Todos nós nos deparamos, em algum momento, com a necessidade de fazer alguma transferência de valores via bancos. Ao comprar um carro, ao realizar algum pagamento a outra pessoa e em inúmeras outras situações.

Porém, existem formas diferentes de se transferir dinheiro. E, utilizando a ferramenta não adequada para uma determinada finalidade, você poderá, inclusive, pagar mais para fazer uma transação – e sequer estará sabendo disso.

Continue a leitura e entenda, definitivamente, a diferença entre as principais formas de transferências de recursos entre instituições existentes no mercado: DOC e TED.

Sobre as Transferências de Recursos

Antes de explicarmos o funcionamento do DOC e da TED, é importante deixar uma informação clara: DOC e TED são utilizados quando há a transferência de recursos para instituições diferentes – na origem e destino do dinheiro.

Quando vamos realizar uma transferência de valor para outra conta da mesma instituição, por exemplo, fazemos uma simples transferência de valores entre contas –  não utilizamos nem DOC e nem TED.

Neste caso, regras de horário, disponibilidade de serviços, tarifas (Banco Central determina no mínimo 2 gratuitas por mês), serão fornecidas pela própria instituição.

Portanto, o primeiro ponto a se analisar quando o assunto é qual tipo de transferência utilizar é verificar se a conta destino da transferência é de instituição diferente da conta origem. E somente em caso afirmativo você optará por DOC ou TED.

DOC e TED

Quando a transferência se der de uma instituição para outra, portanto, é chegado o momento de escolher entre DOC ou TED. Ao fazer um DOC ou TED, as transações são liquidadas no Sistema de Transferência de Reservas (STR), que processa todas as obrigações financeiras no Brasil.

É imprescindível saber, no entanto, que essas transferências de fundos, DOC e TED, são irrevogáveis – ou seja, não há estorno da transação.

Para garantir a solidez do sistema, o dinheiro precisa estar disponível no momento da efetivação da operação, não havendo possibilidade de liquidação posterior e lançamentos a descoberto (não há opção de saldo negativo).

Um pagamento com Cheque, por exemplo, só disponibiliza o dinheiro ao receptor após os prazos de compensação e há o risco de não haver fundos para a compensação do cheque, que não é online, não finalizando assim o pagamento.

Vale ressaltar, inclusive, que muitos podem não saber nem imaginar é que o sistema de pagamentos brasileiro é altamente moderno, automatizado e transparente – apresentando grande agilidade e segurança, sendo exemplo mundial.

Agora que você entendeu a semelhança entre DOC e TED, é importante compreender quais são as características divergentes entre eles. Entenda mais a seguir.

O que é DOC e como funciona?

O DOC – ou Documento de Crédito – é uma forma de transferência de recursos entre diferentes instituições. Já foi bastante utilizada no passado, mas vem caindo em desuso em detrimento da TED.

Esta transação tem as seguintes características:

  • Limite máximo de R$ 4.999,99. Portanto, só é possível emitir um DOC para valores até esse limite.
  • NÃO conta com liquidação online – o que no Sistema de Pagamentos Brasileiro é conhecido como LBTR (liquidação bruta em tempo real).
  • Um DOC transita pela Compe (Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis), e tem o prazo de um dia útil para ser compensado – de forma que a conta destino somente tem o crédito no dia útil seguinte à sua emissão pela origem.
  • No caso de devolução do DOC, o prazo é estendido. A tentativa de efetivação ocorre no dia útil seguinte e, caso não seja possível a finalização da transferência com os dados fornecidos, somente no outro dia útil haverá a devolução dos valores.

O que é TED e como funciona?

A TED – Transferência Eletrônica Disponível – é a transferência com liquidação em tempo real. É a forma de transferência mais utilizada e tem os seguintes parâmetros:

  • Não há limite de valor para emissão de TED.
  • Horário para efetivação: até as 17h00. É interessante, porém verificar com a instituição financeira o horário limite que ela determina para emissão de uma TED – pois isso pode variar de uma instituição para outra.
  • Transferência online: ao se emitir a TED, o valor é debitado no mesmo momento da conta de quem envia a TED – e, em aproximadamente 30 minutos, já está na conta do receptor.
  • Em caso de devolução da TED, ela ocorre no mesmo dia, com a restituição do saldo na conta origem em alguns minutos após a tentativa de envio.

DOC e TED: como escolher?

Na hora de escolher entre DOC e TED, existem algumas outras observações importantes que podem lhe poupar uma dor de cabeça. A primeira delas diz respeito ao TED.

Por ter um caráter de liquidação online, a TED – Transferência Eletrônica Disponível – apresenta vantagem em relação ao DOC. Essa vantagem foi alavancada nos últimos anos, com alterações relacionadas à TED.

Há algum tempo existiam valores mínimos para envio de TED e, por isso, muitas pessoas ainda hoje acreditam que a TED é destinada a valores maiores. Porém, essa realidade já mudou e é possível fazer uma TED de qualquer valor.

As mudanças no TED

Após a reforma, ocorrida no ano de 2002, do Sistema de Pagamentos Brasileiro, houve uma modernização deste sistema. A partir daí, houve uma redução do risco sistêmico e preferência por transações realizadas com liquidação em tempo real.

Nesse contexto surgiu a TED, com liquidação no mesmo dia, e posteriormente colocou-se o limite para o DOC de R$ 4.9999,99.

Ao ser criada, o valor para emissão de TED era de 5 milhões de reais, em 2002. Já em 2003 seu valor foi para transações a partir de 5 mil. Em 2010 já foi possível emitir TED a partir de 3 mil reais.

Gradualmente foi feita a redução do limite para emissão de TED, chegando à possibilidade, atualmente, de emitir uma TED de qualquer valor.

Mas então, quando usar o DOC ?

Algumas instituições não permitem o agendamento da TED. Assim, nos casos em que for necessário agendar um pagamento, é interessante a utilização do DOC – que permite o agendamento da forma mais comum.

Pode ocorrer também de a instituição destino não acatar TED para determinados tipos de conta. Como conta poupança, por exemplo. Neste caso, será necessário fazer um DOC.

Além disso, vale ressaltar que toda transação com liquidação online apresenta maior segurança e entrega uma maior satisfação àquele que utiliza. Afinal, em poucos minutos a transferência é finalizada. Dessa forma, geralmente, será preferível a utilização da TED.

Pontos de atenção

Para consolidar sua decisão na hora de escolher entre DOC e TED, é necessário se atentar a alguns detalhes:

TARIFAS

As tarifas de DOC e TED estão entre algumas das tarifas mais altas praticadas pelas instituições. Verifique se você paga algum valor mensal em sua conta corrente que lhe dá direito a alguma TED ou DOC. Vale conferir também se você possui algum relacionamento, como saldo de investimentos, que lhe permite pedir isenção da tarifa.

E atenção: ao fazer a transação por canais alternativos, como internet banking, por exemplo, a tarifa geralmente é mais barata! Muitas instituições entrantes no mercado, inclusive, têm adotado a política de isenção de tarifas como um atrativo para clientes.

Contas com movimentação exclusivamente de forma digital também contam, normalmente, com a isenção de tarifas dessa natureza.

DADOS ERRADOS

Como vimos, essas transações não permitem estorno. Desta forma, é muito importante – e de responsabilidade de quem emite – a conferência e exatidão dos dados do destinatário. Caso você informe os dados errados, a transferência pode voltar ou pode ser destinada a conta de um terceiro – caso você tenha informado dados incorretos. Neste caso, não haverá estorno.

Vale ressaltar também quem, mesmo havendo devolução de uma Transferência, a tarifa é cobrada. Afinal, ela se refere ao serviço prestado. Dessa forma, é importante manter bastante atenção ao informar os dados da conta destino.

CONTAS PARA ENVIO DE TRANSFERÊNCIAS

As instituições podem limitar o envio de recursos por conta corrente, ou conta poupança. Verifique se sua instituição permite, por exemplo, que sejam feitas TED’s via conta poupança, ou somente pela conta corrente.

LIMITES DE VALOR PARA TRANSAÇÕES EM CANAIS ALTERNATIVOS

Muitas instituições limitam o valor de transferência que o cliente pode fazer por canais como internet banking e aplicativo da conta – mobile.

Isso se dá por medida de segurança. Não fique chateado e se programe sempre que for fazer uma transferência de valor maior: poderá ser necessário solicitar autorização ou utilizar tokens para que seja permitida essa transferência.

Conclusão

A decisão de escolher DOC ou TED para fazer uma transferência entre bancos é pessoal de cada consumidor. Conhecendo as opções disponíveis, basta que você verifique sua necessidade e escolha o melhor tipo de transação para cada situação.

Lembre-se que, seja qual for a escolha, você sempre precisará, para fazer seja uma TED ou um DOC, dos seguintes dados: Banco, Agência, Conta, CPF ou CNPJ e nome completo do destinatário!

Quer receber conteúdos sobre finanças e investimentos por email? Então assine nossa newsletter e continue aprendendo com conteúdo gratuito sobre investimentos e mercado financeiro.

Como fazer seu dinheiro trabalhar para você?

Aprender a investir melhor seu dinheiro e tomar boas decisões de investimentos, de acordo com seu planejamento pessoal, é a única maneira de fazer seu dinheiro trabalhar para você e de conquistar todos os seus objetivos financeiros.

Quer acelerar a conquista da sua liberdade financeira? Então clique aqui e saiba como fazer o seu dinheiro trabalhar para você agora!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

shadow

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *