Que falar sobre dinheiro é tabu para a maioria da sociedade brasileira, já sabemos. Por não gostar de tocar no tema, podemos imaginar que a relação com dinheiro, de forma geral, não é uma das melhores.

Apesar de ser apenas um objeto, é preciso que as pessoas tenham um bom relacionamento com seu dinheiro. Dessa forma, as chances de viver feliz financeiramente e utilizá-lo com sabedoria serão maiores.

Caso contrário, a pessoa não só terá muita dificuldade para conseguir chegar no patamar financeiro que deseja como também sofrerá para adquirir tudo aquilo que quiser.

Por isso, confira agora 7 sinais que indicam que a sua relação com seus ganhos não é saudável e mude já sua postura! (A #5 é para se espantar!)

1. Não saber para onde vai seu dinheiro

Não é necessário falar que gastar demais é um dos sinais que provam que você tem uma relação tóxica com o dinheiro. Uma pessoa que não mede o quanto desembolsa tende a desperdiçar dinheiro em produtos e serviços desnecessários e, muitas vezes, perde a noção do quanto comprou.

Comprar por impulso também é um problema grave e pior ainda, tentar viver um estilo de vida mais caro que o possível. Mas apesar de terrível, tudo isso consegue ser menos maléfico do que gastar o dinheiro e não saber para onde ele está indo.

Sabe aquelas pessoas que gastam muito e sempre chegam no final do mês sem nada na conta e quando alguém pergunta o que aconteceu não têm ideia de como o dinheiro acabou? Então, se você age assim, pare agora mesmo!

Não saber para onde seu dinheiro está indo é um dos maiores crimes que pode cometer contra a sua vida financeira. Por isso, sempre pense antes de abrir a carteira, fique atento a tudo o que faz você gastar seu dinheiro, procurando anotar o que você comprou e onde você tem deixado suas economias.

2. Não planejar seu mês

Uma pessoa que age conforme o item anterior, ou seja, que não tem ideia para onde seu dinheiro vai, muito provavelmente não faz um orçamento mensal, tampouco um planejamento financeiro. Fazer um orçamento todo mês, anotar seus gastos e suas entradas ajudará a administrar melhor seu dinheiro e também a visualizar onde você anda gastando seu dinheiro.

Dessa forma, você trata suas finanças com seriedade e respeito e saberá se controlar melhor.

Confira alguns artigos relacionados:

3. Ficar sempre fazendo dívidas

Se você é do tipo que vive comprando o que quer, assume parcelas e sempre compra mais quando recebe mais, parabéns! Você está no que Robert Kiyosaki chama de corrida dos ratos.

Ou seja: você gasta tudo o que ganha e, quando começa a ganhar mais, gasta proporcionalmente mais, ao invés de poupar o excedente! Isso lhe descreve? Então saiba que está num caminho muito ruim!

Podemos considerar esse terceiro sinal um dos maiores erros dos brasileiros em geral, pois grande parte do público vive comprando produtos e pagando por serviços, tudo parcelado no cartão de crédito. Essa realidade é extremamente ruim para a sua vida financeira e pode lhe prejudicar por muito tempo no futuro!

Por isso, evite as dívidas, tente comprar à vista (somente o que for necessário) e não fique negativado ou com a conta completamente zerada. Trate bem seu dinheiro, pois ele é um recurso finito!

4. Não conversar sobre o assunto

Como foi comentado, tocar no assunto “dinheiro” é tabu na maioria das famílias brasileiras. Isso é muito comum, sendo passado à frente para as demais gerações. Coloque imediatamente na sua mente que conversar sobre dinheiro não deve ser visto como algo ruim!

Sendo assim, converse sobre o assunto com seus amigos e familiares e mostre para eles que quem fala de dinheiro não é uma pessoa gananciosa. Há diversas crenças comuns e até negativas sobre dinheiro que vivem sendo replicadas, principalmente aquelas: “dinheiro não traz felicidade” e “dinheiro corrompe as pessoas”.

Por isso, falar de dinheiro e finanças se tornou algo tido um tanto quanto “indecente”. Mude sua mentalidade porque isso não é errado! Falar sobre o assunto é necessário para ajudar a cuidar das finanças.

Em vez de ficar repetindo essas crenças limitantes sobre dinheiro, comece a vocalizar crenças fortalecedoras, como “dinheiro ajuda a melhorar a vida das pessoas” ou “dinheiro traz felicidade sim”. Crie você mesmo as suas e mentalize-as para ter sempre pensamentos positivos!

5. Guardar demais

Poupar dinheiro é essencial para garantirmos um futuro financeiro estável, não prejudicar nosso presente e claro, investir no mercado financeiro ou em algo que desejamos muito. Contudo, guardar demais é um erro terrível.

Quem não usa nada do seu dinheiro não aproveita a vida e começa a ficar com medo de utilizá-lo até mesmo em situações necessárias ou extremas. Entenda que você não precisa gastá-lo de forma desmedida mas, em certas ocasiões, utilizá-lo para algo que lhe faça bem é essencial.

Dinheiro não é algo que se deva usar de forma irresponsável, mas pode ser um meio para nos proporcionar prazer e melhorar a autoestima.

6. Culpar fatores externos ou os outros pela sua falta de dinheiro

Quem vive culpando intencionalmente os outros, não assumindo seus erros ou defeitos precisa melhorar muito nesse aspecto. Mas assim como essas pessoas, há quem não consiga enxergar os erros que comete, colocando a culpa em fatores externos pela sua falta de dinheiro.

Assim, o problema nunca é do indivíduo que gasta o dinheiro sem pensar, que compra por impulso e usa para adquirir produtos que não precisa. A culpa, nesses momentos, é do governo, do cônjuge, do trabalho ou de qualquer outra coisa que a pessoa quiser…

Esse é um erro grave e se você faz isso, saiba que é um dos sinais mais preocupantes que indicam que você tem uma relação tóxica com o dinheiro. Por isso, mude sua postura e comece a enxergar que sua falta de dinheiro pode ser ocasionado por algum hábito seu.

7. Não planejar suas metas

Todo mundo tem sonhos. Quem é que nunca ouviu algum amigo falando que queria “viajar para o país X, morar na cidade Y e ter o carro Z”? Contudo, quantos realizam ou colocam em prática aquilo que desejam?

Ficar somente sonhando sem colocar os planos em ação é triste e desnecessário, não acha? Se você não determina objetivos de curto, médio e longo prazo, saiba que sua relação com o dinheiro pode se tornar pior ainda, pois a tendência é que quanto mais dinheiro na mão você tiver, maior a chance de gastar tudo em supérfluos.

E pior: sua vida terá passado e você não terá realizado o que sonhou, correndo o risco de ficar tudo somente na sua imaginação.

Veja as pessoas ao seu redor e comprove: aquelas que não planejam suas metas geralmente não têm uma relação saudável e feliz com suas finanças. Isso ocorre porque quem não tem objetivos definidos acaba gastando seu dinheiro de forma “imediatista”.

Ter uma boa relação com dinheiro poderá lhe trazer bons momentos e sentimentos de prazer e realização. Quem sabe disso cuida melhor das finanças, sente-se bem e mais contente financeiramente, pois sabe utilizá-lo com sabedoria.

Por isso, fique de olho e se você apresenta um desses 7 sinais que indicam que sua relação com seus ganhos não é agradável, mude já seus pensamentos e hábitos e comece a cultivar uma boa relação ganha-ganha com seu dinheiro que você com certeza verá mudanças na sua vida financeira!

Falando de vida financeira, como anda a sua? Assine a nossa newsletter e receba bons conteúdos sobre o assunto e melhore sua relação com suas finanças pessoais!

Como fazer seu dinheiro trabalhar para você?

Aprender a investir melhor seu dinheiro e tomar boas decisões de investimentos, de acordo com seu planejamento pessoal, é a única maneira de fazer seu dinheiro trabalhar para você e de conquistar todos os seus objetivos financeiros.

Quer acelerar a conquista da sua liberdade financeira? Então clique aqui e saiba como fazer o seu dinheiro trabalhar para você agora!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

shadow

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *