É possível afirmar com um certo grau de certeza que praticamente todo brasileiro já pensou em fazer uma poupança. Seja para guardar dinheiro para realizar algum sonho, para o futuro, para os estudos dos filhos ou qualquer outro motivo relevante, aplicar algum dinheiro certamente já passou pela cabeça da maioria das pessoas.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima), a poupança é o “investimento” favorito dos brasileiros. Cerca de 89% dos que têm algum tipo de investimento aplicam o dinheiro na caderneta de poupança.

Essa preferência pela poupança pode ser explicada por uma questão cultural, pelo medo ou mesmo o desconhecimento sobre o mercado financeiro. A popularidade desta modalidade de investimento, no entanto, pode estar com os dias contados.

Se você pensa em deixar seu dinheiro aplicado na poupança, continue a leitura do artigo e veja 7 fatos sobre a poupança que muitos não dizem por aí!

1. Poupança não é investimento

A poupança pode ser vista por muitos como uma modalidade de investimento. No entanto, ela não poderia ser considerada como tal. Como o próprio nome indica, ela serve somente para poupar.

E por mais que algumas pessoas pensem que, ao guardar dinheiro, está fazendo um investimento para o futuro, isso não é verdade. O dinheiro permanece quase estagnado e praticamente não rentabiliza.

Inclusive, alguns especialistas dizem que guardar dinheiro na poupança é o mesmo que deixá-lo escondido em um cofre dentro de casa ou colocá-lo embaixo do colchão. Ainda mais em um cenário de taxa Selic mais baixo.

Tenha em mente que poupar dinheiro não é o mesmo que investir. Poupar é sinônimo de guardar, enquanto investir se relaciona diretamente com a rentabilização do dinheiro e os retornos esperados, sejam eles no curto, no médio ou no longo prazo.

2. O retorno financeiro é muito ruim

Sim, podemos afirmar que o retorno financeiro da poupança é ruim. E não adianta querer guardar quantidades cada vez maiores acreditando que, por ter muito dinheiro lá, a rentabilidade aumenta e você terá um retorno extraordinário.

O rendimento da poupança obedece a seguinte regra: quando a taxa Selic for igual ou menor que 8,5% ao ano, a rentabilidade da poupança é de 70% da Selic + TR. Por outro lado, se a taxa Selic estiver maior que 8,5% ao ano, a poupança renderia 0,5% ao mês mais a TR.

É muito difícil ter uma rentabilidade adequada dessa maneira. Além do mais, a inflação pode prejudicar o rendimento da poupança. Por exemplo, se a taxa Selic for de 6,5% ao ano, a poupança renderia aproximadamente 4,55%. Contudo, se a inflação for de 4% ao ano, sua poupança teria um rendimento anual real de apenas 0,55% em 12 meses!

3. Você empresta dinheiro aos bancos

Você sabe como funciona a poupança? Basicamente, coloca seu dinheiro na aplicação e, depois de um mês, ela oferece um rendimento baixo.

Contudo, engana-se quem acredita que o dinheiro fica lá apenas guardado. Quando você coloca seu dinheiro na poupança, está na verdade emprestando ele para o banco.

O rendimento é muito baixo porque, com a poupança, o banco não tem dificuldade nenhuma em captar dinheiro. Afinal de contas, uma grande quantidade de pessoas coloca o dinheiro nela, não é mesmo? Então, por que o banco daria uma porcentagem grande de retorno por esse “empréstimo” se ele consegue o dinheiro de forma fácil?

Portanto, tenha isso em mente: o dinheiro não fica parado na poupança. As instituições financeiras utilizam esses valores para as suas atividades rotineiras. Além disso, as instituições podem até receber valores aplicando a sua poupança em outros investimentos sem que você realmente saiba disso!

4. Você se mantém na zona de conforto

Colocar o dinheiro na poupança é cultural. Os indivíduos aprendem com os seus respectivos familiares que é importante guardar dinheiro. Por isso, têm em mente que fazer uma poupança, guardando o dinheiro na caderneta é a melhor forma de planejar o futuro.

Por causa disso, muitos acabam seguindo os mesmos passos e sequer exploram outras formas de manejar o dinheiro excedente, fazendo-o trabalhar para obter rendimentos significativos.

A verdade é que colocar o dinheiro na caderneta de poupança deixa você na sua zona de conforto. Simplesmente porque deixa seu dinheiro lá reservado, acompanha a quantidade disponível e se sente seguro por ter uma reserva, caso seja preciso. Muitos pessoas fazem isso.

O ideal é sair dessa zona de conforto e procurar outras formas melhores para rentabilizar o dinheiro, não apenas guardá-lo. Por isso, invista na sua educação financeira, faça cursos e aprenda sobre os diferentes tipos de investimentos.

5. Deve ser utilizada apenas para juntar

Assim como muitas pessoas, talvez você não tenha uma quantidade necessária para começar a aplicar em algum investimento. A poupança aqui tem um papel fundamental: lembra que falamos que ela deve ser utilizada apenas para poupar dinheiro?

Então, você pode utilizá-la para acumular a quantidade de dinheiro definida, para depois transferi-lo para o investimento que mais tenha a ver com o seu perfil.  Mas isso não é regra. Isso porque, atualmente, existem inúmeras opções melhores que a poupança para juntar dinheiro e ainda ter uma rentabilidade melhor. E o aporte mínimo costuma ser bastante baixo.

6. Há outras opções melhores

Se você não investe porque ainda tem medo, saiba que existem opções muito melhores que a poupança e que podem ser tão seguros quanto! Os investimentos em renda fixa, por exemplo, são ótimos para começar e para quem tem um perfil mais conservador.

Ou seja, se você tem um perfil pouco tolerante a perdas, essas alternativas poderão lhe atender! Alguns exemplos são:

O rendimento desses investimentos tende a ser maior. Inclusive, você não precisa ter muito dinheiro para começar a investir! Você pode começar adquirindo títulos do Tesouro com apenas R$30,00!

7. A poupança já foi confiscada

Esse fato você com certeza conhece, seja pelos livros de história, por ter ouvido notícias, pelos relatos de familiares ou porque você mesmo teve sua poupança confiscada no período de governo de Fernando Collor.

O assunto ainda é recente e muitos têm medo de que isso possa acontecer de novo em algum momento. Inclusive, há ainda quem diga que a poupança não é segura por causa desse evento. Mas afinal, será que ela pode ser confiscada novamente?

A resposta é não! Em 2001, foi criada a Emenda Constitucional 32, que veda a detenção ou o sequestro de bens, sejam eles de poupança ou qualquer outro ativo financeiro.

Ou seja, mesmo que o país fique numa situação financeira crítica, a sua poupança, assim como quaisquer dos seus investimentos, não poderão ser confiscados! Logo, você pode ficar tranquilo em relação a isso.

Entretanto, é fundamental que você saiba que esta situação já ocorreu, e que causou inúmeros transtornos a muita gente.

Artigos relacionados:

Conclusão

Fazer uma poupança geralmente é a primeira ideia que vem à mente da maioria das pessoas quando se fala em poupar, em fazer economia ou investir. No entanto, a poupança não pode ser considerado um investimento! Seu dinheiro não rende adequadamente nesse tipo de aplicação.

Portanto, busque educar-se financeiramente e procure opções mais rentáveis no mercado financeiro!

Quer aprender a fazer seu dinheiro render? Veja agora 4 opções de investimentos interessantes para iniciantes!

Autor

Equipe André Bona

O Portal André Bona é um site de educação financeira independente, que tem como missão auxiliar pessoas e famílias a melhor compreender o mercado financeiro e seus produtos. Assine nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *