Uma das preocupações constantes na vida de quem investe é a segurança das operações contra os riscos de oscilação do mercado. Nesse sentido, é importante conhecer o que é hedge e saber como a estratégia pode minimizar o perigo dos investimentos.

Podemos entender o hedge como uma ferramenta de proteção que você pode utilizar ao aportar seu dinheiro na bolsa de valores. Conhecer a estratégia e saber como investir com inteligência pode ajudar a impulsionar sua rentabilidade e reduzir os riscos da renda variável.

Quer saber melhor o que é hedge no mercado de renda variável? Continue a leitura e entenda o conceito, saiba para que ele serve e veja como colocá-lo em prática!

O que é o hedge?

Para quem investe na bolsa de valores, hedge é uma forma de proteção dos investimentos. De maneira simplificada, a estratégia funciona de modo a cercar as aplicações e tentar diminuir o impacto da volatilidade nos preços dos ativos da sua carteira.

Ou seja, hedge é a ferramenta que serve para proteger operações financeiras que são expostas a alta taxa de volatilidade. Tal conceito está relacionado com a constante variação de preço de um ativo.

A proteção pode ser feita de acordo com diversas técnicas e pode servir a objetivos diferentes. Por exemplo, proteção contra as variações de câmbio de alguma moeda, segurança maior em relação à baixa da bolsa e eventuais crises econômicas, manejo de risco da produção rural etc.

Em alguns casos, o hedge é uma estratégia que proporciona algum tipo de previsibilidade ao mercado de renda variável. Assim, pode ser utilizado para equilibrar sua carteira.

Quais são os tipos de hedge existentes?

Como vimos, o hedge é uma forma de proteger seus investimentos e existem diferentes estratégias para colocá-lo em prática. Entenda a seguir como ele funciona em diferentes situações.

Commodities

Em relação às commodities, há algumas formas de praticar o hedge. Ele é muito comum entre produtores rurais, para se proteger de oscilações no preço da safra. Por exemplo, negociando contratos no mercado futuro para congelar determinado preço em uma data posterior.

Outra proteção utilizando commodities é em relação ao ouro. Algumas características do metal precioso o fazem ser um dos ativos mais seguros do mercado — como o fato da cotação dele não ter relação direta com questões governamentais de nenhum local específico.

O ouro apresenta correlação negativa com a bolsa de valores. Assim, é esperado que o preço dele suba em períodos de crise econômica, por exemplo. O movimento acontece porque há aumento da procura pelo ativo, que é utilizado como proteção em diversos países.

Como a oscilação no preço do ouro acontece pela lei da oferta e da procura, é normal que o preço aumente quando o mercado financeiro não está favorável. Assim, ter investimentos atrelados ao ouro na carteira pode oferecer maior estabilidade ao investidor da renda variável.

Dólar

Assim como o ouro, o Dólar também é considerado um ativo de proteção. Ele está relacionado à maior economia mundial — os Estados Unidos, que têm força internacional, além do maior volume de negociação nas bolsas de valores.

A moeda norte-americana tem força sobre outras moedas, como o Real. Logo, diversos governos utilizam o Dólar como reserva de segurança. Isso também faz com que a moeda tenha correlação negativa com a bolsa de valores.

Em geral, se quando a bolsa está em queda, o preço do Dólar sobe. Em crises econômicas, por exemplo, é comum ver ascensão da cotação da moeda norte-americana. Desse modo, ter investimentos atrelados a ela também pode funcionar como hedge.

A estratégia de usar o Dólar como proteção da carteira de investimentos é chamada de hedge cambial. Ela serve tanto para investidores da renda variável no geral quanto, especialmente, para quem tem obrigações em Dólar e precisa se proteger das variações de câmbio ao longo do tempo.

Derivativos

O mercado de derivativos pode ser utilizado para hedge. É possível operar com contratos futuros ou opções visando reduzir os riscos relacionados à volatilidade da sua carteira. Assim, eles também são alternativas para proteger a carteira de investimentos.

A estratégia utilizando opções permite adquirir o direito de compra ou venda de uma determinada ação por um preço pré-fixado até uma data limite. Assim, elas são utilizadas por investidores para se proteger de grandes variações no preço.

Quando vale a pena fazer o hedge?

Você acabou de saber mais sobre o que é o hedge e que tipos de proteção podem existir. Mas, afinal, quando vale a pena colocá-lo em prática? Em geral, investidores e até mesmo empresas podem usar a estratégia de hedge para mitigar riscos.

Fazer o controle do risco é fundamental para ter melhores resultados e até mesmo sobreviver no mercado financeiro. Assim, o hedge pode valer a pena quando você já investe em renda variável e quer proteger a sua carteira de eventuais baixas do mercado.

Outro momento em que o hedge pode ser interessante é quando você precisa proteger o dinheiro da variação cambial para algum compromisso em moeda estrangeira. Por exemplo, uma viagem internacional ou a importação de produtos.

Mais um contexto onde a proteção é importante é na produção rural. Imagine um produtor de café que deseje diminuir os riscos da sua produção ser vendida por um valor muito baixo no futuro. Ele pode fazer operações com derivativos para travar um preço mais favorável para uma data no futuro.

Como fazer o hedge?

Após conhecer os benefícios do hedge e suas aplicações, você deve estar se perguntando como é possível colocar a estratégia em prática. É importante entender que existem diversas formas de fazer hedge, pois a técnica pode variar de acordo com os seus objetivos.

O investidor deve conhecer as possibilidades para ver quais são as mais adequadas para ele. Há formas variadas de investir em Ouro ou Dólar – alocando recursos em fundos de investimento relacionados a esses ativos, por exemplo.

Além disso, de modo geral, o mercado de derivativos é bastante utilizado para hedge. Então, também vale a pena conhecê-lo.

Lembre-se, ainda, de que a diversificação da carteira também é uma maneira de se proteger e diluir os riscos. Fazer escolhas diversificadas ajuda a compensar possíveis perdas de alguns ativos com o ganho de outros.

Gostou de saber o que é hedge e como a ferramenta funciona? Ele não elimina todos os riscos do mercado, mas possibilita um manejo do risco e aumenta sua proteção contra intempéries. Então não deixe de analisar sua carteira e pensar nas melhores técnicas para ela!

Este artigo foi útil para você? Aproveite para complementar a sua leitura e não deixe de conferir a diferença entre especular e investir no mercado financeiro!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *