, por exemplo, um turista brasileiro viaja ao exterior, ele precisa da moeda do país destino. Ele compra essa moeda em um agente autorizado pelo Banco Central a operar no mercado de câmbio, que recebe do turista brasileiro a moeda nacional e lhe entrega (vende) a moeda estrangeira.

Existem inúmeras operações nas quais é necessário a troca de moeda, como nas exportações, com venda de produtos brasileiros para o exterior, pagamentos e transferências, e nos gastos com turismo, como no exemplo anterior.

Essas operações compõem o mercado de câmbio, que é regulamentado e fiscalizado pelo Banco Central.

Qual é o papel do Banco Central no mercado de câmbio?

Em seu papel de regulamentar e fiscalizar o mercado de câmbio, cabe ao Banco Central autorizar as instituições que nele operam e também fiscalizar o referido mercado, inclusive com a prerrogativa de punir dirigentes e instituições mediante multas, suspensões e demais sanções previstas em lei quando há algum desvio de conduta.

O Banco Central exerce papel essencial nesse mercado a partir do momento que, além de regulamentar e fiscalizar, executa a política cambial definida pelo Conselho Monetário Nacional.

Essa política cambial pode ser definida como:

Uma política que orienta o comportamento do mercado de câmbio e da taxa de câmbio, sendo traduzida em um conjunto de ações governamentais diretamente relacionadas a operações mercado de câmbio, inclusive no que tange à estabilidade relativa das taxas de câmbio e do equilíbrio no balanço de pagamentos.

Como o Banco Central intervém no mercado de câmbio?

A fim de manter um colchão de segurança frente à crises e eventuais desajustes no mercado internacional, um país procura se proteger formando uma reserva de moedas internacionais. Dessa forma o país tem maior segurança para fazer frente às suas obrigações em moedas estrangeiras e pode ainda realizar operações que influenciam seu mercado de câmbio.

No Brasil, nas operações de câmbio a pactuação das taxas de troca de moeda ocorre de forma livre, não tendo que obedecer uma faixa pré-determinada pelo governo ou afim, sendo o regime cambial flutuante. Porém, esse mercado não opera 100% livre de interferências, já que o Banco Central opera nele influenciando preços.

A forma de intervenção do Banco Central no mercado de cambio é quando ele negocia moeda estrangeria.

Ele compra ou vende dólar, retirando ou injetando dólar na economia brasileira respectivamente. E quando realiza operações com instrumentos cambiais – contratos futuros atrelados ao dólar. É comum nos depararmos com notícias como “o Banco Centrou entrou comprando dólar no mercado”, ou ainda “O Banco Central fez operações de Swap Cambial”.

Saiba mais sobre Swap Cambial no site do Bacen.

Com esse movimento, o Bacen consegue atenuar oscilações de preços bruscas, diminuindo os efeitos de uma subvalorizarão ou supervalorização repentina do real.

Quanto maior a reserva internacional do país, maior o poder que ele tem de realizar esse tipo de operação e manter a estabilidade no mercado.

Por que o Banco Central intervém no mercado de câmbio?

Com essa atuação de injetar ou retirar dólar circulante, o Banco Central intervém na liquidez de moeda internacional, afetando as cotações instantaneamente. E, quando opera por instrumentos cambiais, promove uma proteção cambial – hedge.

Dessa forma faz com que distorções de preços à vista do dólar e formação do câmbio futuro sejam regularizadas. O Banco Central inclusive não coloca limites nessa atuação sendo o principal parâmetro o comportamento do mercado de câmbio.

Assim o Banco Central implanta o que define como assegurar o funcionamento adequado do mercado. Sempre buscando a estabilidade financeira.

Dessa forma, agentes que operam com importação e exportação podem operar em um mercado mais seguro e menos abrupto, com influencias diretas no Balanço de Pagamentos do país, bem como todo o reflexo na economia interna da variação do câmbio é mais controlado e acompanhado pelo Banco Central.

Quer aprender mais sobre mercado financeiro? Leia nosso artigo sobre 8 mitos sobre mercado financeiro – e como não cair neles.

Quer aprender a investir melhor? Então clique aqui!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *