Nomenclaturas que não são comuns em nossa rotina diária podem surgir quando começamos a ler sobre economia e finanças. Alguns desses termos são relacionados a troca de moedas entre países, o câmbio, e traduzem em números a relação de operações comerciais entre eles. É o caso da PTAX.

Ter uma compreensão do que se tratam os termos que lemos nos auxilia no entendimento dos estudos e aumenta nossa facilidade de assimilar alguns conceitos e teorias de investimentos. Então, se você busca compreender mais sobre mercado de câmbio, sobre finanças e mercado de derivativos cambiais, continue a leitura desse artigo e aprenda sobre a PTAX.

Vamos lá?

O que é PTAX

As moedas de diferentes países se correlacionam através de uma taxa de troca entre elas. Ou seja, o valor de uma em relação a outra, e essa relação forma a taxa de câmbio.

Ao se verificar que a taxa de câmbio do dólar é R$ 4,00, significa que para comprar 1 dólar (USD) são necessários R$ 4,00, sendo essa a taxa de troca entre essas moedas, ou o custo de uma moeda para adquirir a outra.

As cotações são separadas em operações de compra e de venda de acordo com a posição da instituição financeira. Hoje no Brasil essas taxas de câmbio não obedecem a limites pré-determinados, sendo livremente pactuadas, e impactadas fortemente por oferta e demanda. Essa relação é expressada pela taxa divulgada pelo Banco Central, PTAX.

Na prática, a PTAX é a taxa referência na economia que representa a cotação de uma moeda estrangeira em relação ao real.

Ou ainda, como define o Banco Central, “As taxas de câmbio divulgadas pelo Banco Central correspondem à média aritmética das taxas de compra e das taxas de venda dos boletins do dia (conhecida como “taxa PTAX” de fechamento)”.

A PTAX é divulgada pelo por meio de site www.bcb.gov.br, na opção cotação. A título de curiosidade, o nome vem das transações no sistema do Sisbacen que antigamente transacionava taxas de câmbio – o PTAX800.

Como é calculada a PTAX

No cálculo do real em comparação com o dólar, é o próprio Banco Central que o efetua e disponibiliza a cotação. Já em relação à outras moedas, ele somente disponibiliza a informação, que é coletada de outras fontes, como sistemas de trocas de moedas.

A CIRCULAR Nº 3.506 do Banco Central dispõe sobre a metodologia de apuração da taxa de câmbio real/dólar divulgada pelo Banco Central do Brasil (PTAX), que é calculada através de dados obtidos via consultas às instituições que realizam as operações de compra e venda de moeda estrangeira com o Banco Central do Brasildealers credenciadas.

A apuração ocorre em todos os dias úteis, de forma automática e eletrônica, em quatro consultas ao dia. Essas consultas têm duração de 2 minutos e são feitas nos seguintes intervalos de tempo:

– 1ª consulta entre 10h00 e 10h10;

– 2ª consulta entre 11h00 e 11h10;

– 3ª consulta entre 12h00 e 12h10;

– 4ª consulta entre 13h00 e 13h10;

As instituições têm o compromisso de disponibilizar para essas consultas uma cotação de compra e uma cotação de venda que representem de forma mais fidedigna as condições do mercado. Essas cotações devem corresponder às médias das operações realizadas, excluídas, as duas maiores e as duas menores.

A taxa PTAX será então a média das taxas obtidas dos dealers. A PTAX é formada, dessa forma, no mercado interbancário.

Algumas pessoas têm a falsa ideia de que a cotação é a mesma durante todo o dia. Mas perceba que ela muda, tanto nas operações realizadas pelas instituições ao longo do dia como nas PTAX divulgadas.

Qual a utilização da PTAX

Toda operação no Brasil em que há troca de real por outra moeda leva em consideração a taxa PTAX divulgada.

Por ser reconhecidamente desenvolvida, a PTAX é amplamente utilizada nos contratos firmados entre agentes que contemples operação com câmbio. O Banco Central disponibiliza, ainda, um banco de dados com histórico para consultas de cotação e boletins, sendo possível buscar por data.

A obtenção da taxa segue preceitos de governança, no qual se garante que as fórmulas de cálculos sejam transparentes e de domínio público; e de qualidade da taxa de referência, com monitoramento constante, dos cálculos e operações.

São acompanhados ainda os princípios de qualidade da metodologia, com testes e descrições de ocorrência, sendo o sistema seguro para troca de informações. Por fim, a prestação de contas, com canal aberto do Banco Central para receber solicitações dos participantes do mercado, realização de auditorias e manutenção do histórico de dados.

Esses princípios são baseados no relatório Principles for Financial Benchmarks” de 2013 da IOSCO, uma organização internacional de valores mobiliários, que tem a CVM como membro fundador.

A PTAX influencia em operações no mercado financeiro, derivativos de câmbio, importação e exportação, e em nosso dia a dia em diversas ocasiões, já que ela é, ao mesmo tempo, um reflexo das taxas praticadas nas operações bem como serve como base para novas operações, exercendo influência na atualização de cotações.

Gostou do texto sobre a PTAX? Continue aprendendo com a leitura de nosso artigo sobre Diferença entre Câmbio Fixo e Câmbio Flutuante.

Quer aprender a investir melhor? Então clique aqui!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *