Os Fundos de Investimentos representam  uma das formas mais eficientes de acesso a investimentos, na qual atribui-se a alguém com capacidade a gestão dos recursos. Pode ser que você não saiba, mas essa gestão pode ser feita de forma passiva ou ativa.

Já ouviu falar sobre isso? Já parou para pensar o que isso tem a ver com a taxa de administração, por exemplo? Se você ainda não está familiarizado com fundos de investimentos, aproveite para ler nosso artigo sobre como funcionam os Fundos de Investimentos.

Agora, você entenderá qual a diferença na gestão de fundos e a que se propõem fundos com gestão passiva ou ativa. Continue a leitura e aprenda!

Gestão de Fundos de Investimentos

Um dos grandes fatores de sucesso de um Fundo de Investimento refletido no resultado alcançado é a eficiência do gestor do fundo.

O gestor é aquele que vai definir os papéis a se comprar ou vender, fazendo a estratégia efetiva do fundo. É um agente qualificado para tomar decisões de investimentos e, por isso, os investidores aplicam em seus fundos.

Pense assim:

Cada fundo de investimento, por sua classificação, de acordo com normas e regras dos órgãos reguladores, tem definido em quais famílias de papeis pode aplicar e qual concentração da aplicação.

Porém, essas regras determinam de forma macro os limites de aplicações do fundo. Mas é o gestor do fundo quem vai definir cada papel especificamente, mediante estudo de cenários, buscando sempre a melhor relação risco e retorno.

Cada gestor tem suas características e análises próprias, o que faz com que os fundos sejam diferentes entre si, mesmo sendo fundos de mesma classificação. Ao entender isso, podemos perceber a importância do gestor do fundo.

É importante que você, no papel de investidor, entenda qual a filosofia do gestor, ou da gestão aplicada àquele fundo que pretende investir, para que as expectativas em relação ao resultado do fundo estejam realmente alinhadas com o que ele pretende entregar.

Nessa gestão aplicada ao fundo, é primordial entender se ela é passiva ou ativa. Confira a seguir o que define cada um desses tipos de gestão.

Gestão Passiva

Quando um Fundo de Investimento apresenta gestão passiva, significa exatamente o que o próprio nome diz: o gestor vai assumir um papel mais passivo, com atuação mais previsível.

Nesses casos, o gestor vai buscar alcançar com o fundo rentabilidade próxima ao benchmark do fundo, por exemplo, espelhando os papeis de determinados índices.

Ao aplicar em um fundo com gestão passiva não espere nunca, como cotista, que a atuação do fundo seja proativa para alcançar resultados melhores que o do benchmark.

Ele tentará replicar uma carteira (índice) ou um papel, a fim de entregar um resultado o mais próximo possível do referencial. Portanto, podemos dizer que:

Gestão passiva = Atuação mais previsível

Gestão Ativa

Já na gestão ativa, o gestor apresenta um papel mais atuante, e busca superar índices e benchmarks.

Dessa forma, ao aplicar em fundo com gestão ativa, é preciso entender que é mais importante que você esteja alinhado com as características do gestor, já que o resultado do fundo será mais dependente dos movimentos feito por ele.

Na gestão ativa, se abre mão de um percentual de segurança na postura em relação aos ativos na busca por melhores resultados. Por isso, podemos afirmar que:

Gestão ativa = fundo representa mais a estratégia do gestor e suas análises

Gestão Passiva ou Ativa de fundos de investimento: como escolher?

Importante já deixarmos claro que a forma de gestão não deve ser o único critério ao se escolher um fundo de investimento no qual aplicar.

Isso posto, é preciso analisar, especialmente:

  • Custos e taxas:  Fundos com gestão ativa normalmente cobram taxa de administração mais alta. E Fundos com gestão ativa cobram de forma mais comum taxa de performance.

Aqui cabe um esclarecimento: o que parece a uma primeira vista uma taxa a mais, na verdade, é uma possibilidade de garantir que o gestor estará correndo atrás das melhores rentabilidades possíveis, já que seu ganho depende disso. Ela será cobrada se ele conseguir entregar mais rendimentos.

Lembre-se também que Fundos com gestão passiva não buscam superar rendimentos de benchmarks. Tenha em mente também que todos esses detalhes precisam estar previstos no regulamento do fundo.

Concluindo

Como sempre ocorre no mundo dos investimentos, não há uma fórmula precisa e correta. O que é essencial para você pode não ser para outro investidor.

Se você deseja estar mais exposto à filosofia de um gestor, à sua forma de análise, os fundos com gestão ativa podem ser os mais apropriados.

Apesar de a filosofia de investimento de um gestor parecer distante, a boa notícia é que, atualmente, grandes gestores estão expondo suas ideias cada vez mais e de forma mais acessível. É possível identificar estas ideias em congressos e até mesmo redes sociais. Portanto, nunca foi tão fácil entender a cabeça de um gestor e estar próximo a esse mundo de investimentos.

Já se você pretende somente manter a aplicação prevendo a alocação dos papeis e menos dependente da estratégia do gestor, a gestão passiva pode se enquadrar melhor às suas necessidades.

Quer saber mais? Então acompanhe as diferenças entre gestão passiva e gestão ativa de fundos e conheça exemplos de fundos de gestão passiva ou ativa.

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *