Trabalhar é bom, mas o exagero pode acabar causando diversos transtornos para o trabalhador – e para sua saúde. Um dos maiores problemas gerados pelo excesso de trabalho é o burnout.

Quer saber mais sobre este assunto? Então acompanhe o artigo de hoje, conheça mais sobre o burnout – uma síndrome cada vez mais comum no dia a dia de muita gente – e saiba como manter sua saúde em dia evitando a sobrecarga de trabalho.

O que é burnout?

O termo em inglês refere-se ao esgotamento causado, em geral, pela sobrecarga de trabalho.  Mais conhecida como Síndrome de Burnout, esta síndrome do esgotamento foi descoberta e relatada pela primeira vez pelo psicólogo alemão Herbert Freuenberger (1926 – 1999), em 1974, que descreveu o distúrbio por ter sofrido do mesmo.

Sofrer um burnout significa alcançar um nível de esgotamento completo: físico, metal e psíquico. Os sintomas do transtorno são muitos: exaustão extrema e que não passa após curtos ou médios períodos de descanso, irritabilidade, distúrbio do sono, dores musculares, alterações de humor, maior dificuldade de concentração, perda de interesse em tarefas ou hobbies que costumavam ser prazerosos, entre outros.

Em casos graves, a pessoa acometida pelo burnout pode também sofrer de taquicardia, náuseas, dor de cabeça ou enxaqueca, falta de ar, aumento da sudorese e até mesmo hipertensão. O burnout é uma síndrome que, se não tratada, pode causar problemas sérios.

O profissional polvo

O acúmulo de funções e o ambiente tóxico de trabalho são algumas das situações que podem prejudicar a saúde mental e física do trabalhador e gerar o burnout. É neste cenário que encontramos os profissionais polvo – uma das principais vítimas da Síndrome de Burnout.

O “profissional polvo” é aquele profissional que acaba tendo de assumir várias responsabilidades de trabalho ao mesmo tempo, como um polvo com seus oito tentáculos. Em geral, é um profissional muito produtivo e funcional para a empresa; graças ao acúmulo de funções e ao excesso de trabalho, no entanto, esta produtividade e funcionalidade acabam sendo atenuadas, dando lugar ao desgaste físico, mental e emocional.

Esta prática tende a ser um perigo para a saúde de qualquer pessoa. Por isso, é fundamental identificar excessos e evitar cargas excessivas de trabalho.

Como evitar o burnout?

É claro que trabalhar é fundamental. Existem, no entanto, atitudes que podem ser tomadas no dia a dia no sentido de diminuir o risco do esgotamento completo do profissional que não estão ligadas, necessariamente, à redução da carga de trabalho.

Confira a seguir algumas atitudes que podem ajudar você a evitar os perigos da sobrecarga de trabalho e do burnout, mantendo uma vida mais equilibrada e mais saudável.

Durma o tempo necessário

Esta dica é preciosa, visto que, sem a quantidade necessária de sono diário, o corpo não consegue se equilibrar nem exercer suas funções apropriadamente. Faça um esforço para dormir bem e descansar de fato – desligando a televisão e o celular, por exemplo.

Desta forma seu corpo e sua mente se manterão saudáveis e mais descansados – o que pode impactar diretamente no aumento da sua produtividade no trabalho.

Reduza o consumo de determinadas substâncias

Alguns alimentos são responsáveis por deixar o organismo mais alerta, mas também podem trazer maior estresse. Se você acredita estar prestes a sofrer da Síndrome de Burnout, vale a pena evitar o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, café e açúcar refinado.

Exercite-se

O exercício físico tem o poder de equilibrar o corpo e a mente, já que a prática de atividades físicas alivia a tensão. Você pode procurar por um tipo de esporte que lhe permita descarregar energias e tensões – como boxe – ou um mais relaxante – como yoga.

Os dois caminhos são válidos e podem ajudar você a evitar o burnout no dia a dia.

Deixe o trabalho no trabalho

Nem sempre é possível deixar o trabalho no trabalho, mas é importante que se faça um esforço para realizar suas tarefas profissionais durante seu expediente de trabalho. Desta forma, você volta para casa para descansar e se divertir, sem ter de sequer lembrar do estresse profissional – evitando também a sobrecarga de trabalho.

Realize uma tarefa por vez

Por mais que o profissional seja contratado para agir como um “profissional polvo”, o mais saudável é fazer uma tarefa por vez. Fazer várias coisas ao mesmo tempo é possível e pode até parecer produtivo – mas a verdade é que você não conseguirá se empenhar tão bem em nenhuma delas, aumentando também seu nível de estresse.

Por isso, ao invés de realizar diversas tarefas ao mesmo tempo, procure focar-se em apenas uma responsabilidade por vez. Com foco e atenção você consegue realizar cada uma destas tarefas com maior agilidade e produzir mais – evitando a sobrecarga, o estresse e o burnout.

Organize-se

A organização é fundamental para evitar o esgotamento físico e mental. Se você tem uma agenda e um cotidiano bagunçado, isso pode acabar aumentando seu estresse, sua sobrecarga de trabalho e seu esgotamento físico e mental.

Procure organizar seu dia, sua semana e todo seu trabalho. Assim também fica mais fácil priorizar as tarefas e prever as horas de descanso.

Automatize

Analise o que tem de ser feito no trabalho e de que forma e faça um esforço para automatizar os processos das tarefas, quando for possível. A automatização pode lhe poupar muito do seu tempo e evitar o excesso de trabalho.

Seguindo estas dicas você conseguirá evitar o excesso de trabalho, priorizar suas horas de descanso e livrar-se do perigo de um burnout. Sua saúde agradece!

E você, já sofreu de burnout? Deixe seu comentário e compartilhe conosco suas experiências!

 

Quer aprender mais sobre investimentos e finanças? Então conheça o treinamento online “O Investimento Perfeito”Clique aqui e saiba mais sobre o curso!

Autor

Redação Blog de Valor

O Blog de Valor é um site de educação financeira independente com a missão de auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e os seus produtos. Assine nossa newsletter!

shadow

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *